crosscheckdeposited

Questões Pedagógicas da Modelagem em Engenharia

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v24n1p11-21

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Marcos A. da Silveira1

 

Resumo: Analisa-se o problema da modelagem de sistemas dinâmicos a partir da teoria desenvolvida por Raymond Duval sobre a conversão entre registros de representações semióticas. Em particular, estuda-se a problemática pedagógica do uso e compreensão desta modelagem a partir de um exemplo retirado da disciplina de sistemas de controle lineares.

Palavras-chave: modelagem, representações, pedagogia, teoria cognitiva, educação em engenharia

 

Abstract: The dynamical system modeling problem is analyzed from the theory developped by Raymond Duval about the conversion of registers of semiotic representations. In particular, the pedagogic problems for the use and understanding of this modeling is studied as presented in a example from the linear control systems theory.

Key words: modeling, representations, pedagogy, engineering education

 

1 Professor Associado; Docteur d’État, Spec. Automation, UPS (Toulouse); PUC-Rio; DEE/PUC-Rio, Rua Marquês de São Vicente, 225, 22453-900, Rio de Janeiro, RJ, BRASIL; tel: 55-21-3527-1629; fax: 55-21-35271232. E-mail: marcos@ele.puc-rio.br

 

Literatura Citada

BACHELARD, G. O novo espírito científico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1968.

BASMADJIAN, D. The art of modeling in science and engineering. Boca Raton, Florida: Chapman & Hall/CRC, 1999. doi

BUNGE, M. Teoria e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1974.

_______. Dicionário de filosofia. São Paulo: Perspectivas, 2002.

CHEN, C. T. Analog and digital control system design: transfer-function, state-space, and algebraic methods. Fort Worth: Saunders College Publishing, 1993.

CLARCK, H. H.; CHASE, W. G. On the process of comparing sentences against pictures. Cognitive Psychology, v. 3, p. 472-517, 1972. doi

DA SILVEIRA, M. A. Conceitos, sentido e competências: aplicando o ensino concorrente. Revista Brasileira de Ensino de Engenharia (ABENGE), v. 20, n. 2, p. 15-25, dez. 2001.

_______. Planificação de conteúdos e de problemas: um ensaio sobre a didática do conceito de estabilidade. Revista de Ensino de Engenharia, v. 22, n. 1, p. 33-48, 2003.

_______. Sobre representações pragmáticas. In: JAHN, A. P. et al. (Org.). História e recnologia no ensino da matemática, Rio de Janeiro, RJ: IME-UERJ, 2005. v. 2. CD-ROM.

DUVAL, R. Sémiosis et pensée humaine. Berna, Suíssa: Peter Lang, 1995.

_______. Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão em matemática. In: MACHADO, S. D. A. (Org.). Aprendizagem em matemática. Campinas, SP: Papirus, 2003.

GORDON, G. System simulation. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1969.

HABERMAS, J. Connaissance et Intérêt. Paris, França: Gallimard, 1976.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JAPIASSU, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

KARNOPP, D.; ROSENBERG, R. C. System dynamics: a unified approach. New York: Wiley, 1975.

KUHN, T. La structure des révolutions scientifiques. Paris: Flammarion, 1992.

_______. A tensão essencial. Lisboa: Edições 70, 1989.

LARKIN, J. H.; SIMON, H. A. Why a diagram is (sometimes) worth tem thousand words. Cognitive Science, v. 11, p. 65-99, 1987. doi

MACHADO, S. D. A. (Org.). Aprendizagem em matemática. Campinas, SP: Papirus, 2003.

OGATA, K. Modern control engineering, 3rd edition. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 1997.

PIAGET, J. Abstração reflexionante. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1977.

VYGOTSKY, L. Pensée et langage. Paris, França: Sociales, 1985.