Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Produzindo Engenheiras

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v27n1p48-56

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Karla Saraiva1

 

Resumo: A engenharia é, atualmente, a profissão com formação acadêmica onde a marca da masculinidade está mais fortemente enraizada. Dizer que engenharia é profissão para homens soa ainda “natural”, não se entendendo essa afirmação como problemática. Desde a escola, as marcas identitárias pelas quais se representa o gênero feminino colocam as mulheres como estranhas a esse campo e as produzem como pouco dotadas para essa área profissional. Ao decidir por um curso de engenharia, a mulher está entrando num território significado como um lugar do masculino. Mas esta ousadia tem um preço: os discursos que circulam nos cursos de engenharia, bem como as práticas não discursivas, produzem uma identidade feminina como dobra da identidade masculina hegemônica. Discutir a produção dessa subjetividade e as inscrições que se fazem sobre o corpo feminino nas escolas de engenharia é o tema abordado nesse artigo.

Palavras-chave: engenharia, mulheres, identidade

 

Abstract: Nowadays engineering is the profession that requires an academic title where the mark of the masculinity is too strong. To say that engineering is a career for men still sounds “natural”. Most people do not understand this statement as a problem. Since primary school period, identity marks for which the feminine gender is represented make the women strangers to this field and they rank them as somewhat less endowed for this professional area. When deciding for an engineering course woman is getting into a territory meant as a masculine place. Nevertheless this audacity has a price: the speeches that circulate in engineering courses, as well as the non discursive practices, produce a feminine identity as a fold of the masculine identity. To discuss the production of this subjectivity and the inscriptions that are done on the feminine group in engineering schools is the subject approached in this paper.

Key words: engineering, women, identity

 

1 Engenheira civil e Doutora em Educação pela UFRGS. Professora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Av. Unisinos, 950, São Leopoldo - RS. E-mail: karlasaraiva@via-rs.net

 

Literatura Citada

BERTOLINO, Edina. Mulheres na construção. Disponível em: <http://www2.uol.com.br/simbolo/raca/0800/compoa1.htm>. Acesso em: out. 2006.

COSTA, Marisa. Mídia, magistério e política cultural. In: COSTA, Marisa. Estudos culturais em educação. Porto Alegre: UFRGS, 2000. p. 73-91.

EWALD, François. Foucault, a norma e o direito. Lisboa: Vega, 1993.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: RABINOW, Paul; DEYFUS, Hubert. Michel Foucault – uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

FOUCAULT, Michel. Poder-corpo. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2000. p. 145-152.

GENDERCIDE WATCH. Case study: montreal massacre. Disponível em: <http://www.gendercide.org/case_montreal.html> Acesso em: out. 2006.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 22, v. 2, p. 15-46, 1997.

KANT, Immanuel. Sobre a pedagogia. Piracicaba: Unimep, 1996.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, T. T. O sujeito da educação – estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 35-86.

LOURO, Guacira. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 20, v. 2, p. 101-132, 1995.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação – uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1999.

PLONSKI, G. A. Educação continuada e reciclagem de professores e engenheiros. Disponível em: <http://www.engenheiro2001.org.br/programas/980208a1.htm>. Acesso em: out. 2006.

SCHLUMBERGER LIMITED. Mulheres na ciência e na engenharia. Disponível em: <http://www.seed.slb.com/pt/scictr/career/wise/interviewees.htm>. Acesso em: out. 2006.

STUDYRAMA. Devenir ingénieure – témoignages des femmes. Disponível em: <http://www.studyrama.com/article.php3?id_article=2498>. Acesso em: ago. 2004.

SWAIN, Tânia. Quem medo de Foucault? Corpo e sexualidade. In: PORTOCARRERO, Vera; CASTELO BRANCO, Guilherme. Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: Nau, 2000. p. 138-158.

TECNISA. TECNISA contrata mulheres para “funções masculinas”. Disponível em: <http://www.tecnisa.com.br/imprensa/downloads/97.doc>. Acesso em: out. 2006.

VEIGA-NETO, Alfredo. A ordem das disciplinas. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

VEIGA-NETO, Alfredo. Incluir para excluir. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos. Habitantes de Babel – políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 105-118.

VEIGA-NETO, Alfredo. Dominação, violência, poder e educação escolar em tempos de império. In: RAGO, Margareth; VEIGA-NETO, Alfredo. Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. p. 13-38.

WALKERDINE, Valerie. O raciocínio em tempos pós-modernos. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 20, v. 2, p. 207-226, 1995.

WISE. Profiles. Disponível em: <http://www.ucalgary.ca/wise/profiles.htm>. Acesso em: out. 2006.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Petrópolis: Vozes, 1991.