Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

As Políticas do MEC para a Educação Superior e o Ensino de Engenharia no Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v27n3p61-68

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Ronaldo Mota1 & Rubens Martins2

 

Resumo: Questões relacionadas ao ensino das engenharias são discutidas a partir dos balizamentos da educação superior no atual governo federal: i) expansão da oferta de vagas; ii) garantia de qualidade; iii) promoção de inclusão social pela educação; iv) ordenação territorial; v) desenvolvimento econômico e social através da educação superior, enquanto peça imprescindível na produção científico-tecnológica. Especificamente, são analisadas a expansão das universidades federais nesta sua etapa mais recente, através do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI), e sua ênfase e estímulo às áreas das engenharias e tecnologias em geral.

Palavras-chave: ensino de engenharia, inclusão social, educação superior, REUNI

 

Abstract: Issues related with engineer teaching and learning are discussed considering the priorities of the Brazilian Federal Government, such as: i) expansion of the public system; ii) guaranty of quality; iii) promotion of social inclusion through education; iv) territorial ordinance; and v) social and economical development through higher education as strategically component of the scientific and technological production. Specifically, the recent expansion of the Federal Universities via the REUNI (Program of Support to Plan of Expansion) and its emphasis and stimulus to the areas of Engineering and Technologies in general are analyzed.

Key words: engineering teaching and learning, social inclusion, higher education, REUNI

 

1 Secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Doutor em Física pela Universidade Federal de Pernambuco (1984) e Pós-Doutor pela University of British Columbia-Canadá (1985) e na University of Utah (1993); pesquisador do CNPq na área de física e professor Titular da Universidade Federal de Santa Maria. Foi secretário de Educação a Distância e secretário executivo do Conselho Nacional de Educação. rmota@mct.gov.br
2 Gestor governamental, coordenador-geral de Fluxos e Processos da Educação Superior na SESu/MEC, mestre em Sociologia pela USP e Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília; professor das Faculdades Integradas da UPIS - DF. rubensomartins@uol.com.br

 

Literatura Citada

BRASIL. Ministério da Educação. Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). Brasília, 2007. Acessado em http://portal.mec.gov.br/arquivos/livro/livro.pdf.

LONGO, W. P. O Programa de Desenvolvimento das Engenharias, Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 2, Rio de Janeiro/RJ, 2004.

LONGO, W. P. Reengenharia do ensino de engenharia: uma necessidade. Revista Segurança & Desenvolvimento, n. 220, p. 13-16, 1996.

LONGO, W. P.; TELLES, M. H. C. Programa de desenvolvimento das engenharias: situação atual. Revista de Ensino de Engenharia, n. 19, p. 74-82, Brasília, 1998.

SILVA, Wainer S.; SOARES, Carlos A. P. Preparando engenheiros de telecomunicações para o mercado de trabalho pós-privatização. COBENGE 2001. Disponível em: http://www.pp.ufu.br/Cobenge2001/trabalhos/EQC015.pdf

MARTINS, Rubens de Oliveira. Permanência e movimento: um olhar sobre o processo de construção das diretrizes curriculares para o ensino superior no contexto das políticas do MEC. Tese (Doutorado) - UnB, Departamento de Sociologia, Brasília, 2004. Mimeografado.

GIBBONS, Michael et al. The new production of knowledge – the dynamics of science and research in contemporary societies. London: Sage, 1994.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. Special issue on science policy dimensions of the Triple Helix of University – industry – government relations. Science and Public Policy, v. 24(1), 1997.

KNORR-CETINA, K. Scientific communities or transepistemics arenas of research? A critique of quasi economic models of science. Social Studies of Science, n. 12, 1982.