Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Perdas dos Sistemas Produtivos: Uma Estrutura Metodológica para seu Ensino

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v28n2p40-53

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Lynceo F. Braghirolli1 & Marcelo Hoss2

 

Resumo: Este trabalho tem como objetivo aprimorar o ensino da produção enxuta nos cursos de engenharia de produção. Para isso desenvolveu-se uma proposta de estrutura metodológica para o ensino conceitual de perdas em um sistema produtivo, visando obter condições mais apropriadas aos resultados deste tipo de aprendizagem. Assim, a estrutura foi composta por três etapas: a exposição dos conceitos teóricos apresentando os sete tipos de perdas de um sistema produtivo, uma dinâmica de grupo envolvendo a simulação de um ambiente fabril e, finalmente, uma discussão em grupo visando ao desenvolvimento da reflexão dos alunos. A validação desta metodologia foi realizada por meio de um estudo de caso, no qual tal metodologia foi aplicada numa turma de graduação do curso de Engenharia de Produção. A estrutura metodológica proposta foi bem aceita pelos alunos quando comparada com o método tradicional expositivo. Além disso, os alunos sinalizaram positivamente para a incorporação desta metodologia no programa da disciplina.

Palavras-chave: metodologia de ensino, engenharia de produção, simulação, sistemas de produção

 

Abstract: This paper aims to improve the lean production teaching in the Industrial Engineering course. To do so, it was developed a proposal for a methodological framework for the conceptual wastes teaching in a production system, aiming to obtain more appropriate conditions to the results of this kind of learning. In this way, the structure was composed of three steps: the exposure of theoretical concepts featuring the seven wastes in a productive system, a group dynamics involving the simulation of a manufacturing environment and, finally, a group discussion aimed at developing the students thinking. The validation of this methodology was carried out through a case study, where this methodology was applied in a class of Industrial Engineering course. The methodological framework proposal was well accepted by the students when compared with the traditional expositive method. In addition, the students positively agreed with the incorporation of this methodology into the academic discipline program.

Key words: teaching methodology, industrial engineering, simulation, production systems

 

1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UFRGS. Osvaldo Aranha, 99, 5° andar. Porto Alegre - RS. CEP 90.035-190. E-mail: lynceo@producao.ufrgs.br
2 Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UFRGS. Osvaldo Aranha, 99, 5° andar. Porto Alegre - RS. CEP 90.035-190. E-mail: marcelohoss@producao.ufrgs.br

 

Literatura Citada

ABEPRO. Associação Brasileira de Engenharia de Produção. Saiba mais sobre EP. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/interna.asp?p=333&m=439&s=1&c=417>. Acessado em: 28 maio 2007.

ANTUNES, C. Técnicas pedagógicas de dinâmica de grupo. São Paulo: Editora do Brasil, 1970.

ATWATER, J. B.; PITTMAN, P. H. Facilitating systemic thinking in business classes. Decision Sciences Journal of Innovative Education, v. 4, n. 2, p. 273-292, 2006. doi

BECKER, F. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BILLINGTON, P. J. A Classroom exercise to illustrate lean manufacturing pull concepts. Decision Sciences Journal of Innovative Education, v. 2, n. 1, p. 71-76, 2004. doi

COX III, J. F.; WALKER II, E. D. Increasing student interest and comprehension of production planning and control and operations performance measurement concepts using a production line game. Journal of Management Education, v. 29, n. 3, p. 489-512, 2005. doi

DEPEXE, M. D. et al. Apresentação de um jogo didático como ferramenta de apoio ao ensino da produção enxuta. Gestão Industrial, v. 2, n. 4, p. 140-151, 2006.

DOYLE, D.; BROWN, F. W. Using a business simulation to teach applied skills – the benefits and the challenges of using student teams from multiple countries. Journal of European Industrial Training, v. 24, n. 6, p. 330-336, 2000. doi

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

KIRK, J. J. Playing games productively. Training & Development, v. 51, n. 8, p. 11-12, 1997.

LIKER, J. K. The Toyota way: 14 management principles from the world’s greatest manufacturer. Madison: McGraw-Hill, 2004.

MANN, D. Creating a lean culture: tools to sustain lean conversions. New York: Productivity Press, 2005.

MAZZONE, J. O sistema “enxuto” e a educação no Brasil. In: VALENTE, J. A. Computadores e conhecimento: Repensando a Educação. Campinas: Nied, 1995. p. 1-33. Disponível em: <http://www.nied.unicamp.br/publicacoes/separatas/Sep14.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2007.

NÉRICI, I. G. Metodologia do ensino: uma introdução. São Paulo: Atlas, 1981.

OHNO, T. O sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, 1997.

PIAGET, J. A tomada de consciência. São Paulo: Melhoramentos/Edusp, 1978.

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PRODUCTIVITY PRESS. Identifying waste on the shopfloor. New York: Productivity Press, 2002.

RONCA, A. C. C.; ESCOBAR, V. F. Técnicas pedagógicas: domesticação ou desafio à participação? Petrópolis: Vozes, 1984.

RUSSEL, R. S.; TAYLOR III, B. W. Operations management: quality and competitiveness in a global environment. Hoboken: John Wiley & Sons, 2006.

SALOPEK, J. J. Stop playing games. Training & Development, v. 53, n. 2, p. 28-38, 1999.

SCHMITZ, E. F. Fundamentos da didática. São Leopoldo: Unisinos, 1993.

SHINGO, S. O sistema Toyota de produção – do ponto de vista da engenharia de produção. Porto Alegre: Bookman, 1996a.

SHINGO, S. Sistemas de produção com estoque zero: o sistema Shingo para melhorias contínuas. Porto Alegre: Bookman, 1996b.

SPEARS, S. J. Learning to lead at Toyota. Harvard Business Review, v. 82, n. 5, p. 78-87, 2004.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WOMACK, J. P.; JONES, D. T.; ROOS, D. A máquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

YAZICI, H. J. A study of collaborative learning style and team learning performance. Education & Training, v. 47, n. 2, p. 216-229, 2005. doi