Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Visão dos Atores no Sistema de Drenagem Urbana: Uma Análise Crítica da Gestão dos Recursos Humanos

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v29n2p14-26

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Talita F. Noccetti1 & João S. Cordeiro2

 

Resumo: Esta pesquisa estudou a percepção dos atores do sistema de drenagem urbana e sua atuação nos serviços públicos municipais. O trabalho avaliou as instituições de ensino superior (IES) em Engenharia e as Prefeituras Municipais (PM) sob a ótica da drenagem urbana, contando com aplicação de questionários. As respostas deixaram clara a posição indiferente dos municípios em relação ao sistema de drenagem urbana, principalmente devido à repercussão dos questionários. Após a análise do histórico disponível de dados municipais, conclui-se que apesar de uma latente preocupação dos gestores com a questão do meio ambiente ainda ocorrem complexos e frequentes problemas com o sistema de drenagem urbana. Quanto à preparação dos profissionais atuantes, e considerando a pequena anuência das Instituições de Ensino Superior ao questionário, foi possível notar que há algumas tendências de inclusão da temática da drenagem urbana nas estruturas curriculares, porém, esta é insuficientemente explorada.

Palavras-chave: drenagem urbana, instituições de ensino superior, prefeituras municipais, recursos humanos

 

Abstract: This research deals about the insights for: preparation of actors who are answerable for urban drainage systems in their performance on the public services. To evaluate the High Education Engineering Institutions and Municipal Services were developed and applied questionnaires with specific approaches about the urban drainage system. The questionnaires were quite clear that Municipal Service is indifferent when the theme is urban drainage, principally concerning the absence of answers. It’s important to note that the interesting about subject environmental is increasingly, but just now cities suffer with great drainage problems. When the center of interest is the professional actors on drainage system and their education, was possible observed there are low tendencies about include, on engineering courses, the subjects embodying urban drainage system and another environment related themes.

Key words: urban drainage system, human resources, high education institutions, municipal services

 

1 Pesquisadora: Engenheira Civil, Especialista em Gestão Ambiental e Mestre em Engenharia Urbana pela UFSCar – Universidade Federal de São Carlos. E-mail: talita.no7@gmail.com
2 Orientador: Engenheiro Civil, Mestre e Doutor em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Universidade de São Paulo (USP), Professor colaborador do Programa de PPG/HS da USP e Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). E-mail: cordeiro@ufscar.com.br

 

Literatura Citada

BAPTISTA, Márcio Benedito; NASCIMENTO, Nilo de Oliveira. Aspectos Institucionais de Financiamento dos Sistemas de Drenagem Urbana. Artigo publicado na RBRH. Revista Brasileira de Recursos Hídricos. v. 7, n.1, p. 29-49. jan./mar. 2002.

BAPTISTA, Márcio Benedito; NASCIMENTO, Nilo de Oliveira e BARRAUD, Sylvie. Técnicas Compensatórias em Drenagem Urbana. ABRH (Associação Brasileira de Recursos Hídricos), 2005, 266p. Porto Alegre, Brasil.

BOOG G. G (Coord.), (1994). Manual de Treinamento e desenvolvimento ABTD. São Paulo: MAKRON Books. 595 p.

BOOG, Gustavo Gruneberg. Desenvolvimento de recursos humanos: investimento com retorno? 1980. 125p. Ed. McGraw-Hill do Brasil. São Paulo.

BRASIL, República Federativa do. Lei nº. 11.445, Estabelece Diretrizes Nacionais para o Saneamento Básico, de 05 de janeiro de 2007.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração de recursos humanos. v. 1. Interação Pessoas-Organização; A abordagem sistêmica e contingencial. 1980. 199f. São Paulo: Atlas.

CONRADO, Daniel. A qualificação de recursos humanos para a implantação e manutenção de sistemas de gestão ambiental – Um estudo em dois países. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 1998.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO (CFE). Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 11 de 11 de março de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia.

CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO (CFE). Resolução no 48, de 27 de abril de 1976. Fixa os mínimos de conteúdo e de duração do Curso de Graduação em Engenharia. Brasília.

CORDEIRO, João Sérgio; GIORGETTI, Marcius F. Resolução 48/76 do CFE: Ultrapassada ou mal utilizada? Engenharia – Revista do Instituto de Engenharia. São Paulo, SP. Ed. Engenho Editora Técnica Ltda. n. 514, p. 42-46. 31 de maio a 05 de julho de 1996.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, 2000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. A questão da drenagem urbana no Brasil: Elementos para a Formulação de uma Política Nacional de Drenagem Urbana. Texto para discussão. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Programa de Modernização do Setor Sanea mento – PMSS II, versão 01. 2003.

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Construção do Sistema Nacional de Indicadores para Cidades. Tema do Produto: Identificação dos indicadores ideais, 267, p. 2005.

NAHAS, Maria Inês Pedrosa; PEREIRA, Maria Aparecida Machado; ESTEVES, Otávio de Avelar; OLIVEIRA, Vanderlí Fava de Oliveira. Crescimento, Evolução e o Futuro dos Cursos de Engenharia. Revista de Ensino de Engenharia – ABENGE (Associação Brasileira de Ensino de Engenharia). Brasília – DF. v. 24, n. 2, p. 03-12. 2005.

POMPÊO, César Augusto. Ensino de hidrologia urbana: em busca da motivação do aluno. In: COBENGE – Congresso Brasileiro de Ensino em Engenharia, 1999.

SEADE – Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Disponível em: <http://www.seade.gov.br>.

SIILVEIRA, Marcos Azevedo da. A Formação do Engenheiro Inovador – Uma Visão Internacional. Rio de Janeiro - RJ. PUC-Rio, Sistema Maxwell, 2005. 141p.

SILVA, Mário Celso Marcondes e. Competência e Resultados em Planejamento Estratégico de Recursos Humanos. 2003. 2. ed. Coleção Recursos Humanos, Associação Brasileira de Recursos Humanos – ABRH Nacional, Qualitymark.

SILVEIRA, André L. L da. Hidrologia Urbana no Brasil. In: TUCCI, Carlos Eduardo Morelli e MARQUES, David M. L. da Motta. Avaliação e Controle da Drenagem Urbana. Porto Alegre: Editora da Universidade (UFRGS), 2000. p. 511-525.

SOUSA, Antônio Cláudio Gómez de. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia: E Agora? In: ENCONTRO EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, X. Búzios, RJ. 27 a 30 de outubro de 2004. Disponível em: <http://www.educeng.ufjf.br/>. Acesso em: dez. 2007.

TUCCI, Carlos Eduardo Morelli; DOMINGOS, Sadalla; CORDEIRO NETTO, Oscar de Moraes. A questão da drenagem urbana no Brasil: elementos para formulação de uma política nacional de drenagem urbana. Relatório desenvolvido para a Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades. 2003.

TUCCI, Carlos Eduardo Morelli; BERTONI, Juan Carlos. Inundações Urbanas na América do Sul. Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH). Porto Alegre, 2003.

TUCCI, Carlos Eduardo Morelli. A necessidade do planejamento da drenagem urbana. In: TUCCI, Carlos E. M. e MARQUES, David M. L. da Motta. Avaliação e Controle da Drenagem Urbana. Porto Alegre (RS): Editora da Universidade (UFRGS), 2000. p. 499-501.

TUCCI, Carlos Eduardo Morelli. Gerenciamento de Drenagem Urbana. 2002. RBRH – Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 7, n. 1. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre - RS.