Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Leitura e a Escrita na Engenharia: Construindo Intersecções entre o Mundo do Trabalho e a Academia

DOI: http://dx.doi.org/10.15552/2236-0158/abenge.v32n2p9-18

http://www.abenge.org.br/revista/index.php/abenge/index 

downloadpdf

Otilia L. de O. M. Heinig1 & Bruna A. Franzen2

 

Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir as transformações que vêm ocorrendo no mundo do trabalho das engenharias, no que concerne à leitura, à escrita e à implicação dessas questões na formação acadêmica desses profissionais. Para tanto, foi realizada uma entrevista semiestruturada com engenheiros formados e que atuam em sua área de formação. Para este artigo, selecionaram-se cinco sujeitos que abordaram, em seus dizeres, essa relação entre a formação universitária e o campo de trabalho, no que diz respeito ao uso da leitura e da escrita. As análises, de cunho qualitativo, estão inseridas na área da educação e trazem como fundamento as teorias da enunciação e dos novos estudos dos letramentos. Depreendeu-se, com a discussão, que os engenheiros entrevistados compreendem o trabalho e a universidade como duas esferas que dialogam e se completam. Nesse sentido, infere-se, a partir dos enunciados, que a universidade tem, também, o papel de preparar o acadêmico para os usos de leitura e de escrita que encontrarão no campo do trabalho, indo, desse modo, além das questões básicas do ensino em engenharia.

Palavras-chave: trabalho, universidade, leitura, escrita, engenharia

 

Abstract: This article aims to discuss the transformations occurring in the world of work in engineering, in regard to reading, writing and the implication of these issues in the academic training of these professionals. Therefore, we performed a semi-structured interview with graduated engineers who work in their field of study. For this article, we selected five subjects who mentioned the relationship between university education and their field of work regarding the use of reading and writing. The qualitative analyses are embedded in education and bring as a foundation the theories of enunciation and the new studies of literacies. It seems, with the discussion, that the interviewed engineers understand the job and the university as two spheres that dialogue and complete each other. Accordingly, it is inferred from the statements that the university also has the role of preparing the students for the uses of reading and writing they will encounter in the work field, going thus beyond the basic questions of engineering education.

Key words: work, university, reading, writing, engineering

 

1 Professora. Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Educação, Professora Titular. Campus Universitário – Blumenau – SC; otilia.heinig@gmail.com
2 Professora. Mestre pela Universidade Regional de Blumenau, Programa de Pós-Graduação em Educação. Campus Universitário – Blumenau – SC; brunalexandra.f@gmail.com

 

Literatura Citada

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: WMF; Martins Fontes, 2010.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2007.

BAZZO, W. A.; PEREIRA, L. T. do V. Introdução à Engenharia. 5. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 1997.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora: 1994.

CASSANY, D. Investigaciones y propuestas sobre literacidad actual: multiliteracidad, internet y criticidad. 2005. Disponível em: <http://www2.udec.cl/catedraunesco/05CASSANY.pdf >. Acesso em: ago. 2006.

DIONÍSIO, M. L. Educação e os estudos atuais sobre letramento. Entrevista. Perspectiva, v. 25, n. 1, jan./jul. 2007. Entrevista concedida à Adriana Fischer e Nilcéa Lemos Pelandré. Disponível em: <http://www.perspectiva.ufsc.br/perspectiva_numeros_anteriores_2007_01.php>. Acesso em: 16 fev. 2009.

GIERING, M. E. et al. Análise e produção de textos. São Leopoldo: UNISINOS, [s. d.].

HEINIG, O. L. de O. M.; RIBEIRO, G. O letramento no processo de formação do engenheiro civil. Atos de Pesquisa em Educação, Bluemenau, v. 6, n. 1, p. 53-78, abr. 2011. Disponível em: <http://www.furb.br/atosdepesquisa/>. Acesso em: 28 maio 2011.

MARCUSCHI, L. A. Análise de conversação. São Paulo: Ática, 1986.

NEVES, M. H. de M. Gramática de usos do português. 2. ed. São Paulo: Unesp, 2011.

RIBEIRO, A. E.; VILLELA, A. M. N. “Engenheiro não sabe escrever”: estereótipos improdutivos e o ensino português. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 15, 2010, Belo Horizonte. Covergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais. Belo Horizonte: UFMG, 2010. v. 1, p. 1-13.

ZAVALA, V. Quem está dizendo isso?: letramento acadêmico, identidade e poder na educação superior. In: VÓVIO, C.; SITO, L.; GRANDE, P. (organização). Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisa em linguística aplicada. Campinas: Mercado de Letras, 2010. p. 71-95.