Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Biometria de Mudas de Cajueiro Anão Irrigadas com Águas Salinas e Uso de Atenuadores do Estresse Salino

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v02n02a03

http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/index 

downloadpdf

Eliésia C. de M. Torres, José L. de O. Freire1, Janailma L. de Oliveira, Lucas B. Bandeira, Djair A. de Melo & André L. da Silva

 

Resumo: A salinidade hídrica é fator de estresse que altera o crescimento de mudas de frutíferas. Objetivou-se avaliar o crescimento de mudas de cajueiro anão precoce em substratos irrigados com águas salinas e adição de biofertilizante bovino e cobertura com biomassa vegetal no Seridó Paraibano. O experimento foi instalado em delineamento em blocos casualizados, com três repetições, em arranjo fatorial 5 x 2 x 2, correspondente a cinco níveis de salinidade da água de irrigação (0,5; 3,5; 6,5; 9,5 e 12,5 dS m-1), no solo sem e com biofertilizante bovino, numa alíquota de 0,2 dm3 por planta, sem e com cobertura morta com 3 cm de casca de arroz. As taxas de crescimento absoluto e relativo em altura, em diâmetro caulinar, número de folhas, área foliar, comprimento da raiz e fitomassa fresca do cajueiro anão precoce foram influenciados negativamente pela salinidade da água de irrigação. O biofertilizante mitigou os efeitos depressivos dos sais no crescimento absoluto das plantas irrigadas com água de salinidade até 3,5 dS m-1. O uso simultâneo do biofertilizante e cobertura morta foi eficiente na redução dos efeitos dos sais nas plantas irrigadas com águas de 3,5 e 6,5 dS m-1, promovendo aumento no número de folhas. O biofertilizante incrementou a fitomassa fresca total das plantas irrigadas com água de maior condutividade elétrica.

Palavras-chave: agroecologia, biofertilizante, crescimento, fruticultura, salinidade

 

Abstract: The water salinity is a stress factor that alters the growth of fruit seedlings. This study aimed to evaluate the growth of dwarf cashew seedlings in substrates irrigated with saline water and bovine bio fertilizer addition and cover with vegetable biomass in Seridó, Paraiba. The experiment was arranged in a randomized block design with three replications in a factorial 5 x 2 x 2, corresponding to five salinity levels of water irrigation (0.5, 3.5, 6.5, 9.5 and 12.5 dS m-1), soil with and without bovine bio fertilizers, a rate of 0.2 dm3 per plant, with and without biomass cover with 3 cm of rice husk coverage. The growth index of absolute and relative in height, in stem diameter, number of leave, leaf area, root length and fresh biomass of dwarf cashew negatively affected by salinity of water irrigation. The biofertilizer mitigated the depressing effects of the salts in the absolute growth of plants irrigated with saline water up to 3.5 dS m-1. The simultaneous use of biofertilizer and mulch was effective in reducing the salt effect on plants irrigated with water of 3.5 and 6.5 dS m-1, an increasing in the number of leaves. The biofertilizer increased the total fresh biomass of plants irrigated with higher electrical conductivity water.

Key words: agroecology, bio fertilizers, growth, fruticulture, salinity

 

1 Coord. de Tecnologia em Agroecologia, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba, Picuí, Paraíba, Brasil. E-mail: lucinio@folha.com.br

 

Literatura Citada

BENINCASA, M. M. Análise do crescimento de plantas. FUNEP: Jaboticabal, 2003. 42p.

BEZERRA, I. L. et al. Germinação, formação de porta-enxertos e enxertia de cajueiro anão-precoce sob estresse salino. Revista Brasileira de Engenharia Ambiental, Campina Grande, v.6, n.3, p.420-424, set./dez. 2002.

CARNEIRO, P. T. et al. Sensibilidade do cajueiro anão precoce ao estresse salino na pré-floração. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v.2, n.2, p.150-155, abr./jun. 2007.

CARNEIRO, P. T. et al. Germinação e crescimento inicial de genótipos de cajueiro anão-precoce em condições de salinidade. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.6, n.2, p.199-206, maio/jul. 2002.

CRUZ, J. L. et al. Produção e partição de matéria e abertura estomática do limoeiro Cravo submetido a estresse salino. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.25, n.3, p. 528-531, dez. 2003.

FREIRE, J. L. O. et al. Atributos qualitativos do maracujá amarelo produzido com água salina, biofertilizante e cobertura morta no solo. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v.5, n.1, p. 102-110, jan./mar. 2010. doi

FREIRE, J. L. O. et al. Crescimento do maracujazeiro amarelo sob estresse salino e biofertilização em ambiente protegido contra perdas hídricas. Holos, Natal, v.28, n.4, p.55-68, jul./ago. 2012.

FREIRE, J. L. O. et al. Rendimento quântico e trocas gasosas em maracujazeiro amarelo sob salinidade hídrica, biofertilização e cobertura morta. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v.45, n.1, p. 82-91, jan./mar. 2014. doi

GHEYI, H. J. Problemas de salinidade na agricultura irrigada. In: OLIVEIRA, T. S. et al. (eds.). Agricultura, sustentabilidade e o semiárido. Fortaleza: DCS/UFC, 2000. p.329-346.

GHOULAMET, C. et al. Effects of salt stress on growth, inorganic ions and proline accumulation in relation to osmotic adjustment in five sugar beet cultivars. Environmental and Experimental Botany, Elmsford, v.47, n.1, p.39-50, jan. 2002. doi

HASEGAWA, P. M. Plant cellular and molecular responses to high salinity. Annual Review of Plant Physiology and Molecular Biology, Palo Alto, v.51, n.1, p. 463-499, jun. 2000. doi

LI, Q. et al. Effects of irrigation and strow mulching of microclimate characteristics and water use efficiency of winter wheat in north China. Plant Production Science, Tokyo, v.11, n.2, p.161-170, jan. 2008. doi

LOPES, T. C.; KLAR, A. E. Influência de diferentes níveis de salinidade sobre aspectos morfofisiológicos de mudas de Eucalyptus urograndis. Irriga, Botucatu, v.14, n.1, p.68-75, jan./mar. 2009.

MASS, E. V.; NIEMAN, R. H. Physiology of plant tolerance to salinity. In: JUNG, G. A. (ed) Crop salt tolerance to sub optimal land conditions. Madison: American Society Agronomy, 1978. p.277-299.

MENDONÇA, F. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de textos, 2007.

MUNNS, R. Comparative physiology of salt and water stress. Plant, Cell and Environmental, Oxford, v.25, n.2, p.239- 250, mar. 2002. doi

NEVES, A. L. R. et al. Tamanho e composição mineral de sementes de feijão-de-corda irrigado com agua salina. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v.39, n.4, p.569-574, out./dez. 2008.

PAIVA, J. R; BARROS, L. M. Clones de cajueiro: obtenção, características e perspectivas. Fortaleza: EMBRAPA Agroindústria Tropical, 2004. 26p. (EMBRAPA Agroindústria Tropical. Documentos, 82).

REBEQUI, A. M. et al. Produção de mudas de limão cravo em substrato com biofertilizante bovino irrigado com águas salinas. Revista de Ciências Agrárias, Lisboa, v. 32, n.2, p.219-228, jul./dez. 2009.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2.ed., Brasília: EMBRAPA, 2006. 306p.

SOUSA, A. B. O. et al. Desenvolvimento inicial do clone BRS 275 de cajueiro sob irrigação com diferentes níveis salinos. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, Fortaleza, v.4, n.3, p.166-171, jul./set. 2011. doi

TESTER, M.; DAVENPORT, R. Na+ tolerance and Na+ transport in higherplants. Annals of Botany, London, v.91, n.3, p.503-527, fev. 2003. doi

VESSEY, J. K. Plant growth promoting rhizobacteria as biofertilizers. Plant and Soil, The Hague, v. 255, p. 571-586, ago. 2003.

WU, S. C. et al. Effects of biofertilizer containing N-fixer, P and K solubilizers and AM fungi on maize growth: A greenhouse trial. Geoderma, Amsterdan, v.125, n.1-2, p.155-166, mar. 2005.