Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Leitura Fenomenológica e Hermenêutica Ricoeuriana sobre a Liberdade de Consciência no Homem Interior em Santo Agostinho

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7747/pf.v5n1p1-16

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/PF/index 

downloadpdf

Suelma Moraes1

 

Resumo: A partir da consciência de si, Agostinho desenvolve a dialética entre o conhecimento de si e de Deus. Esse conhecimento é marcado pela presença de Deus revelada como amor, em que ele harmoniza elementos de uma trajetória intelectual e de fé, e tem como resultado da liberdade de consciência, a responsabilidade moral e o reconhecimento da insuficiência humana, subordinados ao movimento de interioridade e transcendência.

Palavras-chave: dialética, consciência, liberdade, interioridade, transcendência

 

Abstract: Starting the self-consciousness, Augustine develops the dialectic between self-knowledge and God. This knowledge is marked by the presence of God revealed as love, he harmonizes elements of an intellectual trajectory and faith, and has as a result of the freedom of conscience, moral responsibility and recognition of human insufficiency, subordinate to the movement of interiority and transcendence.

Key words: dialectic, conscience, freedom, interiority, transcendence

 

1 Professora doutora no Departamento de Ciências das Religiões na Universidade Federal da Paraíba

 

Literatura Citada

A cura di ALICI, Luigi, Remo Piccolomini, Antonio Pieretti. Ripensare Agostino: interiorità e intenzionalità – Atti Del Iv Seminário internazionale Del Centro di Studi Agostiniani di Perugia. Studia Ephemerridis “Augustinianum” – 41. Institutum Patristicum “Augustinianum”, Roma, 1993. FLOREZ, R. Interioridad y abismo, p. 41-69; BAVEL Van, T. J. Il primato Dell’amore in Agostino, p. 87-98.

AGOSTINHO, Santo. Confissões. Tradução e notas de Arnaldo do Espírito Santo, João Beato e Maria Cristina de Castro-Maia de Souza Pimentel, Introdução de Manuel Barbosa da Costa Freitas. Notas de âmbito filosófico de Manuel Barbosa da Costa Freitas. Lisboa: Centro de Literatura e Cultura Portuguesa e Brasileira Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2. ed. 2004.

ARENDT, Hannah. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar; trad. Cesar Augusto R. De Almeida, Antonio Abranches e Helena Franco Martins. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

GILSON, Etienne. Introduction à l’étude de Saint Augustin. 10. ed. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1987.

_____. Introdução ao estudo de Santo Agostinho / por Étienne Gilson da Academia Francesa; tradução de Cristiane Negreiros Abbud Ayoub. São Paulo: Discurso Editorial; Paulus, 2006.

JOLIVET, R. La Doctrine augustinienne de l’llumination. Revue de philosophie. Paris: Marcel Riviere, 1929, p. 382-502.

NOVAES, Moacyr. A razão em exercício: estudos sobre a filosofia de Agostinho. São Paulo: Discurso Editorial, 2007.

RICOEUR, Paul. Do texto à acção – ensaios de hermenêutica II; tradução de Alcino Cartaxo e Maria José Sarabando. Porto: RÉS-Editora, 1989.

_____. O si mesmo como um outro; tradução Lucy Moreira Cesar. Campinas: Papirus, 1991.

_____. Percurso do reconhecimento; tradução Nicolás Nyimi Campanário. São Paulo: Loyola, 2006.

_____. Tempo e narrativa – Tomo I, tradução Constança Marcondes Cesar, revisão técnica Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1994.

_____. Tempo e narrativa – Tomo II. Campinas: Papirus, 1995.

_____. Tempo e narrativa – Tomo III; tradução Roberto Leal Ferreira; revisão técnica Maria da Penha Villela-Petit. Campinas: Papirus, 1997.

UCCIANI, Louis. Saint Augustin ou le livre du moi. Paris: Éditions Kimé, 1998 (Le palais de la mémoire, p. 177-194).

VERBEKE, G. Connaissance de soi et connaissance de Dieu chez saint Augustin. Augustiniana 1954, p. 495-515.

WETZEL, James. The force of memory: Reflections on the Interrupted Self. Augustinian Studies, v. 38, 1, 2007, p. 147-159. doi