Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

História das Mulheres e das Relações de Gênero: Campo Historiográfico, Trajetórias e Perspectivas

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v19n19p5-15

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Maria I. S. de Matos1

 

Resumo: Este escrito tem como desafio sistematizar em um breve apanhado a trajetória da formação do campo historiográfico intitulado História das mulheres e das relações de gênero. Trata-se de uma tarefa árdua frente à expansão destes estudos e a sua extensão por todo o país, logo seria impossível um levantamento que se quisesse completo. Propõem-se uma sinopse de tendências e algumas reflexões sobre questões que parecem ser fundamentais para o debate e para a instauração de novos desafios e perspectivas.

Palavras-chave: história das mulheres, relações de gênero, historiografia

 

Abstract: This writing has a challenge to systematize in a brief overview the trajectory of historiographical field titled History of women and gender relationships. It is an arduous task facing the expansion of these studies and their extent across the country. In this way, would be impossible a complete survey about this theme. We propose a synopsis of trends and some reflections on issues that seem to be fundamental to the debate and for the establishment of new challenges and perspectives.

Key words: women’s history, gender relationships, historiography

 

1 A autora é graduada e doutora em História pela Universidade de São Paulo (USP). Realizou seu pós-doutorado na Université Lumiere em Lyon na França. Atualmente é professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, colaboradora da Universidade Estadual do Ceará e pesquisadora 1 do CNPq. Em 1994 recebeu o prêmio SESI-CNI de Teses Universitárias, com o trabalho ‘Trama e Poder, em que estuda as indústrias paulistas, entre 1890-1934’. É autora de vários livros e artigos na área da História e das Relações de Gênero

 

Literatura Citada

ALBUQUERQUE Jr., Durval. Nordestino – uma invenção do falo. Uma história do gênero masculino (Nordeste – 1920-1940). Maceió: Catavento, 2003.

ALGRANTI, Leila M. Honradas e devotas: mulheres da Colônia. São Paulo: José Olympio, 1993.

ARAÚJO, Claudete Ribeiro. O masculino e o feminino em Nuno Marques Pereira. São Paulo: Mestrado PUC-SP, 1998.

BELLINI, L. A Coisa Obscura: Mulher, Sodomia e Inquisição no Brasil Colonial. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BORELLI, Andrea. Matei por amor: as representações do masculino e do feminino nos crimes passionais. São Paulo: Celso Bastos editores, 1999.

BLANCO, Esmeralda. O trabalho da mulher e do menor na indústria paulistana (1890-1920). Petrópolis: Vozes, 1982.

BORGES, V. R. Masculinidades, Feminilidades e a Figura do Efeminado em Diva. OPSIS (UFG), Catalão, v.6, pp. 44-57, 2006.

BOSCHILIA, R. T. Entre fitas, bolachas e caixas de fósforos: a mulher no espaço fabril curitibano (1940-1960). Curitiba: Artes&Textos, 2010.

BUITONI, Dulcina. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Summus Editorial, 2009.

CANCELA, C. D. Alvarez, M. Luzia, Santos, Eunice (Orgs.). Mulheres e Gênero: As faces da diversidade. Belém: GEPEM, 2009.

CAULFIELD, Sueann. Em defesa da honra: moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940). Campinas: Editora da Unicamp, 2000.

COSTA, Suely G. Metáforas do tempo e o espaço doméstico (RJ, século XIX). Rio de Janeiro: Doutorado UFF/RJ, 1996.

DEL PRIORE, Mary (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto/ Edunesp, 1997.

DEL PRIORE, Mary. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidade e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: J. Olympio; Brasília: Ed. UnB, 1993.

DIAS, Maria Odila Leite da S.. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

ENGEL, Magali. Meretrizes e doutores: saber médico e prostituição no Rio de Janeiro (1840-1890). São Paulo: Brasiliense, 1989.

ESTEVES, Martha. Meninas perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FAVARO, Cleci Eulália. Imagens femininas. Contradições, ambivalências e violências. Porto Alegre: Edipucrs, 2002.

FAVERI, Marlene de. Memórias de uma (outra) guerra. Cotidiano e medo durante a Segunda Guerra em Santa Catarina. Florianópolis: Ed. UFSC, 2004.

FERREIRA, Eliana R. Guerra sem fim: mulheres na trilha do direito à terra e ao destino dos filhos (Pará/1835-1860). São Paulo: Tese de Doutorado PUC/SP, 2010.

FIGUEIREDO, Luciano R. de A. Quitandas e Quitudes. In: Cadernos de Pesquisa. (54) São Paulo, 1985.

FIGUEIREDO, Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. Rio de Janeiro: J.Olympio/Ed. UnB, 1993.

FURTADO, J. F. Chica da Silva e o contratador dos diamantes: o outro lado do mito. São Paulo: Cia das Letras, 2003.

GRAHAN, Sandra L. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no RJ, 1860-1910. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

GREEN, James. Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do Século XX. São Paulo: UNESP, 2000.

GUTIÉRREZ, Horacio e SAMARA, Eni M. “Mulheres escravas no Brasil do século XIX”, In: NASH, M. e PERROT, M. Historia de las Mujeres. Madri, Taurus, 1993, vol. 4, pp. 643-662.

KUSHNIR, Beatriz. Baile das máscaras mulheres judias e prostituição: as polacas e suas associações de ajuda mútua. Rio de Janeiro, Imago, 1996.

LEITE, Miriam M. Outra Face do Feminismo: Maria Lacerda de Moura. São Paulo: Ática, 1984.

LEITE, Miriam Moreira (org.). A Condição feminina no Rio de Janeiro - século XIX. São Paulo: Hucitec, 1984.

LOPES, Eliana S. Fragmentos da mulher (dimensão da trabalhadora). São Paulo: Dissertação de Mestrado Unicamp, 1985.

LOURO, Guacira. Gênero, Sexualidade e Educação. Petrópolis: Vozes, 1997.

MACHADO, M. Conceição A. Submissão e poder: mulheres operárias de Caxias do Sul (1900-50). Dissertação de Mestrado: PUC-RS, 1993.

MACHADO, Vanderlei. A saúde da mulher e a virilidade masculina: imagens de corpo e gênero em anúncios de medicamentos - Florianópolis (1900-1930). Nuevo Mundo-Mundos Nuevos, v. 7, 2007.

MARTINS, Angela M. Roberti. Pelas páginas libertárias: anarquismo, imagens e representações de gênero. São Paulo: Tese de Doutorado PUC/SP, 2006.

MATOS, M. Izilda e SAMARA, Eni M. “Por Mãos Femininas: trabalho e resistência das mulheres brasileiras (1890-1920)”, vol. 5, pp.709-717.

MATOS, M. Izilda. Cotidiano e Cultura. Bauru: EDUSC, 2002.

MATOS, M. Izilda. Dolores Duran: experiências boemias em Copacabana dos anos 50. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

MATOS, M. Izilda. Meu lar é o botequim: alcoolismo e masculinidade. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 2001.

MATOS, M. Izilda. No fio do bigode: corpos, sensibilidades e subjetividades. In: RAMOS; Alcides et alii (Orgs.). Olhares sobre a história. SP: Hucitec, 2010, pp. 92-108.

MENEZES, Lená M. Os estrangeiros e o comércio do prazer nas ruas do Rio (1890-1930). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

MIGUEL, Raquel. De “moça prendada” à «menina super-poderosa»: análise das seções de cartas de leitoras da revista Capricho (1954-2004). Porto Alegre: História Unisinos, v. 12, pp. 168-179, 2008.

MOTT, M. Lúcia. Parto, parteiras e parturientes: Mme Durocher e sua época. São Paulo: Tese de Doutorado USP, 1998.

NAVARRO-SWAIN, Tania. Entre a vida e a morte, o sexo. Brasília: Labrys/Estudos feministas, v.10, 2006.

NECKEL, Roselane. Pública vida íntima: a sexualidade nas revistas femininas e masculinas (1969-1979). São Paulo: Tese de Doutorado PUC/SP, 2004.

NUNES, Silvia. O corpo do diabo entre a cruz e a caldeirinha: um estudo sobre a mulher, o masoquismo e a feminilidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

OLIVEIRA, Sueli. Uma colmeia gigantesca: escola profissional feminina nos anos 1910/20/30. São Paulo: Dissertação de Mestrado PUC-SP, 1992.

PARENTE, Temis G. O avesso do silêncio: vivências cotidianas das mulheres do século XIX. Goiânia: Ed.UFG, 2005.

PEDRO, Joana M. Mulheres honestas e mulheres faladas: uma questão de classe. Florianópolis: Ed. UFSC, 1998.

PENA, Maria Valéria J. Mulheres e trabalhadoras - presença feminina na constituição do sistema fabril. São Paulo: Paz e Terra, 1981.

PETERSEN, Áurea T. Trabalhando no banco: trajetória de mulheres gaúchas. Rio Grande do Sul: Tese de Doutorado PUC/RS, 1999.

PINSKY, Carla B. Virando as páginas, revendo as mulheres: relações homem-mulher e revistas femininas, 1945-1964. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

PINSKY, Carla B.; PEDRO. Joana M. (Org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012.

POSSAS, Lídia M. V. Mulheres, trens e trilhos: modernidade no sertão paulista. Bauru: Edusc, 2001.

PRACCHIA, Lygia. Os libertários e os caminhos da emancipação feminina SP-RJ, 1900/30. São Paulo: Dissertação de Mestrado PUC-SP, 1992.

PUGA, Vera L. Moral e costumes: violências que permeiam o rural e o urbano - Uberlândia, 1960-80. Caderno Espaço Feminino (UFU), Uberlândia, v. 6, pp. 43-48, 1999.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar, Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

RAGO, Margareth. Entre a história e a liberdade: Luce Fabbri e o anarquismo contemporâneo. São Paulo: Edunesp, 2001.

RAGO, Margareth. Os prazeres da noite - Prostituição e códigos de sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

RIBEIRO, Maria Alice R. Condições de trabalho na indústria têxtil paulista (1870-1930). São Paulo: Hucitec/Unicamp, 1988.

ROCHA, Elaine P. Entre a Pena e a Espada. A Trajetória de Leolinda Daltro (1859-1934). São Paulo: Tese de Doutorado/USP, 2002.

SAMARA, Eni de M. As mulheres, o poder e a família. São Paulo século XIX. São Paulo: Marco Zero; Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, 1989.

SCHPUN, Mônica Raisa. Les années folles à São Paulo: hommes et femmes au temps de l›explosion urbaine (1920-1929). Paris: L›Harmattan, 1997.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. In: Revista Educação e Realidade. Porto Alegre: UFRGS, 1990.

SILVA, M. Beatriz N. “O Trabalho feminino do Brasil Colonial (1765-1822)”. In: Anais da VIII Reunião da SBPH. São Paulo, 1989.

SIMILI, Ivana G. Mulher e política: a trajetória da primeira-dama Darcy Vargas (1930-1945). São Paulo: Edunesp, 2008.

SOARES, Luis C. Rameiras, ilhoas, polacas. A prostituição no Rio de Janeiro no século XIX. São Paulo: Ática, 1992.

SOIHET, R. O feminismo tático de Bertha Lutz. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2006.

SOIHET, R; MATOS, M. Izilda (Orgs.). O Corpo Feminino em Debate. São Paulo: UNESP, 2003.

SOIHET, Rachel. Condição feminina e formas de violência - Mulheres pobres e ordem urbana-1890-1920. Rio de Janeiro: Forense, 1989.

SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana M. A emergência da pesquisa da história das mulheres e das relações de gênero. In: Revista Brasileira de História, n.54, v. 27. 2007.

SOUSA, Noélia. Embriaguês e Desordem: Alcoolismo e Masculinidade em Fortaleza nas décadas de 20 e 30 do século XX. In: SOUZA, Simone de; CASTRO NEVES, Frederico de. (Org.). Gênero. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2002. pp. 79-100.

TEDESCHI, L. A. História das Mulheres e representações sociais. São Paulo: Curt Nimuendajú, 2008.

TRINDADE. Etelvina M. Clotildes ou Marias: mulheres de Curitiba na Primeira República. Curitiba: Fundação Cultural, 1996.

VIEIRA JR., A. Otaviano. O Cotidiano do desvio: defloramentos e adultérios no Ceara Colonial 1750-1822. São Paulo: Dissertação de Mestrado PUC-SP, 1997.

WOLFF, Cristina S. Mulheres da floresta: uma história do Alto Juruá – Acre (1890-1945). São Paulo: Hucitec, 1999.