Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Religiosidades em Trânsito: As Motivações Declaradas por Mulheres e Homens para a Mobilidade Religiosa na IEA D-MSBC

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v19n19p17-44

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Emerson R. da Costa1

 

Resumo: O campo religioso brasileiro apresenta, em sua configuração atual, uma formatação identitária extremamente diversa daquela observada em décadas anteriores. A partir dessa consideração, emerge uma problemática significativa – como compreender essas mudanças? Por que um cenário, antes extremamente resistente a transformações, agora se abre aos ventos modernizantes permitindo a recomposição de suas formas religiosas? Ora, a construção de novas identidades e a reordenação dos padrões religiosos podem ser compreendidas a partir do fenômeno do trânsito religioso considerando ser possível identificar na movimentação dos sujeitos uma dinâmica que estabelece alterações, tanto no caráter institucional e litúrgico dos grupos quanto na vivência prática dos fiéis, promovendo inéditos e provisórios sistemas simbólicos. Diante da multiplicidade de oferta, os sujeitos apresentam uma mobilidade incessante em um processo de ressignificação permanente formando efêmeros mosaicos nos quais se distinguem múltiplas cores, formas, espaços, demandas, motivações, comportamentos, interesses, habitus, tradições, símbolos, disposições, estratégias, gostos e combinações. A partir dos postulados das Ciências da Religião, este artigo propõe-se a analisar esse evento tendo como universo de observação a Igreja Evangélica Assembleia de Deus (IEAD, Ministério São Bernardo do Campo (MSBC). Objetiva demonstrar, mediante a interpretação do conjunto de dados obtidos em pesquisa de campo correlacionado com os fundamentos teóricos, quais são as motivações de gênero, classe, geracional e de etnia para o trânsito de homens e mulheres que circulam das mais diversas alternativas para esse grupo religioso.

Palavras-chave: secularização, trânsito religioso, pentecostalismo, Assembleia de Deus

 

Abstract: In its current configuration, the Brazilian religious field has an extremely diverse formatting of identity from that observed in previous decades. From this consideration emerges a significant problematic – how to understand these changes? Why a scenario before highly resistant to change, nowadays it is opened to the modern winds allowing the recovery of its religious forms? Now, the construction of new identities and the reordering of religious standards can be understood from the phenomenon of religious transit, considering it is possible to identify in the movement of individuals a dynamic that establish changes in both institutional and liturgical character of the groups, as well as in living of practice of the faithful, encouraging original and provisional symbolic systems. Given the multiplicity of supply, the subjects have a constant mobility in a continuous process of redefinition, forming ephemeral mosaics that are distinguished in multiple colors, shapes, space, demands, motivations, behaviors, interests, habitus, traditions, symbols, rules, strategies, tastes and combinations. From the postulates of the Religious Sciences, this article proposes to examine this event as the universe of observation with the Evangelical Assembly of God Ministry Sao Bernardo do Campo. It aims to demonstrate, through the interpretation of the data set obtained in field research correlated with the theoretical foundations, what are the motivations of gender, class, generational and ethnic group for the transit of men and women who move in many different alternatives for this religious group.

Key words: secularization, religious transit, pentecostalism, Assembly of God

 

1 Bacharel em Teologia pela Faculdade de Teologia da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Membro do Grupo de Estudos de Gênero e Religião Mandrágora / NETMAL do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Umesp. Membro do Núcleo de Pesquisas Socioantropológicas da Religião e de Gênero do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões da Universidade Federal da Paraíba. Doutorando em Ciências da Religião pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Faculdade de Humanidades e Direito da Umesp. E-mail: emerson_roberto_costa@yahoo.com.br. Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/1901347416948401

 

Literatura Citada

ALENCAR, Gedeon Freire. Todo poder aos pastores, todo trabalho ao povo e todo louvor a Deus. Assembleia de Deus – origem, implantação e militância nas quatro primeiras décadas – 1911 – 1946. 2000. 161 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências Religião). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2000.

ALMEIDA, Ronaldo. Religião na metrópole paulistana. São Paulo: Centro de Estudos da Metrópole, 2001.

ALMEIDA, Ronaldo; MONTERO, Paula. Trânsito religioso no Brasil. In: São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 15, n. 3, jul.-set. 2001.

ALVES, Patrícia Cristina da Silva. Todos os caminhos levam a Deus: uma análise das motivações de gênero no trânsito religioso de pentecostais para a Igreja Metodista no Distrito Grande ABC. 2011. 149 f. Dissertação (Faculdade de Humanidades e Direito, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2011.

AMARAL, Leila. Carnaval da alma. Comunidade, essência e sincretismo na nova era. Petrópolis: Vozes, 2000.

ANTONIAZZI, T. Nem anjos, nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

ARAÚJO, Israel de. Dicionário do movimento pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. A Voz da Assembleia de Deus , ano XIII, n. 94, dez. 2011.

BASTIAN, Jean-Pierre. La mutación religiosa de América Latina: para uma sociologia del cambio social em la modernidad periférica. México: Fondo de Cultura Econômica, 1997.

BECKER, Jonas Rodrigo. Trânsito religioso: uma leitura crítica a partir da teologia prática – desafios e perspectivas. 2002. 165 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2002.

BENEDETTI, Luiz Roberto. Religião: trânsito ou indiferenciação? In: TEIXEIRA, F.; MENEZES, R. (orgs.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 123-133.

BERGER, Peter Ludwig. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. Tradução de José Carlos Barcellos. São Paulo: Paulus, 1985.

BERGER, Peter Ludwig. Rumor de anjos: a sociedade moderna e a redescoberta do sobrenatural. Tradução de Waldemar Boff e Jaime A. Clasen. São Paulo: Vozes, 1997.

BERGER, Peter. A dessecularização do mundo: uma visão global. In: Religião e Sociedade, v. 21, n. 1, ano 2001, p. 9-24.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Tradução de Horiano de Souza Fernandes. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

BITTENCOURT FILHO, José. “Pentecostalismo autônomo”; “Remédio Amargo”. In: Alternativa dos desesperados: como se pode ler o pentecostalismo autônomo. Rio de Janeiro: Cedi, 1991.

BITTENCOURT FILHO, José. Matriz e matrizes: constantes no pluralismo religioso. In: PASSOS, João Décio (org.). Movimentos do Espírito: matrizes, afinidades e territórios pentecostais. São Paulo: Paulinas, 2005. p. 19-45.

BOURDIEU, Pierre. O desencantamento do mundo: estruturas econômicas e estruturas temporais. São Paulo: Perspectiva, 1979.

BURITY, Joanildo. Identidade e política no campo religioso. Recife: Ipespe, 1997.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Teatro, templo e mercado: organização e marketing de um empreendimento neopentecostal. Petrópolis: Vozes; São Paulo: Simpósio Editora e Universidade Metodista de São Paulo, 1997.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Indicadores sociais e afiliação religiosa no “Grande ABC” Paulista. In: Estudos da Religião, São Bernardo do Campo, v. 20, n. 31, p. 154-193, dez. 2006.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Os mapas, atores e números da diversidade religiosa cristã brasileira: católicos e evangélicos entre 1940 e 2007. In: Revista de Estudos da Religião, p. 9-47, dez. 2008.

COSTA, Emerson Roberto da. O trânsito religioso e a recomposição das formas religiosas na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, ministério São Bernardo do Campo. 2011. 136 fl. Dissertação (Faculdade de Humanidades e Direito, Programa de Pós Ciências da Religião). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2011.

COSTA, Emerson Roberto da. O trânsito religioso e a recomposição das formas religiosas. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2012.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas Ciências Sociais. Bauru: Edusc, 1999.

DANTAS, Marcelo; SANTOS, Valter Borges dos; ROCHA, Marcelo. História da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Ministério de São Bernardo do Campo 1946 – 2011: 65 anos de uma história de amor, consagração e fidelidade a Deus. Compilação de Marcelo Alves Dantas, Valter Borges dos Santos e Marcelo Rocha. SBC: s.n., 2010.

FERNANDES, Sílvia R. A.; PITTA , Marcelo. Mapeando as rotas do trânsito religioso no Brasil. Rio de Janeiro: Religião e Sociedade, 2006.

FRESTON, Paul. Breve história do pentecostalismo brasileiro. In: ANTONIAZZI, T. Nem anjos, nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 67-159.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. In: Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 7-32, 1993.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Tradução de João Batista Kreuch. Petrópolis: Vozes, 2008.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. La Religión, hilo de memoria. Barcelona: Herder, 2005.

JACOB, César Romero. Atlas de filiação religiosa e indicadores sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2003.

KEPEL, Gilles. A revanche de Deus. São Paulo: Siciliano, 1992.

KOLAKOWSKI, Leskek. A revanche do sagrado na cultura profana. In: Religião e Sociedade, n. 1, p. 153-162, 1997.

LEMOS, Fernanda. Religião e masculinidade: uma análise de gênero do trânsito religioso de homens no contexto da Universidade Metodista de São Paulo. 2006. 180 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciências Religião) São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006.

LEMOS, Fernanda. Religião e masculinidade: identidades plurais na modernidade. Santo André: Fortune, 2009.

LIMA, Lídia Maria de. Entre o amém e o axé: o trânsito religioso de evangélicos rumo às religiões afro-brasileiras no ABCD paulista. 2012. 133 fl. Dissertação (Faculdade de Humanidades e Direito, Programa de Pós Ciências da Religião). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2012.

LYOTARD, François. O pós-moderno. Rio de Janeiro: José Olimpyo, 1988.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Carismáticos e pentecostais: adesão religiosa na esfera familiar. Campinas: Autores Associados; São Paulo: ANPOCS, 1996.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Representações e relações de gênero nos grupos pentecostais. In: Revista Estudos Feministas, v. 13, n. 2, p. 377-386, maio-ago. 2005.

MADURO, Otto. Religião e luta de classes: quadro teórico para a análise de suas inter-relações na América Latina. Tradução de Clarêncio Neotti e Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980.

MALLIMACI, Fortunato. Pluralismo religioso em Argentina. Lima: UBA/CONICET, 1994.

MALLIMACI, Fortunato. Diversidad Catolica en una sociedad globalizada y excluyente. Una mirada al fin del milênio desde argentina. In: Sociedad y Religion, Bogotá, n. 14, 15, 1996.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do no pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

MARRAMAO, Giacomo. Céu e terra. Genealogia da secularização. Tradução de Guilherme Alberto Gomez de Andrade. São Paulo: Unesp, 1997.

MARRAMAO, Giacomo. Poder e secularização. As categorias do tempo. São Paulo: Unesp, 1995.

MARTELLI, Stefano. A religião na sociedade pós-moderna. Entre secularização e dessecularização. São Paulo: Paulinas, 1995.

MENDONÇA, Antônio Gouveia. Um panorama do protestantismo brasileiro atual. In: Sinais dos tempos: tradições religiosas no Brasil. Cadernos do ISER, 22, 37-86,1989.

MENDONÇA, Antônio Gouveia. O celeste porvir: a inserção do protestantismo no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

MENDONCA, Antônio Gouvea. Protestantes, pentecostais e ecumênicos: o campo religioso e seus personagens. Organização de Leonildo Silveira Campos. São Bernardo do Campo: Umesp, 2008.

MENDONCA, Antônio Gouvea; VELASQUES FILHO, Procoro. Introdução ao protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1990.

NERI, Marcelo Côrtes (coord.). Novo mapa das religiões. Rio de Janeiro: FGV, CPS, 2011.

O’Dea, Thomas. Sociologia da religião. São Paulo: Pioneira, 1969.

NOVAES, Regina. Os jovens, os ventos secularizantes e o espírito do tempo. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (orgs.). As religiões no Brasil continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006.

PASSOS, João Décio (org.). Movimentos do Espírito: matrizes, afinidades e territórios pentecostais. São Paulo: Paulinas, 2005a.

PASSOS, João Décio. Pentecostais: origens e começos. São Paulo: Paulinas, 2005b.

PIERUCCI, F.; PRANDI, R. A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1996.

PIERUCCI, F. Liberdade de cultos na sociedade de serviços. In: A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 275-285.

PIERUCCI, A. Flávio. O desencantamento do mundo. Todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo: Editora 34, 2003.

PIERUCCI, A. Flávio. Reencantamento e dessecularização: a propósito do auto-engano em Sociologia da Religião. In: Novos Estudos. São Paulo: Cebrap, 1997. n. 49.

PRANDI, R. Religião paga, conversão e serviço. In: Novos Estudo., São Paulo: Cebrap, 1996. n. 45.

RIVERA, Dario Paulo Barrera. Tradição, transmissão e emoção religiosa. Sociologia do protestantismo na América Latina. São Paulo: Olho d’Água, 2001.

RIVERA, Dario Paulo Barrera. Desencantamento do mundo e declínio dos compromissos religiosos. A transformação religiosa antes da pós-modernidade. In: Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, ano 4, n. 4, out. 2002.

RIVERA, Dario Paulo Barrera. Matrizes protestantes do pentecostalismo. In: PASSOS, João Décio (org.). Movimentos do Espírito: matrizes, afinidades e territórios pentecostais. São Paulo: Paulinas, 2005. p.79-112.

RIVERA, Dario Paulo Barrera; HEATON, Tim. A diversidade religiosa brasileira e suas dimensões sociais segundo o Censo do ano 2000. In: Estudos de Religião, v. 23, n. 37, p. 129-145, jul.-dez. 2009.

RIVERA, Dario Paulo Barrera. Pluralismo religioso e secularização: pentecostais na periferia da cidade de São Bernardo do Campo no Brasil. In: Revista de Estudos da Religião, p. 50-76, mar. 2010.

SANCHIS, Pierre (org.). Fiéis & cidadãos: percursos de sincretismo no Brasil. Rio de Janeiro: Uerj, 2001.

SHCÄFER, Heinrich. La generación del sentido religioso – observaciones acerca de la diversidad pentecostal en América Latina. In: CHIQUETE, Daniel; et al. (eds.). Voces del pentecostalismo latinoamercicano III : teologia, historia, identidad. Concepción, Chile: EMW / CETELA, 2009.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 16, v. 2, p. 5-22, 1990.

SOUZA, Beatriz Muniz de. A experiência da salvação: pentecostais em São Paulo. São Paulo: Duas Cidades, 1969.

SOUZA, Beatriz Muniz e MARTINO, Luis Mauro (orgs.). Sociologia da religião e mudança social: católicos, protestantes e novos movimentos religiosos no Brasil. São Paulo: Paulus, 2004.

SOUZA, Jessé de (org.). O malandro e o protestante: a tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: UnB, 1999.

SOUZA, Sandra Duarte de. Trânsito religioso e construções simbólicas temporárias: uma bricolagem contínua. In: Estudos de Religião, SBC, UMESP, v. 15, n. 20, jan.-jul. 2001.

SOUZA, Sandra Duarte de. Religião e secularização: o gênero dos discursos e das práticas das mulheres protestantes. In: SOUZA, Sandra Duarte de (org.). Gênero e religião no Brasil: ensaios feministas. São Bernardo do Campo: Umesp, 2006a.

SOUZA, Sandra Duarte de. Trânsito religioso e reinvenções femininas do sagrado na modernidade. In: Horizonte, Belo Horizonte, v.5, n. 9, p. 21-29, dez. 2006b.

SOUZA, Sandra Duarte de. Religião e identidades de gênero. In: SILVA, Eliane Moura da; BELLOTTI, Karina Kosicki; CAMPOS, Leonildo Silveira (orgs.). Religião e sociedade na América Latina. São Bernardo do Campo: Umesp,, 2010. p. 185-196.

SOUZA, Sandra Duarte de; LEMOS, Carolina Teles. A casa, as mulheres e a igreja: relação de gênero e religião no contexto familiar. São Paulo: Fonte Editorial, 2009. Documentos eletrônicos IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acesso em: 2 maio 2011.

Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Ministério de São Bernardo do Campo . Disponível em: <http://www.iead-msbc.com.br/>. Acesso em: 15 jan. 2011.

Instituto de Pesquisa Econ ômica Aplicada . Perfil dos migrantes em São Paulo. In: Comunicado do Ipea, n. 115, out. 2011. Disponível em: <htp://www.ipea.gov.br>. Acesso em: 6 out. 2011.

SÃO BERNARDO DO CAMPO. Secretaria de Orçamento e Planejamento Participativo. Disponível em: <http://www.saobernardo.sp.gov.br/>. Acesso em: 2 maio 2011.

SÃO BERNARDO DO CAMPO. Secretaria de Orçamento e Planejamento Participativo. Sumário de Dados 2010. Disponível em: <http://www.saobernardo.sp.gov.br/secretarias/sopp/sumario.asp>. Acesso em: 20 maio 2011.

SÃO BERNARDO DO CAMPO. Secretaria de Planejamento Urbano e Ação Regional. Mapas do município. Disponível em: <http://www.saobernardo.sp.gov.br/dados1/arquivos/sumariodedados/SBC_DADOS_Capitulo02.pdf>. Acesso em: 19 maio 2011.