Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Gênero e Religião: O Trânsito Religioso de Homens e Mulheres Metodistas na Cidade de Volta Redonda, RJ

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v19n19p45-61

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Hugo G. de Freitas1 & Sandra D. de Souza2

 

Resumo: Diante da modernidade contemporânea, homens e mulheres interagem de forma diferente com o campo religioso, e, isso dá-se, em parte, devido às diferentes relações de gênero existentes em nossa sociedade. O presente artigo tem como objetivo relacionar o trânsito religioso às diferentes demandas de gênero dos sujeitos modernos. A pesquisa foi realizada em caráter de iniciação científica, tem sido apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e está vinculada ao projeto Trânsito Religioso e Reinvenções Femininas do Sagrado na Modernidade, de Sandra Duarte de Souza. O campo de análise foram as Igrejas Metodistas na cidade de Volta Redonda, RJ, tendo sido aplicados 120 questionários, sendo 61,7% dos consultados mulheres e 38,3% homens. Assim, a pesquisa permitiu-nos observar que mulheres e homens, embora por razões distintas, seguem recorrendo à fé religiosa para solução de seus problemas cotidianos tendo em mente que a fé não está, necessariamente, restrita a uma instituição religiosa. Os distintos motivos que movem homens e mulheres para a religião estão fortemente pautados na socialização de gênero desses sujeitos.

Palavras-chave: modernidade, secularização, trânsito religioso, gênero

 

Resumen: Dada la modernidad contemporánea hombres y mujeres interactúan de forma diferente con el campo religioso y esto se debe, em parte, debido a las diferentes relaciones de género en la sociedad. Este artículo tiene como objetivo relacionar el tránsito religioso com las diferentes demandas de género de los sujetos modernos. La investigación se realizó con el apoyo de la Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP, y está relacionado com el proyecto Trânsito Religioso e Reinvenções Femininas do Sagrado na Modernidade, de Sandra Duarte de Souza. El campo de análisis fueron las iglesias metodistas en la ciudad de Volta Redonda – RJ, que se aplicaron 120 cuestionarios, el 61,7% de los cuestionarios son mujeres y 38.3% son hombres. Por lo tanto, la investigación nos permitió observar que las mujeres y los hombres, aunque por diferentes razones, siga recurriendo a la fe religiosa para resolver sus problemas cotidianos sabiendo que la fe no se limita, necesariamente, a una institución religiosa. Los diferentes motivos que mueven a los hombres y mujeres a la religión están fuertemente guiado por la socialización de género de estos sujetos.

Palabras clave: modernidad, secularización, tránsito religioso, género

 

1 Aluno da Faculdade de Teologia da Universidade Metodista de São Paulo – UMESP. Bolsista de iniciação científica pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP. Email: hugo_metodista@yahoo.com.br
2 Doutora em Ciências da religião, professora do Programa de Pós Graduação em Ciências da Religião da Universidade Metodista de São Paulo – UMESP e coordenadora do Grupo de Estudos de Gênero e Religião – Mandrágora/Netmal. Email: sanduarte@uol.com.br

 

Literatura Citada

ABOIM, Sofia. Gênero e modernidade: a construção pública do privado. 2008. p. 561-582. Disponível em: http://www.ics.ul.pt/rdonweb-docs/Sofia%20Aboim%20-%20Publica%C3%A7%C3%B5es%202008%20n%C2%BA3.pdf. Acesso em: 3 set. 2013.

ALMEIDA, Ronaldo de. Religião na Metrópole Paulista. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, n. 56, p. 15-27, out., 2004. Disponível em: http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/html/107/10705602/10705602.html. Acesso em: 8 abr. 2011.

ALMEIDA, Ronaldo de; MONTEIRO, Paula. Trânsito religioso no Brasil. São Paulo em Perspectiva. v. 15, n. 3, p. 92-101, jul., 2001. doi

ALVES, Patrícia Cristina da Silva Souza. “Todos os caminho levam a Deus”: uma análise das motivações de gênero no trânsito religioso de pentecostais para a Igreja Metodista do Distrito Grande ABC. 2011. 149 p. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2011.

BATISTA, Natalia Nunes Ferreira; CACCIAMALI Maria Cristina. Diferencial de salários entre homens e mulheres segundo a condição de migração. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 97-115, jan./jun. 2009.

BOSI, Alfredo. O tempo e os tempos. In: NOVAES, Adauto (org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, Secretaria Municipal da Cultura, 1992. p.19-32.

COELHO, Lázara Divina. Trânsito religioso: uma revisão exploratória do fenômeno brasileiro. Vox Faifae: Revista de Ciências Humanas e Letras das Faculdades Integradas da Fama, v. 1, n. 1, 2009. Disponível em: http://www.faifa.edu.br/revista/index.php/voxfaifae/article/view/6/11. Acesso em: 22 de ago. 2011

COSTA, Emerson Ribeiro da. O trânsito religioso e a recomposição das formas religiosas na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Ministério São Bernardo do Campo. 2011. 136 p. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Universidade Metodista de São Paulo). São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2011.

FONSECA, Izabel Rubino. O trânsito religioso na universidade: um estudo de caso na Universidade Estadual de Maringá-PR. Anais do III Encontro Nacional do GT História das Religiões e das Religiosidades – ANPUH. Questões teórico-metodológicas no estudo das religiões e religiosidades. Revista Brasileira de História das Religiões, Maringá (PR), v. 3, n. 9, jan., 2011. ISSN 1983-2859. Disponível em: http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pub.html. Acesso em: 13 abr. 2011.

GIFFIN, Karen. Pobreza, desigualdade e equidade em saúde: considerações a partir de uma perspectiva de gênero transversal. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, p. 103-112, 2002.

HERVIEU-LÉGER, Daniele. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Tradução João Batista Kreuch. Petrópolis: Ed. Vozes, 2008. p. 238.

LEMOS, Fernanda. Religião e modernidade: uma análise de gênero do trânsito religioso de homens no contexto da Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006. 182 p.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Representações e relações de gênero nos grupos pentecostais. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 387-396, maio-ago. 2005.

MARTELLI, Stefano. A religião na sociedade pós-moderna: entre secularização e dessecularização. Trad. Euclides Martins Balancin. São Paulo: Paulinas, 1995. p. 412.

MARRAMAO, Giacomo. Céu e Terra. Genealogia da secularização. São Paulo: Editora Unesp, 1997.

MATOS, R. S.; MACHADO, A. F. Diferencial de rendimentos por cor e sexo no Brasil (1987-2001). Econômica, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, jun. 2006.

PORTELLA, Rodrigo. A religião na sociedade secularizada: urdindo as tramas de um debate. Numen: revista de estudos e pesquisa da religião, Juiz de Fora, v. 11, n. 1 e 2, p. 33-53, 2008. Disponível em: http://www.editoraufjf.com.br/revista/index.php/numen/article/viewFile/1001/845. Acesso em: 11 de abr. 2011

SOUZA, Sandra Duarte de. Trânsito religioso e construções simbólicas temporárias: uma bricolagem contínua. Estudos de Religião, São Bernardo do Campo, v. 1, n. 20, p. 157-167, jan./jun. 2001

SOUZA, Sandra Duarte de. Religião e secularização: o gênero dos discursos e das práticas das mulheres protestantes. In: Souza, Sandra Duarte de (org.). Gênero e religião no Brasil: ensaios feministas. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006a. cap. 2. p. 29-43.

UNBEHAUM, Sandra. Da teoria à ação pedagógica em diversidade sexual. Entendendo o que é gênero. Disponível em: http://www.prr3.mpf.mp.br/noticias/diversidade/textos/entendendogenero.pdf. Acesso em: 3 set. 2013.