Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Gênero na Lapinha: Uma Dança de Tradição Religiosa

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v19n19p63-73

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Alana S. Bezerra1 & Fernanda Lemos2

 

Resumo: A lapinha ou pastoril é uma dança de tradição religiosa do nordeste brasileiro. É um folguedo que integra o ciclo das festas natalinas, que conta a história de um grupo de pastorinhas que viajam até Belém à procura do menino Jesus. A lapinha, ou como é denominada popularmente, pastoril, pastorinhas, bailes pastoris, era representada em autos diante do presépio. Este artigo tem como objetivo principal analisar as representações de gênero nessa dança de tradição religiosa.

Palavras-chave: gênero, história da lapinha, dança religiosa

 

Abstract: The Lapinha or Pastoral is a dance of religious tradition in brasilian northeast. It is a revelry cycle which includes the Christmas festivities, which tells the story of a group of shepherdesses who travels to Bethlehem in search of the baby Jesus. The Lapinha or as it is popularly called, Pastoral, Pastorinhas, Bailes Pastoral, was represented in proceedings before the manger. This article aims at analyzing gender representations in this dance of religious tradition.

Key words: gender, lapinha’s history, religious dance

 

1 Mestre em Ciências das Religiões pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Especialista em Fisiologia do Exercício pelas Faculdades Integradas de Patos (FIP), graduada em Licenciatura Plena em Educação Física pela UFPB. Email: alana_simoes_edf@hotmail.com
2 Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Ciências das Religiões na UFPR e Professora Adjunto do Departamento de Ciências das Religiões na UFPB. Possui graduação em Teologia, Mestrado e Doutorado em Ciências da Religião na área das Ciências Sociais pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Email: somel@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

ANDRADE, Mário de. Danças dramáticas do Brasil. São Paulo: Livraria Martins, 1959.

ANDREOLI. Giuliano Souza. Representações de masculino na dança contemporânea.2010. Dissertação. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

BORBA FILHO, Hermilo. Espetáculos populares do Nordeste. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Ed. Massangana, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BURTLER, Judith. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. Nova York: Routledge, 1990.

GEBARA, Ivone. Rompendo o silêncio: uma fenomenologia feminista do mal. São Paulo: Vozes, 2000.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Itatiaia Limitada, LTC, 1994, 2011.

GIUSEPP, Erik; ROMEDO, Elaine. “...Para ser macho não pode negar fogo, tem que ser viril. Então não tem nada a ver com a dança...” Revista da Faced, n.8, p. 139-154, 2004.

GONÇALVES, Rafael Ramos; et al. Merleau-Ponty, Sartre e Heidegger: três concepções de fenomenologia, três grandes filósofos. Estudo e Pesquisa em Psicologia, Rio de Janeiro, ano 8, n. 2, pp. 402-435, 1997.

HANNA, Judith Linne. Dança, sexo e gênero: signos de identidade, dominação, desafio e desejo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

KIMMEL, Michael. A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. In: Horizontes antropológicos: corpo, doença e saúde. Porto Alegre: PPGAS/UFRGS, 1998. Ano 4, n. 9.

LEMOS, Fernanda. Religião e masculinidade. Santo André: Fortune, 2009a.

LEMOS, Fernanda. A representação social da masculinidade na religiosidade contemporânea. Metodista, v. 1, p. 7-17, 2009b.

MENEZES, Nilza. Arreda homem que aí vem mulher. São Paulo: Fortune, 2009.

MERLEAU-PONTY, Maurice Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

NUNES, Maria José Rosado. Gênero e experiência religiosa das mulheres. In: MUSSKOPF, André S.; STROHER, Marga J. (orgs). Corporeidade, etnia e masculinidade. São Leopoldo: Sinodal, 2005.

OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de. O gênero na saúde: auto-determinação reprodutiva das mulheres. Mandrágora, n. 4, v. 4, p. 17-26, 1997.

PIMENTEL, Altimar de Alencar. Lapinha. João Pessoa: FIC, Governo da Paraíba, 2005.

PINHEIRO DOS SANTOS, Naira Carla di Giuseppe. Representações de gênero, religião e trabalho doméstico: resultados de uma pesquisa entre batistas na cidade de São Paulo. In: SOUZA, Sandra Duarte de. Gênero e religião no Brasil: ensaios feministas. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006. p. 69-80.

PINTO, Mércia. Pastoril: estabilidade e mudança numa festa popular brasileira. Em pauta, v. 13, n. 20, p. 49-94, jun. 2002a.

PINTO, Mércia. Pastoril: educação sentimental e construção do imaginário numa festa popular brasileira. Linhas Críticas, v. 8, n. 14, jan.-jun. 2002b.

RIBEIRO, Domingos de Azevedo. Pastoris religioso e profano. João Pessoa, 1993.

ROSA, Marcelo Victor. Educação física e homossexualidade: investigando as representações sociais dos estudantes do centro de desportos. Revista Motrivivência, São Paulo, out. 2006.

SANTOS, Ligia Pereira dos. Maternidade versus paternidade: um diálogo docente com a corporeidade. In: HERMIDA, Jorge Fernando; ZOBOLI, Fábio (orgs.). Corporeidade e educação. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2012.

SARAIVA, Maria do Carmo. O sentido da dança: arte, símbolo, experiência vivida e representação. Movimento, Porto Alegre, v. 11, n. 3, p. 219-242, set.-dez. 2003.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade, Porto Alegre, n. 2, v. 20, p. 71-99, jul.-dez. 1995.

STINSON, Suzan. Uma pedagogia feminista para dança da criança. Revista Pro-posições, v. 6, n. 3, p. 77-89, 1995.

TOMITA, Luiza Etsuko. O desejo sequestrado das mulheres: desafio para a teologia feminista no século 21. In: SOUZA, Sandra Duarte de. Gênero e religião no Brasil: ensaios feministas. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006. p. 147-167.