Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Relações de Gênero na História da Recepção: O Olhar de Antônio Conselheiro sobre Maria das Dores

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0985/mandragora.v19n19p75-86

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/index 

downloadpdf

Danielle V. B. de Lima1 & Carolina T. Lemos2

 

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo analisar como a concepção de Maria, entendida como a “Maria das Dores”, serviu como modelo de mulher para Antônio Vicente Mendes Maciel, mais conhecido como Conselheiro. O motivo para tal escolha é que, em um de seus discursos, Conselheiro a menciona como exemplo de vida e modelo incorruptível de mulher. Para tanto, tomando o gênero como categoria de análise, será observado o discurso do religioso sobre a figura de Maria como modelo arquetipal de mulher e como fundamentadora da visão patriarcal e androcêntrica da época. Tal análise dar-se-á em diálogo com o contexto histórico de Conselheiro a fim de se compreender em qual contexto o religioso está inserido e de que forma Maria, vista por ele como a Maria das Dores, é destacada como exemplo de mulher sensível ao sofrimento da pobreza e da calamidade, atuando em obediência e silêncio, mas sem recuar perante as dificuldades.

Palavras-chave: hermenêutica da recepção, gênero, Maria das Dores, Antônio Conselheiro

 

Abstract: This paper aims to analyze how the conception of Maria, understood as “Maria das Dores”, served as a women’s model for Antonio Vicente Mendes Maciel, best known as Conselheiro. The reason for this choice is that in one of his speeches, Conselheiro mentions as an example of life and imperishable model of woman. Therefore, taking gender as a category of analysis, will observed o speech on religious figure ohMaria that archetypal model of how women that androcentric and patriarchal based view of the time. Such analysis will be in dialogue with the historical context of Conselheiro in order to understand the religious context in which it is inserted and how Maria, seen by him as Mary of Sorrows, is highlighted as an example of a woman sensitive to the suffering of poverty and calamity, acting in obedience and silence, but not shy away from the difficulties.

Key words: receptions’s hermeneutics, gender, Maria das Dores, Antonio Conselheiro

 

1 Doutoranda em Ciências da Religião pela PUC-Goiás, bolsista pela Capes/Prosup cursos novos. E-mail para contato: danihistoriadora@yahoo.com.br
2 Doutora em Ciências da Religião, pela Umesp. Atualmente, é Professora Titular no Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da PUC-Goiás

 

Literatura Citada

BENATTE, Antonio Paulo. História da leitura e história da recepção da Bíblia. Orácula, São Bernardo do Campo, n. 5, 1. sem, 2007. Disponível em: <http://www.oracula.com.br/numeros/012007/05-benatte.pdf>. Acesso em: 1 fev. 2012.

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 6. ed. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BOFF, Leonardo. O rosto materno de Deus: ensaio interdisciplinar sobre o feminino e suas formas religiosas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1983.

BOFF, Clodovis. Mariologia social. O significado da Virgem para a sociedade. São Paulo: Paulus, 2006.

COYLE, Kathleen. Maria na tradição cristã: a partir de uma perspectiva contemporânea. Tradução de Bárbara Theoto Lambert. São Paulo: Paulus, 1999.

CUNHA, Euclides. Canudos e outros temas. Brasília: Senado Federal, 2003.

DELUMEAU, Jean. A história do medo no Ocidente 1300-1800: uma cidade sitiada. Tradução de Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

DESROCHE, Henri. Dicionário de messianismos e milenarismos. São Bernardo do Campo, Editora UMESP, 2000.

FACÓ, Rui. Cangaceiros e fanáticos. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.

GEBARA, Ivone e BINGEMER, Maria Clara. Maria, mãe de Deus e dos pobres. Petrópolis: Vozes, 1987.

HOORNAERT, Eduardo. Os anjos de Canudos: uma revisão histórica. Petrópolis: Vozes, 1997.

MILTON, A. L. História da recepção da Bíblia: novos enfoques na pesquisa britânica. Orácula. Revista Eletrônica do Grupo Orácula de Pesquisas em Apocalíptica Judaica e Cristã. São Bernardo do Campo, 2005. Disponível em: <http://www.oracula.com.br/numeros/022005/artigos/84milton.pdf>. Acesso em: 3 fev. 2012.

MONIZ, Edmundo. Canudos: a luta pela terra. São Paulo: Global, 2001.

MURAD, Afonso. Maria toda de Deus e tão humana. São Paulo: Paulinas; Valência, Siquém, 2004.

OTTEN, Alexandre. Só Deus é grande. São Paulo: Loyola, 1990.

RICHTER REIMER, Ivoni. Maria sempre bendita: textos e imaginários de uma história que se faz, desfaz e refaz. In: Imaginários da divindade: textos e interpretações. Goiânia: UCG; São Leopoldo: Oikos, 2008. p. 101-123.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria de análise histórica. Tradução de G. Lopes Lobo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, p. 5-22, jul-dez. 1990.

STOLA, José Antônio. Canudos: uma utopia no Sertão. São Paulo: Contexto, 1989.