Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Polifarmácia Utilizada por Idosos Residentes em Instituições de Longa Permanência do Município de Viamão/RS

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmbs.v15n30p65-74

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/EUM/index 

downloadpdf

Natália P. Ribeiro1, Rita Mascarenhas2, Marcello Á. Mascarenhas3 & Lucila L. P. Gutierrez4

 

Resumo: Objetivos: Fazer um levantamento da quantidade de medicamentos administrados por idoso residente de instituições de longa permanência para idosos. Avaliar as doenças mais incidentes entre estes idosos, observar o perfil do idoso, além de discutir o papel do farmacêutico. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional transversal. Os dados foram obtidos através de questionários com perguntas abertas e fechadas aos cuidadores de 85 idosos residentes nas instituições de longa permanência para idosos do município de Viamão/RS, período de setembro a outubro de 2012. Resultados: O gênero feminino foi predominante (71,8%). Os dados obtidos revelaram uma alta administração de medicamentos entre os idosos, com média de 8,1 por idoso. Os medicamentos mais prescritos foram: AAS (48,2%), metoclopramida (42,4%), sinvastatina, omeprazol, furosemida e sertralina (31,8% ambos), nimodipino (27,1%), hidroclorotiazida (25,9%) e enalapril (24,7). As doenças mais prevalentes foram hipertensão arterial sistêmica (72,9%) seguida de depressão (47%). Conclusão: Por ser alto o número de medicamentos administrados aos idosos (polifarmácia), isso resulta na preocupação com estes indivíduos se entende o porquê da importância de um farmacêutico nestas instituições, pois este profissional pode evitar que possíveis eventos desagradáveis ocorram. A ação de cuidado com esses idosos deve ser múltipla, isto é, uma equipe multidisciplinar deve trabalhar para que se aumente ainda mais a expectativa de vida destes indivíduos.

Palavras-chave: lares de idosos, idosos, polifarmácia, medicamentos

 

Abstract: Objectives: elaborating a survey on the amount of medication administered by elders residing in long permanence institutions to elders. Assessing the most common diseases among those elders, observing their profile, besides discussing role of pharmacistis. Methodology: It deals with a transversal observational study, applied through questionnaires with open and closed questions to the 85 elders residents in long permanence institutions to elders in the municipality of Viamão/RS, period from september to october 2012. Results: The feminin gender was predominant (71.8%). Data obtained revealed a high consumption of medication among elders, average of 8.1 drugs by elderly. The medication which was precibed was: ASS (48.2%), metoclopramide (42.4%), simvastatin, omeprazole, furosemide and sertraline (31.8% both), nimodipine (27.1%), hydrochlorothiazide (25.9%) and enalapril (24.7%). The most prevalent diseases were systemic artery hypertension (72.9%), followed by depression (47%). Conclusion: Due to the great amount of medication administered to elders (polypharmacy) that results in worry about those individuals, we understand the importance of a pharmacist in these institutions, for this professional can avoid possible and disagreeable events. The action of taking care of those elders must be multiple, that is, a multidisciplinary team must work in order to increase even more the expectancy of life of those elders.

Key words: nursing homes, elderly, polyfarmacy, drugs

 

1 Natália Pedroso Ribeiro, acadêmica do curso de Farmácia do Centro Universitário Metodista - IPA
2 Rita Mascarenhas, Profª Msc. docente do Centro Universitário Metodista - IPA
3 Farmacêutico, Professor Doutor, Centro Universitário Metodista - IPA. (marcello.mascarenhas@metodistadosul.edu.br)
4 Lucila Ludmila Paula Gutierrez, Profª Drª. docente do Centro Universitário Metodista - IPA

 

Literatura Citada

ABSALON AR, SPANJER MRK, BAKKER NA. Pharmacology in the elderly and newer anaesthesia drugs. Best Pract Res Clin Anaesthesiol; 25: 355–365, 2011. doi

AZIZ MM et al. Prevalência e fatores associados ao acesso a medicamentos pela população idosa em uma capital do sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública, 27: 1939-1950, 2011.

AZIZ MM, CALVO MCM, DORSI E. Medicamentos prescritos aos idosos em uma capital do sul do Brasil e a Relação Municipal de Medicamentos. Cad de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.28; p.52-64, 2012.

BRASIL. Estatuto do Idoso, 2003. Disponível em URL: http://www.comprev.org.br/banco_imagens/estatutodoidoso.pdf. Data de acesso: 09/09/2012a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção à Saúde da Pessoa Idosa e Envelhecimento. DATASUS, 2010. Disponível em URL: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/volume12.pdf. Data de acesso: 30/09/2012b.

BRASIL. Ministério da saúde. Saúde da mulher. Mortalidade feminina cai nos últimos 10 anos. Disponível em URL: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/7796/893/mortalidade-feminina-cai-12-nos-ultimos-10-anos.html Data de acesso: 23/10/ 2012c.

BRASIL. Ministério da saúde. Saúde da mulher. RS reduz em 12,9% a mortalidade feminina. Disponível em URL: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/7770/162/rs-reduz-em-129-a-mortalidade-feminina.html Data de acesso: 22/10/2012d.

BRASIL. Instituito Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Em 2009, esperança de vida ao nascer era de 73,17 anos. 1 de dezembro de 2010. Disponível em URL: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1767&id_pagina=1 Data de acesso: 30/10/2012e.

BRASIL. Fundação de Economia de Estatística. Resumo Estatístico, Municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes – Viamão. Disponível em URL: http://www.fee.tche.br/sitefee/pt/content/resumo/pop_estado_mapa2_municipio.php?municipio=Viam%C3%A3o&id=447 Data de acesso: 31/10/2012f.

DAL PIZZOL T S et al. Uso de medicamentos entre idosos residentes em áreas urbanas e rurais de município no Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cad de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 28: 104-114, 2012.

FERRIER NV. Older patients, multiple comorbidities, polymedication should we treat everything? Euro Geriatr Med, 2: 48–51, 2011. doi

FERREIRA MBC. Prescrição de medicamentos em geriatria. In: Fuchs FD, Wannmacher L. Farmacologia Clínica: Fundamentos da terapêutica racional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1284 pgs, cap.77, p. 1169- 1173, 2010.

FLORES VB, BENVEGNÚ LA. Perfi l de utilização de medicamentos em idosos da zona urbana de Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24 (6):1439-1446, 2008.

HARUGERI a, et al. Prescribing Patterns and Predictors of High-Level Polypharmacy in the Elderly Population: A Prospective Surveillance Study From Two Teaching Hospitals in India. The Am J Geriatr Pharmacother, 8 (3): 271-280, 2010. doi

HINES LE, MURPHY JE. Potentially harmful drug–drug interactions in the elderly: A review. Am J Geriatr Pharmacother, 9 (6): 364-377, 2011. doi

HOVSTADIUS B, PETERSSON G. Factors Leanding to Excessive Polypharmacy. Clin Geriatr Med 2012. doi

KUTSAL YG, et al. Polypharmacy in the Elderly: A multicenter Study. JAMDA, 10: 486-490, 2009.

LEES J, CHAN A. Polipharmacy in elderly patients with cancer: clinical implications and management. Lancet Oncol, 12: 1249-1257, 2011. doi

LIMA MG, et al. Health-related behavior and quality of life among the elderly: a population-based study. Rev Saúde Pública, 45: 485-493, 2011. doi

MAY RJ. Adverse drug reactions and interactions. In: Diripo JT; Talbert RL; Hayes PE; Yee GC; Matzke CR; Posey LM Pharmacotherapy: a pathophysiologic approach. Norwalk: Appleton & Lange, p.101-116, 1997.

OLIVEIRA MPF, NOVAES MRCG. Drug-related problems in institutionalized elderly in Brasilia, Brazil. Biomedicine & Aging Pathology, 1: 179–184, 2011. doi

REINHARDT F et al. Acompanhamento farmacoterapêutico em idosos hipertensos residentes em um lar geriátrico, localizado na Região do Vale dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Bras Geriatr Gerontol, (1): 109-117, 2012.

RUNCAN PL. Elderly institutionalization and depression. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 33: 109–113, 2012. http://dx.doi.org/10.1016/j.sbspro.2012.01.093

SANCAR M, et al. Determination of geriatric patients’ drug profile and identify their pharmaceutical care requirements by determining potential risk factors. Eur Geriatr Med, 2: 280–2832011. http://dx.doi.org/10.1016/j.eurger.2011.07.011

SANTOS RM, SETTE IMF, BELÉM LF. Drug use by elderly inpatients of a phlilanthropic hospital. Braz J Pharm Sci, 47: 2011, 2011.

SECOLI SR. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Rev Bras Enferm, 63: 136-140, 2010. doi

SOUZA PM, et al. Diagnosis and control of polypharmacy in the elderly. Rev de Saúde Pública; 41: 1049-1053, 2007. doi

TRIANTAFYLLOU K, VLACHOGIANNAKOS J, LADAS SD. Gastrointestinal and liver side effects of drugs in elderly patients. Best Pract Res Clin Gastroenterol; 24: 203–215, 2010. doi

UNSAR S, SUT N. Depression and health status in elderly hospitalized patients with chronic illness. Arch Gerontol Geriatr, 50: 6–10, 2010. doi

WYLES H, REHMAN HU. Inappropriate polypharmacy in the elderly. Eur J Intern Med, 16: 311-313, 2005. doi

ZAROWITZ BJ. Polypharmacy: When Is Enough, Enough? Geriatr Nurs; 32 (6): 447-449, 2011. doi