Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Era Uma Vez Um Menino e Uma Menina...: Representações de Gênero Através de Livros Paradidáticos nos Anos Iniciais no Ensino Fundamental

DOI: http://dx.doi.org/10.15668/1807-8214/artemis.v17n1p129-140

http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis 

downloadpdf

Rita C. Petrenas1, Fatima A. C. Gonini2, Valéria M. N. Mokwa3 & Paulo R. M. Ribeiro4

 

Resumo: Abordar a temática de gênero no contexto escolar se torna algo complexo, pois poucos são os cursos de formação docente e as capacitações que se voltam para essa temática. O objetivo desse texto é analisar as representações de crianças em torno das construções de gênero, propondo para os docentes a possibilidade de trabalhar esse tema no contexto escolar. A pesquisa apresentou como material principal os livros paradidáticos. A análise dos dados foi realizada com base na Análise de Conteúdo, modalidade temática e definimos temas ou categorias considerados relevantes para a discussão. Nesse estudo não tivemos a pretensão de expor modelos, mas apresentar caminhos que sejam aliados nas propostas de estudo de gênero com crianças, e mesmo nos cursos de formação de professores, indo além dos padrões generificados e reprodutores de estereótipos, propondo a relação teoria e prática, minimizando dicotomias que são tão comumente queixas de docentes.

Palavras-chave: gênero, formação docente, sexualidade

 

Abstract: Addressing gender issues in the school environment becomes a quite complex enterprise since there are few training and specializing courses for teachers on this thematic. The aim of this paper is to analyze representations of children on gender construction, suggesting the possibility for teachers to work this subject in the school context. The research has taken textbooks as the main material to be studied. Data analysis was based on content analysis and thematic mode; themes or categories considered relevant for discussion were defined. In this study there was no pretense of exposing models, but to provide paths that might be helpful for study on gender and children, even for teacher trainings. The idea was to go beyond gendered patterns and the reproduction of stereotypes, to establish a relationship between theory and practice, as well as minimizing the dichotomies that are so commonly part of teachers complaints.

Key words: gender, teacher education, sexuality

 

1 Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus Araraquara). Coordenadora e Professora da ASSER Porto Ferreira (UNICEP). Membro do Grupo de Pesquisa NUSEX ( Núcleo de Estudos da Sexualidade). E-mail: petrenas@bol.com.br

 

Literatura Citada

BARDIN, Laurence. (1977) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. (1998a). Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL. Secretaria do Ensino Fundamental. (1998b). Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL. Secretaria do Ensino Fundamental. (1997). Parâmetros curriculares nacionais: introdução. Brasília: MEC/SEF.

CARVALHO, Marília Pinto de. (1999). No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã.

CYMBALUK, Fernando. (2012). Mulheres chefes de família não são mais pobres e nem sozinhas, diz pesquisadora. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2012/09/22/mulheres-chefesde-familia-nao-sao-mais-pobres-e-nem-sozinhas-dizpesquisadora.htm >. Acesso em: 28 ago. 2013.

FELIPE, Jane. (2000). “Infância, gênero e sexualidade”. In: Educação & Realidade. 25, 1, dez-jan/jul, pp. 115-134.

FINCO Daniela. (2003). “Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil”. In: Pro-Posições,14, 3(42), pp. 89-101, set./dez.

FURLANI, Jimena. (2011). “Educação sexual: possibilidades didáticas a um começo na educação infantil e no ensino o fundamental”. In: FURLANI, Jimena. Educação Sexual na escola: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autentica, pp. 87-129.

LOURO, Guacira Lopes. (2010). “Pedagogias da Sexualidade”. In: O corpo educado: pedagogia da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica editora, pp. 7-34.

LOURO, Guacira Lopes. (1997). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

LOURO, Guacira Lopes. (1996). “Nas redes do conceito de gênero”. In: LOPES, Marta Julia et al. Gênero e Saúde. Porto Alegre, Artes Médicas, pp. 7-18.

MAIA, Ana Cláudia Bortolozzi & RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal. (2011). “Educação sexual: princípios para ação”. In: DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, 14, 1, pp.75-84.

RIBEIRO, Marcos. (2001). Menino brinca de boneca? São Paulo: Salamandra, 2001.

RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal. (2013). “Educação sexual na formação de professores: sexualidade, gênero e diversidade enquanto elementos para uma cidadania ativa”. In: RABELO, Amanda Oliveira. et al. (Orgs.). Formação docente em gênero e sexualidade: entrelaçando teorias, políticas e práticas. Petrópolis, RJ: De Petrus, pp. 7-15.

ROCHA, Ruth. (1983). Faca sem ponta, galinha sem pé. São Paulo: Editora Ática.

ROSA, Sonia. (2008). O menino Nito: então homem chora ou não? Rio de Janeiro: Pallas.

SAYÂO, Deborah Thomé. (2002). “A construção de identidades e papéis de gênero na infância: articulando temas para pensar o trabalho pedagógico da educação física na educação infantil”. In: Revista Pensar a Prática, 2, pp.1-14.

SOUSA, Mauricio de. Monica brincando de casinha. Disponível em: <http://maeperfeita.files.wordpress.com/2012/11/mc3b4nica-casinha.gif?w=714>. Acesso em: 24 fev. 2012.

UNBEHAUM, Sandra. (2009). Temas transversais na educação: ainda uma questão mal resolvida nas políticas de educação. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, pp.1-11.