Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Práticas Educativas e Intervenção com Pais: A Educação como Proteção ao Desenvolvimento dos Filhos

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v21n1p29-40

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Naiana D. Patias1, Aline C. Siqueira2 & Ana C. G. Dias3

 

Resumo: Educar não é tarefa fácil e muitos pais podem ter muitas dúvidas a respeito da melhor estratégia educativa. Este estudo teórico tem como objetivo aprofundar o conhecimento sobre as práticas educativas parentais como risco e proteção ao desenvolvimento dos filhos a partir de uma revisão não sistemática da literatura sobre as estratégias educativas parentais. Além disso, propõe um programa de intervenção com os genitores. Observou-se que muitas das estratégias parentais utilizadas podem colocar em risco o desenvolvimento de seus filhos. Outras estratégias, por sua vez, associam-se a efeitos positivos, sendo consideradas fatores protetivos. Dessa forma, propõe-se pensar um programa de intervenção em torno de práticas educativas mais positivas. Conscientizar famílias e profissionais da saúde e educação sobre o exercício parental é de extrema importância para a prevenção e promoção da saúde de crianças e adolescentes.

Palavras-chave: educação, crianças, adolescentes

 

Abstract: Educating children is not an easy task and many parents may have a lot of questions about the best educational strategies. This theoretical study aims at deepening the knowledge about parental educational practices as risk-factors or protection to the development of children based on a non-systematic literature review on parental educational strategies. Furthermore, it proposes an intervention program with parents. It was observed that many parenting strategies used can endanger their children’s development. On the other hand, other strategies are associated with positive effects to them, being considered as protective factors. Thus, this paper proposes the elaboration of an intervention program with parents about more positive educational practices. Training families and health and education professionals on parenthood practices is extremely important for prevention and health promotion of children and adolescents.

Key words: education, children, adolescents

 

1 Universidade Federal de Santa Maria. Psicóloga, Especialista em criança e adolescente em situação de risco (UNIFRA), Mestre em Psicologia pela UFSM. E-mail: naipatias@hotmail.com
2 Doutora em Psicologia (UFRGS), docente do Programa de Pós-graduação em Psicologia (UFSM). E-mail: alinecsiq@gmail.com
3 Doutora em Psicologia (USP), docente do Programa de Pós-graduação em Psicologia (UFSM). E-mail: anacristinagarciadias@gmail.com

 

Literatura Citada

Alvarenga, P., & Piccinini, C. (2007). O impacto do temperamento infantil, da responsividade e das práticas educativas maternas nos problemas de externalização e na competência social da criança. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(2), 314-23. doi

Araújo, M. F. (2002). Violência e abuso sexual na família. Psicologia em Estudo, 7(2), 3-11. doi

Baumrind, D. (1997). The discipline encounter: contemporary issues. Agression and Violent Behavior, 2(4), 321-35. doi

Bee, H. (1996). Desenvolvimento da personalidade: visões alternativas. In H. Bee. A criança em desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bee, H. (1997). Desenvolvimento social e da personalidade na infância. In H. Bee. O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas.

Bem, L., & Wagner, A. (2006). Reflexões sobre a construção da parentalidade e o uso de estratégias educativas em famílias de baixo nível socioeconômico. Psicologia em Estudo, 11(1), 63-71. doi

Bolsoni-Silva, A., & Marturano, E. (2002). Práticas educativas e problemas de comportamento: uma análise à luz das habilidades sociais. Estudos de Psicologia, 7(2), 227-35. doi

Bolsoni-Silva, A., & Marturano, E. (2007). A qualidade da interação positiva e da consistência parental na sua relação com problemas de comportamentos de pré-escolares. Revista Interamericana de Psicologia/Journal of Psychology, 41(3), 349-58.

Braz, M. P., Dessen, M. A., & Silva, N. L. P. (2005). Relações conjugais e parentais: uma comparação entre famílias de classes sociais baixa e média. Psicologia: Reflexão e crítica, 18(2), 151-61. doi

Brody, G. (2004). Sibling´s direct and indirect contributions to child development current direction. Psychological Sciences, 13(3), 124-26.

Caminha, R. (2000). A violência e seus danos à criança e ao adolescente. In Amencar, Violência doméstica (pp. 43-60). Brasília: UNICEF.

Cecconello, A., De Antoni, C., & Koller, S. (2003). Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, 8(Esp), 45-54. doi

Costa, A. E. (2008). Modelação. In A. Bandura, R. Azzi, & S. Polydoto. Teoria social cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed.

Gomide, P. (2006). Inventário de estilos parentais – IEP: modelo teórico, manual de aplicação, apuração e interpretação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gomide, P. (2008). Pais presentes, pais ausentes: regras e limites. 8 ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Gomide, P., & Guimarães, A. (não publicado). Efeitos das práticas educativas sobre o comportamento anti-social em crianças e adolescentes. Relatório de pesquisa PIBIC/CNPq Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Gomide, P., Salvo, C.; Pinheiro, D., & Sabbag, G. (2005). Correlação entre práticas educativas, depressão, estresse e habilidades sociais. Psico-USF, 10(2), 169-78. doi

Hoffman, M. (1960). Power assertion by the parent and its impact on the child. Child Development, 31, 129-43. https:/doi.org/10.2307/1126389

Hoffman, M. (1975a). Moral, internalization, parental power, and the nature of parent-child interaction. Developmental Psychology, 11(2), 228-39. doi

Hoffman, M. (1975b). Discipline and internalization. Developmental Psychology, 30(1), 26-8. doi

Hutz, C. (2005). Violência e risco na infância e adolescência: pesquisa e intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kaloustian S.M., & Ferrari, M. (1994). Introdução. In S.M. Kaloustian (org.).Família brasileira, a base de tudo. Ed. Cortez-Unicef, São Paulo-Brasília. (pp. 11-15).

Kobarg, A. P., Sachetti, V., & Vieira, M. (2006). Valores e crenças parentais: reflexões teóricas. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(2), 96-102.

Kobarg, A. P., & Vieira, M. (2008). Crenças e práticas de mães sobre o desenvolvimento infantil nos contextos rural e urbano. Psicologia: Reflexão e crítica, 21(3), 401-08. doi

Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990. (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União. Retirado de http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/785/estatuto_crianca_adolescente_7ed.pdf, em 11 de março de 2013.

Levandowski, D. C., Piccinini, C. A., & Lopes, R. C. S. (2008). Maternidade adolescente. Estudos de Psicologia (Campinas), 25, 251-263. doi

Maccoby, E. & Martin, J. (1983). Socialization in the context of the family: Parent-child interaction. Em E. M. Hetherington (Org.), P. H. Mussen (Org. Série), Handbook of child psychology: Vol. 4. Socialization, personality, and social development (4a ed., pp. 1-101). New York: Wiley.

Maldonado, D., & Williams, L. (2005). O comportamento agressivo de crianças do sexo masculino na escola e sua relação com a violência doméstica. Psicologia em Estudo, 10(3), 353-62. doi

Martins, G. (2009). Influência do apoio social sobre crenças e práticas maternas em capitais e pequenas cidades brasileiras. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Miller, K. (2008). Educação infantil: como lidar com situações difíceis. Porto Alegre: ArtMed.

Montandon, C. (2005). As práticas educativas parentais e a experiência das crianças. Educação & Sociedade, 26(91), 485-507. doi

Morais, N. A. (2009). Trajetórias de vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social: entre o risco e a proteção. Porto Alegre - RS. Tese de doutorado. Programa de pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (p. 241).

Moreira, L., Biasoli-Alves, Z. (2006). A avaliação de mães sobre suas práticas de educação de filhos em dois contextos brasileiros. Ciência, cuidado e saúde, 5(2), 175-183.

Motta, D., Falcone, E., Clark, C., & Manhães, A. (2006). Práticas educativas positivas favorecem o desenvolvimento da empatia em crianças. Psicologia em estudo, 11(3), 523-532. doi

Oliveira, E., Marin, A., Pires, F., Frizzo, G., Ravanello, T., & Rossato, C. (2002). Estilos parentais autoritário e democrático-recíproco intergeracionais, conflito conjugal e comportamentos de externalização e internalização. Psicologia: reflexão e crítica, 15(1), 1-11. doi

Pacheco, J., & Hutz, C. (2009). Variáveis familiares preditoras do comportamento anti-social em adolescentes autores de atos infracionais. Psicologia: Teoria e Pesquisa,25(2), 213-219. https:/doi.org/10.1590/s0102-37722009000200009

Patias, N. D., Siqueira, A. C., & Dias, A. C. G. (2012). Bater não educa ninguém! Práticas educativas parentais coercitivas e suas repercussões no contexto escolar. Educação e Pesquisa, 38(4). doi

Pinheiro, M., Haase, V., Del Prette, A., Amarante, C., & Del Prette, Z. (2006). Treinamento de habilidades sociais educativas para pais de crianças com problemas de comportamento. Psicologia: reflexão e crítica, 19(3), 407-414. doi

Projeto de lei da palmada. Lei nº 7676/2010. (2010). Retirado de http://www.fia.rj.gov.br/legislacao/leidapalmada.pdf, acesso em 11 de março de 2013.

Reppold, C., Pacheco, J., Bardagi, M., & Hutz, C. (2002). Prevenção de problemas de comportamento e o desenvolvimento de competências psicossociais em crianças e adolescentes: uma análise das práticas educativas e dos estilos parentais. In C. Hutz (Org.). Situações de risco e vulnerabilidade na infância e adolescência: aspectos teóricos e estratégias de intervenção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Reppold, C., Pacheco, J. & Hutz, C. (2005). Comportamento agressivo e práticas disciplinares parentais. In C. Hutz. Violência e risco na infância e adolescência: pesquisa e intervenção. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Rosenberg, B., & Hyde, J. (1993). Differential socialization of only and first-children. Paper presented at Society for research in Child Development meeting. New Orleans, Louisiana, March.

Rutter, M. (1985). Resilience in the face of adversity: protective factors and resistance to psychiatric disorder. British Journal of Psychiatry, 147, 598-611. doi

Rutter, M. (1987). Psychosocial resilience and protective mechanisms. American Journal Orthopsychiatry, 57, 316-331. doi

Rutter, M. (1996). Psychosocial resilience and protective mechanisms. In J. Rolf et al. (Eds.). Risk and protective factors in the development of psychopathology. New York: Cambridge University Press, (p. 181-214).

Salvo, C., Silvares, E., & Toni, P. (2005). Práticas educativas como forma de predição de problemas de comportamento e competência social. Estudos de Psicologia, 22(2),187-195. doi

Sampaio, I. (2007). Práticas educativas parentais, gênero e ordem de nascimento dos filhos: atualização. Revista Brasileira Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(2), 44-152.

Shaffer, D. R. (2005). Psicologia do desenvolvimento: infância e adolescência. Tradução da 6ª edição norte-americana Cíntia Regina Pemberton Cancissu. São Paulo: Pioneira.

Szelbracikowsi, A., & Dessen, M. (2007). Problemas de comportamento exteriorizado e as relações familiares: revisão de literatura. Psicologia em estudo, 12(1), 33-40.

Taquette, Sr. R., & Vilhena, M. M. de (2008). Uma contribuição ao entendimento da iniciação sexual feminina na adolescência. Psicologia em Estudo, Maringá, 13(1), 105-114. doi

Teixeira, M., Bardagi, M., & Gomes, W. (2004). Refinamento de um instrumento para avaliar responsividade e exigência parental percebidas na adolescência. Avaliação Psicológica 3(1), 1-12.

Vilhena, J., Zamora, M., Novaes, J., & Moreira, A. (2009). O sentido dos atos destrutivos dos adolescentes: entendendo os jovens em conflito com a lei. In S. Souza, I., Rizzini, & M. Neumann (Orgs.). O social em questão, Rio de Janeiro: PUC-Rio.

Weber, L., Viezzer, A., Brandenburg, O. & Zocche, C. (2002). Famílias que maltratam: uma tentativa de socialização pela violência. Psico-USP, 7(2), 163-173.

Weber, L. (2007). Eduque com carinho: equilíbrio entre amor e limites. 2ª ed. Revista e atualizada. Curitiba: Juruá.

Weber, L., Prado, P., Viezzer, A., & Brandenburg, O. (2004) Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), 323-331. doi

Weber, L., Selig, G., Bernardi, M., Salvador, A. (2006). Continuidade dos estilos parentais através das gerações – transmissão intergeracional de estilos parentais. Paidéia, 16(35), 407-414. https:/doi.org/10.1590/S0103-863X2006000300011

Weber, L., Viezzer, A., & Brandenburg, O. (2003). A relação entre o estilo parental e o otimismo da criança. Psico-USP, 8(1), 71-79.

Weber, L., Viezzer, A., Brandenburg, O. (2004). O uso de palmadas e surras como prática educativa. Estudos de Psicologia, 9(2), 227-237.Williams, L. (2003). Sobre deficiência e violência: reflexões para uma análise de revisão de área. Revista Brasileira de Educação Especial, 9(2), 141-154. doi