Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliação de Estresse no Ambiente de Trabalho de Um Grupo de Estudantes de Enfermagem

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v21n1p41-47

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Heitor F. P. Cozza1, Judith C. G. Nogueira2, Juliana F. Cecato3, José M. Montiel4 & Daniel Bartholomeu5

 

Resumo: O estresse no ambiente de trabalho tem sido estudado frequentemente por diversos autores e apresentam diversas alterações corporais em indivíduos relativamente estressados. O principal fator de geração deste estresse é a rotina no ambiente de trabalho. O objetivo deste estudo foi comparar os sintomas de estresse e sua fase entre enfermeiros e outros trabalhadores avaliados no Inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL) (Lipp, 2000). Os participantes desta pesquisa foram 15 estudantes de enfermagem, de ambos os sexos. Os resultados apontaram que, dentre os 15 participantes, 13 demonstraram um fator de estresse físico maior que o psicológico, sendo que 10 participantes encontravam-se na fase mais negativa, que é a de exaustão, sendo esta considerada um momento de desequilíbrio interno muito grande. A fase de exaustão e os sintomas físicos de estresse foram mais evidentes nos enfermeiros comparados com outros profissionais. Novos estudos devem avaliar situações e reações ao estresse em uma amostra maior de participantes e contextos envolvidos na equipe de enfermagem.

Palavras-chave: avaliação psicológica, saúde mental, psicodiagnóstico, enfermeiros

 

Abstract: Stress in the workplace has often been studied by several authors and it manifests in several body changes in relatively stressed people. Routine in the workplace is the main factor in the production of stress. The aim of this study was to compare the stress symptoms and its phases nurses and other workers assessed by the Lipp’s Inventory of Stress Symptoms for Adults (LISS) (Lipp, 2000). Fifteeen nursing students of both sexes took part in this study. The results showed that among the 15 participants, 13 showed more physical stress than psychological stress, 10 of them being in a more negative exhaustion stage, which is considered a moment of intense internal imbalance. The exhaustion stage and the physical stress symptoms were more evident in nurses compared to other professionals. Further studies should assess situations and reactions to stress in a larger sample of workers and contexts involved in the nursing team.

Key words: psychological assessment, mental health, psychodiagnosis, nurses

 

1 Anhanguera Educacional. Email: heitorcozza@hotmail.com
2 Anhanguera Educacional. Email: julicecato@yahoo.com.br
3 Faculdade de Medicina de Jundiaí. Psicóloga, Bióloga pela Universidade São Francisco. Mestrado em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina de Jundiaí, e Pós Graduanda em Psicopedagogia pela Anhanguera Educacional. Email: cecatojuliana@hotmail.com
4 Centro Universitário FIEO. Email: montieljm@hotmail.com
5 Centro Universitário Salesiano – Americana. Email: d_bartholomeu@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

Avellar, L. Z., Iglesias, A. & Valverde, P. F. (2007). Sofrimento psíquico em trabalhadores de enfermagem de uma unidade de oncologia. Psicologia em Estudo, Maringá, 12(3), 475-81. doi

Baker, D. B. & Karasek, R. A. (2000). Stress. In: Levy, B. S.; Wegman, D. H., ed. Occupational health: recognizing and prevening work related disease and injury. Philadelphia, Lippincott Williams & Wilkins, p. 419 - 436.

Batista, K. M. & Bianchi, E. R. F. (2006). Estresse do enfermeiro em unidade de emergência. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(4), 534-39. doi

Carvalhal, M. & Chamusca, M. (set. 2008). Gestalt das organizações: a percepção da imagem institucional influenciando na relação organização-pública em uma análise comparativa de dois bairros de Salvador/Bahia com realidades antagônicas. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 31. Natal, RN.

Elias, M. A. & Navarro, V. L. (2006). A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 14(4), 517-25. doi

Fernandes, D. H. & Heck, R. M. (2009). Reflexões acerca do estresse ocupacional: buscando aproximações na enfermagem. Enfermagem hoje: coragem de experimentar muitos modos de ser. 56. Congresso Brasileiro de Enfermagem, Gramado (RS), 24 a 29 de outubro de 2004. Disponível em: <http://www.bstorm.com.br/enfermagem/mcor.php>.

Ferrareze, M. V. G., Ferreira, V. & Carvalho, A. M. P. (2006). Percepção do estresse entre enfermeiros que atuam em Terapia Intensiva. Acta Paulista de Enfermagem, 19(3), 310-15. doi

Ferreira, L. R. C. (2006). Stress no cotidiano da equipe de enfermagem e sua correlação com o cronótipo. Dissertação (mestrado). Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Estadual de Campinas.

França, A. C. L. & Rodrigues, A. L. (1997). Stress e trabalho. São Paulo: Atlas.

Gomes Filho, J. (2003). Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. 5. ed. São Paulo: Escrituras.

Lipp, M. E. N. (2000). Manual do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lipp, M. E. N. & Tanganelli, M. S. (2002). Stress e qualidade de vida em magistrados da justiça do trabalho: diferenças entre homens e mulheres. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(3) 537-48. doi

Mazon, V., Carlotto, M. S. & Câmara, S. G. (2008). Síndrome de Burnout e estratégias de enfrentamento em professores. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(1), 55-66.

Murofuse, N. T., Abranches, S. S. & Napoleão, A. M. A. (2005). Reflexões sobre estresse e Burnout e a relação com a enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13(2), 255-61. doi

Pafaro, R. C. & De Martino, M. M. F. (2004). Estudo do estresse do enfermeiro com dupla jornada de trabalho em um hospital de oncologia pediátrica de Campinas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 38(2), 152-60. doi

Paschoal, T. & Tamayo, A. (2004). Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia, 9(1), 45-52. doi

Potter, P., & Perry, A. G. (1999). Grande tratado de enfermagem prática: clínica e prática hospitalar. 3. ed. São Paulo: Santos.

Sternberg, R. J. (2000). Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artmed.

Trochim, W. M. (2006). The Research Methods Knowledge Base. 2nd Edition. Atomic Dog Publishing, Cincinnati, OH.