Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Câncer Infantil: O Médico Diante de Notícias Difíceis – Uma Contribuição da Psicanálise

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v21n1p49-54

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Milena D. de Almeida1 & Ana P. A. L. Santos2

 

Resumo: O câncer infantil é considerado uma doença crônica associada a sofrimento e possibilidade de morte. Nesse contexto, sabe-se que a comunicação é uma das principais mediadoras do cuidado em oncologia. Comunicar notícias é algo além da mera transmissão de informações, sendo considerada uma das atividades mais delicadas da prática clínica do profissional de saúde. Diante disso, este trabalho tem o objetivo de discutir o câncer infantil e os aspectos relacionados às emoções envolvidas diante da comunicação de notícias, principalmente as más notícias, decorrentes do diagnóstico e tratamento realizado, utilizando contribuições oriundas da psicanálise. O trauma e a angústia decorrentes de situações inesperadas e difíceis podem acarretar sentimentos de impotência e desamparo, promovendo sofrimento, atitudes passivas ou fuga. Nesse sentido, os médicos, sensíveis a isso, podem adotar atitudes que minimizem tais sentimentos. Este artigo reflete ainda sobre algumas dificuldades enfrentadas pelos médicos quando se deparam com um diagnóstico grave ou um prognóstico ruim. Para além da comunicação da notícia, discute-se sobre o momento em que o profissional descobre a notícia: O que passa pela cabeça deste profissional? Quais expectativas ele lança para o paciente? Atualmente a comunicação é considerada um dispositivo fundamental no alcance de metas terapêuticas e formação do vínculo da tríade paciente, família e equipe de saúde.

Palavras-chave: câncer infantil, notícias difíceis, psicanálise

 

Abstract: Childhood cancer is considered a chronic disease associated with suffering and possible death. In this context, it is known that communication is one of the major mediators in the oncology care. Reporting news is something beyond the mere transmission of information, being considered one of the health professional’s most delicate aspects in this/her clinical practice. Therefore, this paper aims at discussing childhood cancer and the aspects related to the emotions involved with the communication of news, especially bad ones, resulting from the diagnosis and treatment, using contributions originating from Psychoanalysis. The trauma and anguish due to unexpected and difficult situations can lead to feelings of powerlessness and abandonment, causing suffering, passive attitudes or escape. In this sense, doctors can adopt attitudes that minimize such feelings. This article also reflects on some of the difficulties faced by doctors when they have to deal with a serious diagnosis or a poor prognosis. Beyond the communication of news, we discuss the moment when the professional finds out the news: What goes through this professional’s mind? What expectations does he pass on to the patient? Currently, communication is considered a key device in achieving therapeutic goals and developing the bond between patient, family, and medical team.

Key words: childhood cancer, difficult news, psychoanalysis

 

1 Doutoranda em Psicologia Clínica pelo IP/USP. Email: mildoreal@msn.com
2 Mestre em Psicologia Clínica pelo IP/USP. Psicóloga da VITTA – Centro de Oncologia, em Aracaju, SE. Email: anaalvespsi@hotmail.com

 

Literatura Citada

Brun, D. (1996) A criança dada por morta: riscos psíquicos da cura. (J. Neto, J. Souza e M. Werneck, trads.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dolto, F. (1971). Psicanálise e Pediatria: as grandes noções da psicanálise: dezesseis observações de crianças. (3a ed., A. Cabral, trad.). Rio de Janeiro: Guanabara.

Freud, S. (1996). Luto e melancolia. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (J. Salomão, trad., Vol. 14, pp. 245-263). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1915-1917)

Holland, Jimmie (2002) History of psycho-oncology: overcoming atitudinal and conceptual barriers. Psychosomatic Medicine, (64), 206-221. doi

INCA - Instituto Nacional do Câncer (n.d.). Particularidades do câncer infantil. Recuperado em 12 de julho de 2008 de http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=343.

INCA - Instituto Nacional do Câncer (2008). Câncer da criança e do adolescente no Brasil: dados dos registros de base populacional e de mortalidade. Recuperado em 17 de maio de 2010 de http://www1.inca.gov.br/tumores_infantis/pdf/livro_tumores_infantis_0904.pdf.

INCA - Instituto Nacional do Câncer (2009, novembro). Oncologia no SUS: os caminhos do financiamento. Rede Câncer, (9). Recuperado em 24 de agosto de 2010 de http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/0a8c5200420c112aa7c8a7ce655ae979/29_politica.pdf?MOD=AJPERES.

Mannoni, M. (1995). Amor, ódio, separação: o reencontro com a linguagem esquecida da infância (V. Ribeiro, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Ministério da Saúde do Brasil (2009a). Diagnóstico precoce do câncer na criança e no adolescente. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Câncer & Instituto Ronald McDonald. Recuperado em 29 de outubro, 2009 de http://www.inca.gov.br/inca/Arquivos/publicacoes/livro_ronald_internet.pdf.

Ministério da Saúde do Brasil (2009b). Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Câncer. Recuperado em 07 de junho de 2010 de http://www1.inca.gov.br/estimativa/2010/estimativa20091201.pdf.

Pinto, L. F. (1996). As crianças do vale da morte – reflexões sobre a criança terminal. Jornal de Pediatria, 72(5), 287-294. doi

Rosa, M., Berta, S., Alencar, S. & Carignato, T. (2008) A elaboração coletiva do trauma: a clínica do traumático. Segundo Colóquio de Escrita e Psicanálise, Rio de Janeiro.

Rosa, M., Berta, S., Carignato, T. e Alencar, S. (2009, september). A condição errante do desejo: os imigrantes, migrantes, refugiados e a prática psicanalítica clínico-política. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(3). Recuperado em 24 de agosto de 2010, de http://www.scielo.br/pdf/rlpf/v12n3/v12n3a06.pdf.