crosscheckdeposited

Compartilhamento do Diagnóstico do HIV/AIDS: Um Estudo com Mulheres

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v21n2p1-11

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Camila dos S. Gonçalves1, Beatriz T. Weber2 & Adriane Roso3

 

Resumo: Este artigo é fruto de pesquisa empírica cujo objetivo foi conhecer como mulheres HIV-positivo vivem seu cotidiano após o diagnóstico. Intencionamos assinalar alguns dos aspectos relativos à descoberta de estar soropositivo, bem como de aspectos referentes ao compartilhamento da soropositividade. Realizou-se pesquisa qualitativa, recorrendo a entrevistas semiestruturadas com mulheres usuárias de um Centro de Testagem e Aconselhamento em DST/Aids. Com base na perspectiva da psicologia social crítica e das produções de autores cujo foco é a história da saúde, procedemos à análise de conteúdo. As categorias de análise elencadas foram: a) descobrindo a soropositividade; b) compartilhar ou não compartilhar; e c) a relação do casal depois do diagnóstico. O estudo confirma o desafio de compartilhar, ou não, a sorologia. Também salienta o preconceito ainda persistente no espaço de trabalho e acentua a importância dos serviços de saúde públicos de referência de HIV/aids no enfrentamento da epidemia.

Palavras-chave: psicologia social, promoção da saúde, HIV/Aids, mulheres

 

Abstract: This article derives from an empirical research, whose aim was to understand how HIV-positive women live their daily lives after diagnosis. We intend to signal some of the aspects of becoming aware of being seropositive as well aspects of disclosure. We conducted a qualitative research design using semi-structured interviews with women attending a Center for STD/AIDS Counseling and Testing. Based on the perspective of Critical Social Psychology and on the productions of authors whose focus is on the History of Health, we proceeded with content analysis. The analysis categories listed were: (a) Discovering seropositivity (b) Sharing or not sharing, and (c) The relationship of the couple after the diagnosis. The study confirms the challenge of sharing or not the serology. It also emphasises the persistent bias at the workplace and stresses the importance of STD/AIDS public health services.

Key words: social psychology, health promotion, HIV/Aids, women

 

1 Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Docente do Curso de Psicologia na Universidade Franciscana - Unifra. Contato: camilapsico@hotmail.com
2 Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Professora do Programa de Pós graduação em História da UFSM. Contato:beatriztweber@gmail.com
3 Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica - PUC-RS. Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Contato: adrianeroso@gmail.com

 

Literatura Citada

Abdalla, F. T. de M. & Nichiata, Lúcia Y. I. (2008). A abertura da privacidade e o sigilo das informações sobre o HIV/Aids das mulheres atendidas pelo Programa Saúde da Família no município de São Paulo, Brasil. Saúde e Sociedade, 17(2), 140-152. doi

Ayres, J. R. C. M., França Júnior, I., Calazans, G. J., & Saletti Filho, H. C. (2003). O Conceito de Vulnerabilidade e as Práticas de Saúde: novas perspectivas e desafios. In D. Czeresnia & C. M. Freitas. Promoção de saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp.117-140). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Aggleton, P., Wood, K., Malcolm, A. & Parker, R. (2005). UNAIDS. HIV - Related Stigma, Discrimination and Human Rights Violations. Case studies of successful programmes. Geneva: Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS), Apr. 2005. (UnAids Best Practice Collection). Recuperado em 16 de março de 2013 de http://data.unAids.org/publications/irc-pub06/jc999-humrightsviol_en.pdf.

Almeida, M. R. C. B. (2004). A trajetória silenciosa de pessoas portadoras do HIV contada pela História Oral. Dissertação de Mestrado, Setor de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Recuperado em 16 de março de 2013 de http://www.ppgenf.ufpr.br/Disserta%C3%A7%C3%A3oAlmeida.pdf.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1977).

Bauer, M. W. & Aarts, B. (2008). A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In M. W. Bauer & G. Gaskell. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (P. A. Guareschi, trad.). (7ª ed., pp. 39-63). Petrópolis: Vozes.

Botti, M. L., Waidman, M. A. P., Marcon, S. S. & Scochi, M. J. (2009). Conflitos e sentimentos de mulheres portadoras de HIV/Aids: um estudo bibliográfico. Revista da Escola de Enfermagem USP, 43(1), 79-86. doi

Brasil. (1996). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução 196. Brasília: CNS.

Brasil (2009). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológico. 2008-2009.

Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 16 de março de 2013 de http://www.aids.gov.br.

Brasil (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. (3ª ed.). Brasília: Ministério da Saúde.

Brito, A. M. (2006). A evolução e distribuição social da doença no Brasil. Com Ciência. Recuperado em 13 de março de 2013 de http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=13&id=116.

Brunetti, G. (2009). Aids e morte. In F. S. Santos (Org.). A arte de morrer: visões plurais, (Vol. 2, pp. 92-101). Bragança Paulista: Comenius.

Cardoso, A. L., Marcon, S. S. & Waidmanill, M. A. P. (2008). O impacto da descoberta da sorologia positiva do portador de Hiv/Aids e sua família. Revista de Enfermagem da UERJ, 16(3), 326-332. Recuperado em 16 de março de 2013 de http://www.facenf.uerj.br/v16n3/v16n3a05.pdf.

Carvalho, F. T. & Piccinini, C. A.(2008). Aspectos históricos do feminino e do maternal e a infecção pelo HIV em mulheres. Ciência e Saúde Coletiva, 13(6), 1889-1898. doi

Cechim, P. L.& Selli, L. (2007). Mulheres com HIV/AIDS: fragmentos de sua face oculta. Revista Brasileira de Enfermagem, 60(2), 145-149. doi

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Galano, E. (2009). O uso do “Kit Revelação Diagnóstica” no trabalho com crianças e jovens portadores de HIV/Aids . Práticas em Psicologia e Políticas Públicas, 1, 3-29, Brasília: Centro de Referência Técnica em Políticas Públicas (Crepop)/Conselho Federal de Psicologia (CFP).

Gaskell, G. (2008). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer & G. Gaskell. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (Guareschi, P. A., trad.). (7ª ed., pp. 64-89). Petrópolis: Vozes.

Giacomozzi, A. I. & Camargo, B. V. (2004). Eu confio no meu marido: estudo da representação social de mulher com parceiro fixo sobre prevenção da AIDS. Psicologia: Teoria e Prática, 6(1), 31-44.

Guareschi, P. A. (2009). Psicologia social crítica: como prática de libertação. (4ª ed.). Porto Alegre: Edipucrs.

Guerriero, I., Ayres, J. R. C. M. & Hearst, N. (2002). Masculinidade e vulnerabilidade ao HIV de homens heterossexuais. Revista de Saúde Pública, São Paulo, 36(4), 50-60. doi

Guimarães, C. D. (1992). O comunicante, a comunicada: a transmissão sexual do HIV. In V. Paiva. Em tempos de AIDS: sexo seguro, prevenção, drogas, adolescentes, mulheres, apoio psicológico aos portadores. (pp. 147-157). São Paulo: Summus.

Guimarães, C. D. (2001). Aids no feminino: por que cada dia mais mulheres contraem Aids no Brasil? Rio de Janeiro: UFRJ.

Japiassu, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

Joffe, H. (1995). Social representations of AIDS: towards encompassing issues of power. Papers on Social Representations, 4(1), 29-40. Recuperado em 20 de fevereiro de 2013 de http://eprints.lse.ac.uk/24974/1/Social_representations_of_AIDS-towards_encompassing_issues_of_power_(LSERO).pdf.

Lages, M. N. (2007). Vulnerabilidade feminina em tempos de Aids. In C. C. Paula, S. M. M. Padoin & D. Schaurich. (Orgs.). Aids: o que ainda há para ser dito? (pp. 143-156). Santa Maria: UFSM.

Machado, A. G., Padoin, S. M. M., Paula, C. C., Vieira, L. B. & Carmo, D. R. P. (2010). Análise compreensiva dos significados de estar gestante e ter Hiv/Aids. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 11(2), 79-85.

Marková, I. (2006). Dialogicidade e representações sociais: as dinâmicas da mente. Petrópolis: Vozes.

Marques, S. C., Tyrrell, M. A. R. & Oliveira, D. C. (2007). Política de saúde da mulher frente à feminização da Aids. In C. C. Paula, S. M. M Padoin, D. Schaurich. Aids: o que ainda há para ser dito? (pp. 97-110). Santa Maria: UFSM.

Mendonça, L. S. C. (2009). Histórias de enfrentamentos: as portadoras da infecção pelo HIV/AIDS em Pelotas (RS). Dissertação de Mestrado, Instituto de Sociologia e Política, Universidade Federal de Pelotas. Pelotas, Rio Grande do Sul. Recuperado em 13 de dezembro de 2009 de http://www.ufpel.edu.br/isp/ppgcs/downloads/liana.pdf.

Minayo, M. C. S. (2008). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes.

Nascimento, V. L. V. (2009). AIDS e direitos humanos. Curitiba: Juruá.

Neves, R. L. R. M., Moraes, L. T., Mendes, P. M. S., Souza, M. C. P. & Santos, A. C. G. E. (2010). Sentimentos vivenciados por mulheres infectadas pelo HIV por meio do parceiro fixo. Revista Interdisciplinar Novafapi, 3(3), 26-32. Recuperado em 12 de novembro de 2013 de http://www.novafapi.com.br/sistemas/revistainterdisciplinar/v3n3/pesquisa/p4_v3n3.pdf

ONU. Organização das Nações Unidas. (n.d). Recomendação sobre o HIV e a Aids e o mundo do trabalho. Versão traduzida feita pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde e pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Recuperado em 05 de dezembro de 2013 de http://www.oitbrasil.org.br/content/recomenda%C3%A7%C3%A3o-sobre-o-hiv-e-Aids-e-o-mundo-do-trabalho.

Paulilo, M. A. S. (1999). AIDS: os sentidos do risco. São Paulo: Veras.

Pereira, M. H. G. G. & Costa, F. (2006). O autocuidado em mulheres portadoras de HIV/AIDS. Psicologia, Saúde & Doenças, 7(2), 255-269.

Praça, N. S. & Gualda, D. M. R. (2001). Percepção de risco para HIV/AIDS de mulheres faveladas segundo o modelo de crenças em saúde. Revista da Escola de Enfermagem USP, 35(1), 54-59. doi

Rabuske, M. M. (2009). Comunicação de diagnóstico de soropositividade para o HIV e de Aids para adolescentes e adultos: implicações psicológicas e repercussões nas relações familiares e sociais. Tese de Doutorado, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina.

Reis, C. T., Czeresnia, D., Barcellos, C. & Tassinari, W. S. (2008). A interiorização da epidemia de HIV/AIDS e o fluxo intermunicipal de internação hospitalar na Zona da Mata, Minas Gerais, Brasil: uma análise espacial. Cadernos de Saúde Pública, 24(6), 1219-1228. doi

Roso, A. (2000). Ideologia e relações de gênero: um estudo de recepção das propagandas de prevenção da AIDS. Cadernos de Saúde Pública, 16(2), 385-397. doi

Roso, A. (2007). Os úteros bem-vindos e os úteros excluídos: análise dos discursos de profissionais da saúde sobre transmissão vertical do HIV-1 em Porto Alegre, Brasil. Revista Educação Profissional: Ciência e Tecnologia, 2(1), 101-114. Recuperado em 16 de agosto de 2010 de http://www.epsjv.fiocruz.br/beb/periodicos/mfn10596.

Roso, A. (2009). Narrativas de sofrimento e vitória: transmissão vertical do HIV-1 em Porto Alegre, Brasil. Pensamento Plural, (4), 155-180. Recuperado em 16 de agosto de 2010 de http://pensamentoplural.ufpel.edu.br/edicoes/04/07.pdf.

Roso, A. & Bueno, S. N. (1998). Confie desconfiando: uma proposta de redução de danos entre casais com risco de contrair HIV. Psico, 29(2), 155-164.

Roso, A. & Parker, R. (2002). Psicologia e a construção social da sexualidade: uma revisão dos conceitos de poder nos escritos de Foucault, Weeks e Rubin. Psico, 33(2), 327-342.

Santos, E. M. (1996). AIDS e mulher: desafios para definições de políticas de intervenção. In R. Parker & J. Galvão (Orgs.). Quebrando o silêncio: mulheres e AIDS no Brasil. (pp. 80-87). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Santos, N. A. (2007). Vulnerabilidade de mulheres interioranas soropositivas à infecção pelo HIV/AIDS. Dissertação de Mestrado, Escola de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia.

Silva, C. G. M. da. (2002). O significado de fidelidade e as estratégias para prevenção da Aids entre homens casados. Revista de Saúde Pública, 36(4), 40-49. doi

Silva, N. E. K., Alvarenga, S. A. T. & Ayres, J. R. C. M. (2006). Aids e gravidez: os sentidos do risco e o desafio do cuidado. Revista de Saúde Pública, 40(3), 474-481. doi

Spink, M. J. (2003). Psicologia social e saúde. Práticas, saberes e sentidos. Petrópolis: Vozes.

Villela, W. (2007). Gênero e práticas de saúde: o caso da Aids entre as mulheres. In C. C. Paula, S. M. M. Padoin & D. Schaurich. Aids: o que ainda há para ser dito? (pp. 111-125). Santa Maria, Ed. UFSM.