Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Psicoterapia e Psicoterapeuta: Representações de Uma Criança sob Suspeita de Sofrer Abuso Sexual

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v21n2p20-29

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/index 

downloadpdf

Rodrigo G. Polli1, Sabrina D. O. Savegnago2 & Dorian M. Arpini3

 

Resumo: O abuso sexual infantil é uma forma de violência que produz traumas profundos em suas vítimas, sendo, na maioria das vezes, dissimulado e silenciado. O presente estudo buscou compreender a forma como uma criança sob suspeita de sofrer abuso sexual percebe seu terapeuta e sua terapia. Participou do estudo uma menina com 5 anos de idade, em atendimento psicológico em uma instituição pública de saúde, que, durante o tratamento, apresentou indícios de uma possível situação de abuso sexual. Para tanto, utilizou-se a técnica do desenho-história. Os resultados mostram que a criança vivenciou a terapia como um espaço onde ela pôde trazer seu segredo. Tal revelação foi possível pela relação de confiança estabelecida entre criança e terapeuta. Salienta-se a importância do sigilo e a capacidade do terapeuta de ter “olhos para enxergar e ouvidos para escutar” o que a criança traz no atendimento.

Palavras-chave: infância, abuso sexual, psicoterapia da criança

 

Abstract: Child sexual abuse is a form of violence that produces deep traumas on its victims, since it is, most of the times, disguised and silenced. The following study aimed at understanding how a child under suspicion of sexual abuse conceives his/her therapist and therapy. This is the case study of a five-year-old girl, assisted in a public health institution, who presented evidences that were consistent with a situation of sexual abuse. Drawing-story technique was used. Results highlight that the child experienced therapy as a place where she could disclose her secret. Such disclosure was enabled by the relationship of confidence established between the child and the therapist. The importance of secrecy is underlined, as well as the therapist’s ability “to see and listen” to what the child discloses during the session.

Key words: childhood, sexual abuse, child psychotherapy

 

1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Psicólogo. Doutorando pelo Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: ropsiufsm@gmail.com
2 Universidade Federal de Santa Maria. Psicóloga, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria.
3 Universidade Federal de Santa Maria. Professora Associada do Departamento de Psicologia e do PPG em Psicologia da Universidade Federal de Santa Maria. Docente e Preceptora da Residência Multiprofissional Integrada em Sistema Público de Saúde da UFSM

 

Literatura Citada

Alvin, P. (1997). Os adolescentes vítimas de abusos sexuais. In M. Gabel (Org.), Crianças vítimas de abuso sexual (pp. 72-81). São Paulo: Summus.

Araújo, M. F. (2002). Violência e abuso sexual na família. Psicologia em Estudo, 7, 3-11. doi

Arpini, D. M., Hermann, C., Forno, C. D. & Soares, A. C. (2010). A importância da escuta na revelação da violência contra a infância e a adolescência. Psicologia, Educação e Cultura, 14(1), 111-128.

Arpini, D. M., Siqueira, A. C. & Savegnago, S. D. O. (2012). Trauma psíquico e abuso sexual: o olhar de meninas em situação de vulnerabilidade. Psicologia Teoria e Prática, 14(2), 88-101.

Avellar, L. Z. (2004). Jogando na análise de crianças: intervir-interpretar na abordagem winnicottiana. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ávila, C. F., Tachibana, M. & Vaisberg, T. M. J. A. (2008). Qual é o lugar do aluno com deficiência? O imaginário coletivo de professores sobre a inclusão escolar. Paidéia, 18(39), 155-164. https:/doi.org/10.1590/S0103-863X2008000100014

Baía, P. A. D., Veloso, M. M. X., Magalhães, C. M. C., Dell’Aglio, D. D. (2013). Caracterização da revelação do abuso sexual de crianças e adolescentes: negação, retratação e fatores associados. Temas em Psicologia, 21(1), 193-202. doi

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barreto, M. A. & Vaisberg, T. M. J. A. (2007). Escolha profissional e dramática do viver adolescente. Psicologia e Sociedade, 19(1), 107-114. doi

Brisac, J. N. W., Perin, S. H. & Quayle, J. (2011). Representação da relação mãe-bebê através do procedimento desenho-história em gestantes adolescentes e tardias. Mudanças – Psicologia da Saúde, 19(1-2), 69-77. https:/doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v19n1-2p69-77

Costa, J. B., Mombelli, M. A. & Marcon, S. S. (2009). Avaliação do sofrimento psíquico da mãe acompanhante em alojamento conjunto pediátrico. Estudos de Psicologia, 26(3), 317-325. doi

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Dolto, F. (1984). Psicanálise e pediatria – as grandes noções da psicanálise – dezesseis observações de crianças (4ª ed.) (A. Cabral, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1971).

Dolto, F. (2004). Prefácio. In M. Mannoni, A primeira entrevista em psicanálise: um clássico da psicanálise (pp. 7-33) (R. C. Lacerda, Trad.). Rio de Janeiro: Elsevier. (Originalmente publicado em 1979).

Faleiros, E. T. S. (2003). O abuso sexual contra crianças e adolescentes: os descaminhos da denúncia. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos.

Ferenczi, S. (1992). Confusão de língua entre os adultos e a criança: a linguagem da ternura e da paixão. In Obras completas - Psicanálise (Vol. IV, pp. 97-106). São Paulo: Martins Fontes.

Freud, S. (1989). Três ensaios sobre a Teoria da Sexualidade. In Edição standard brasileira de obras completas de Sigmund Freud (Vol. 7, pp. 127-216). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1905).

Freud, S. (1989). A dinâmica da transferência. In Edição standard brasileira de obras completas de Sigmund Freud (Vol. 12, pp. 133-143). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1912).

Freud, S. (1989). Além do princípio do prazer. In Edição standard brasileira de obras completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 17-85). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1920).

Gabel, M. (1997). Algumas observações preliminares. In M. Gabel (Org.), Crianças vítimas de abuso sexual (pp. 9-13). São Paulo: Summus.

Gonçalves, H. S. (2005). Violência contra a criança e o adolescente. Em: G. Brandão & H. Gonçalves (Orgs.), Psicologia jurídica no Brasil (pp. 277-307). Rio de Janeiro: NAU.

Habigzang, L. F. Koller, S. H., Azevedo, G. A. & Machado, P. X. (2005). Abuso sexual infantil e dinâmica familiar: aspectos observados em processos jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(3), 341-348. doi

Klein, M. (1997). A psicanálise de crianças (L. P. Chaves, Trad.). In Obras completas de Melanie Klein (Vol. 2). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1975).

Lamour, M. (1997). Os abusos sexuais em crianças pequenas: sedução, culpa, segredo. In M. Gabel (Org.), Crianças vítimas de abuso sexual (pp. 43-61). São Paulo: Summus.

Laplanche, J. & Pontalis, J. (1979). Dicionário de psicoanalisis. Barcelona: Labor.

Marin, I. (2002). Violências. São Paulo: Escuta/Fapesp.

Pelisoli, C., Pires, J. P. M., Almeida, M. E. & Dell’ Aglio, D. D. (2010). Violência sexual contra crianças e adolescentes: dados de um serviço de referência. Temas em Psicologia, 18(1), 85-97.

Pfeiffer, L. & Salvagni, E. P. (2005). Visão atual do abuso sexual na infância e adolescência. Jornal de Pediatria, 81(5). doi

Polli, R. G. & Arpini, D. M. (2012). O olhar de meninos de grupos populares sobre a família. Estudos de Psicologia, 29(4), 531-540. doi

Pontes, M. L. S., Cabrera, J. C., Ferreira, M. C. & Vaisberg, T. M. J. A. (2008). Adoção e exclusão insidiosa: o imaginário de professores sobre a criança adotiva. Psicologia em Estudo, 13(3), 495-502. doi

Russo, R. C. T., Couto, T. H. A. M. & Vaisberg, T. M. J. A. (2009). O imaginário coletivo de estudantes de educação física sobre pessoas com deficiência. Psicologia e Sociedade, 21(2), 250-255. doi

Sandler, A. M. (2001). Sobre interpretação e holding na análise de crianças. In R. Grana & A. B. S. Piva (Orgs.), A atualidade da psicanálise de crianças: perspectivas para um novo século (pp. 65-73). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sigal, A. M. R. (2002). Psicanálise com crianças. A legitimidade de um campo. Os pais, o recalque e a circulação de significantes enigmáticos na condução da cura. In A. M. R. Sigal, O lugar dos pais na psicanálise de criança (pp. 27-43). São Paulo: Escuta.

Siqueira, A. C., Arpini, D. M. & Savegnago, S. D. O. (2011). Família e abuso sexual na perspectiva de adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Aletheia, 34, 109-122.

Trinca, W. & Tardivo, L. (2002). Desenvolvimentos do processo de desenhos-histórias (D-E). In J. A. Cunha (Org.), Psicodiagnóstico – V (pp. 428-438). Porto Alegre: Artmed.

Viaux, J. (1997). A perícia psicológica das crianças vítimas de abusos sexuais. In M. Gabel (Org.), Crianças vítimas de abuso sexual (pp. 121-131). São Paulo: Summus.

Winnicott, D. W. (1982). A criança e o seu mundo (6ª ed., A. Cabral, Trad.). Rio de Janeiro: LTC. (Originalmente publicado em 1957).

Winnicott, D. W. (2005). Tudo começa em casa (4ª ed., P. Sandler, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1986).