Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Sonolência Diurna Excessiva entre Acadêmicos de Psicologia

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v17n17p15-24

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/PINFOR/index 

downloadpdf

José C. Souza1, Bruno V. S. da Cunha2, Lucas R. C. Leite3, Mirna T. Figueiró4 & Karina O. de Andrade5

 

Resumo: A sonolência compreende um processo biológico de homeostase do organismo, que quando em excesso se configura em uma patologia. O objetivo deste trabalho consistiu avaliar a prevalência de sonolência diurna excessiva em acadêmicos do curso de psicologia de uma universidade. Foram entrevistados 286 estudantes e utilizou-se a Escala de Sonolência de Epworth (ESE) e um questionário sociodemográfico. A Escala de Sonolência de Epworth constitui valores do cotidiano que inclinem para algum tipo de sonolência, tal como estar sentado e lendo; vendo televisão; sentado em lugares públicos; andando uma hora sem parar; deitando-se para descansar à tarde, quando as circunstâncias permitem; sentado e conversando; sentado calmamente depois do almoço sem álcool; enquanto estiver dirigindo, quando parar por alguns minutos. Observou-se que 54,44% dos acadêmicos apresentaram sonolência diurna excessiva, sendo que apenas o fator idade teve significância (P = 0,004); quanto menor a idade, tanto maior tendência à sonolência. Outras variáveis como, turno frequentado, sexo, estado civil, ano de curso, nível de dependência e o fator trabalho não tiveram associação significativa.

Palavras-chave: sonolência diurna excessiva; universitários; Escala de Sonolência Epworth

 

Abstract: The sleepiness comprises a biologic process of homeostasis, that when in excess is configured in a pathology. The objective of this work consists to evaluate the prevalence of excessive daytime sleepiness in academics of psychology of a university. In this way 286 students. Utilizing the Epworth Sleepiness Scale (ESS) and a sociodemographic questionnaire. The Epworth Sleepiness Scale constitutes daily values of academics that inclinates to some kind of sleepiness, such as being sitting and reading; watching TV; sitting in a public place; lying down to rest in the afternoon when the circumstances permit; sitting and talking to someone; sitting quietly after a lunch without alcohol; in a car, while stopped for a few minutes in a traffic. It was observed that 54,44% of the students presented excessive daytime sleepiness, and only the age factor was significant (P = 0,004), how much lower the age, greater the tendency to sleepiness. Other variables such as shift frequented, gender, marital status, year of study, level of dependence and labor factor are not significantly associated with the ESS.

Key words: excessive daytime sleepiness, academics, Epworth Sleepiness Scale

 

1 Psiquiatra, Doutor em Saúde Mental pela UNICAMP, PhD da Faculdade Medicina de Lisboa e Professor da Unigran- Capital, Campo Grande, MS
2 Graduando em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Campo Grande, MS
3 Economista pela Universidade Estadual de Maringá e Mestre em Agronegócios da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS
4 Psicóloga, mestre em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Campo Grande, MS
5 Graduanda em Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Campo Grande, MS

 

Literatura Citada

BITTENCOURT, Lia Rita Azeredo et al. Sonolência excessiva. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 27, supl. 1, May 2005. doi

CARSKADON, M. A.; DEMENT, W. C. Monitoring and staging human sleep. In: KRYGER, M. H.; ROTH T.; DEMENT W. C. (Orgs.). Principles and practice of sleep medicine. 5. ed., St. Louis: Elsevier Saunders. 2011, p. 16-26. doi

CHELLAPPA, S. L. Sonolência excessiva diurna e depressão: causas, implicações clínicas e manejo terapêutico. Rev. Psiquiatria do Rio Grande Sul, Porto Alegre, v. 31, n. 3, supl. 2009. doi

DSM-IV-TR. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad. Cláudia Dornelles, 4. ed. rev., Porto Alegre: Artmed, 2002.

GANHITO, N. C. P. Distúrbios do Sono. 3. ed., São Paulo: Casa do psicólogo, 2001.

JOHNS, M. W. A new method for measuring daytime sleepiness: the Epworth sleepiness scale. Sleep, v. 14, n. 6, p. 540-5, 1991. https://doi.org/10.1093/sleep/14.6.540

PEREIRA, E. F.; TEIXEIRA, C. S.; LOUZADA, F. M.; Sonolência diurna excessiva em adolescentes: prevalência e fatores associados. Rev. Paul. Pediatr., São Paulo, v. 28, n. 1, p. 98-103, 2010 (a).

PEREIRA, E. F. et al. Percepção de qualidade do sono e da qualidade de vida de músicos de orquestra. Rev. Psiquiatr. Clín., São Paulo, v. 37, n. 2, 2010 b. Disponível em: http://www.hcnet.usp.br/ipq/revista/vol37/n2/48.htm. Acessado em: 8 mai. 2012.

ROCHA, M. C. P. da; MARTINO, M. M. F. de. O estresse e qualidade de sono do enfermeiro nos diferentes turnos hospitalares. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 280-286, jun. 2010.

RODRIGUES, R. N. D.; SILVA, A. A. Abreu e. Sonolência diurna excessiva pós-traumatismo de crânio: associação com movimentos periódicos de pernas e distúrbio de comportamento do sono REM: relato de caso. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, São Paulo , v. 60, n. 3a, set. 2002. doi

SOUZA, J. C.; MAGNA, L. A.; PAULA, T. H. Sonolência excessiva diurna e uso de hipnóticos em idosos. Rev. Psiq. Clín. v. 30, n. 3, p. 80-85, 2003.

SOUZA, J. C.; MAGNA, L. A.; REIMÃO, R. Excessive daytime sleepiness in Campo Grande general population, Brazil. Arquivos de Neuro-psiquiatria, v. 60, p. 558-62, 2002. doi

SOUZA, J. C.; PAIVA, T.; REIMAO, R. Sono, qualidade de vida e acidentes em caminhoneiros brasileiros e portugueses. Psicologia em estudo, Maringá, v. 13, n. 3, set. 2008. doi

SUKYS-CLAUDINO, L.; MORAES, W. A. S.; TUFIK, S.; POYARES, D. Novos sedativos hipnóticos. Rev. Brasileira Psiquiatria. São Paulo, v. 32, n. 3, set. 2010. doi