Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Perfil do Estudante Universitário Usuário de Tecnologias

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2176-0969/pi.v17n17p39-55

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/PINFOR/index 

downloadpdf

Felipe C. Silva1 & Marília M. Vizzotto2

 

Resumo: O presente descreve o perfil do estudante universitário usuário de tecnologias e relaciona o uso de tecnologias e variáveis comportamentais nesses universitários. Estudou-se uma amostra de 99 universitários homens e mulheres, acima de 18 anos dos cursos de Psicologia e Biomedicina de uma universidade privada de São Paulo. Utilizou-se um questionário para o levantamento dos dados. Os resultados mostraram um predomínio do uso de telefone móvel (celular) e computador/internet como as tecnologias mais utilizadas pela amostra; ultrapassou 236 horas mensais em uso. Também foi observado um grande número de respondentes que se privavam de necessidades fisiológicas (dormir, alimentar-se, urinar ou defecar) ou ainda o descuido de tarefas escolares, domésticas ou trabalho para permanecer mais tempo utilizando tecnologia. Contudo sugerem-se futuros estudos para expandir os conhecimentos encontrados nesta pesquisa.

Palavras-chave: estudantes universitários, tecnologia, computador

 

Abstract: This study describes the profile of the college student user technologies and the use of related technologies and behavioral variables in these universities. We studied a sample of 99 college men and women above 18 years of Psychology and Biomedical private university of São Paulo. We used a questionnaire to collect data. The results showed a prevalence of the use of mobile phone (cell phone) and computer / internet technologies as used by the sample; exceeded 236 hours monthly in use. We also observed a large number of respondents who deprived physiological needs (sleep, eat, urinate or defecate) or neglect of school work, domestic work or to stay more time using technology. However we suggest future studies to expand the knowledge found in this study.

Key words: college students, technology, computer

 

1 Discente do 5º ano Formação de Psicólogo – Universidade Metodista de São Paulo
2 Doutora pela Fac. C. Médicas – Universidade Estadual Campinas Unicamp; supervisora de estágios do curso de psicologia e docente de Pós-Graduação stricto sensu (mestrado) em Psicologia da Saúde – Universidade Metodista de São Paulo

 

Literatura Citada

ANATEL. Brasil fecha novembro com 260 milhões de acessos móveis, 2012. Disponível em:http://www.anatel.gov.br/Portal/exibirPortalNoticias.do?acao=carregaNoticia&codigo=27539. Acessado em: abril de 2013.

BORGES, C. R. et al. Influência da televisão na prevalência de obesidade infantil em Ponta Grossa, Paraná. Revista Ciência, Cuidado e Saúde, v. 6, n. 3, p. 305-11. 2007.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm. Acesso em 20/10/2011.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Plano plurianual de 2012-2015 (plano mais Brasil). Disponível em: http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/Arquivos/spi/PPA/2012/ Acessado em abril 2013.

CARLOTTO, M. S. Fatores de risco do tecnoestresse em trabalhadores que utilizam tecnologias de informação e comunicação. Estud. psicol. (Natal) [on-line]. v. 15, n. 3, p. 319-324, 2010.

FONTES, M. A. M. Diferença entre homens e mulheres na propensão em adotar produtos e serviços de tecnologia digital. 133 fls. Dissertação [mestrado Executivo em Gestão Empresarial]. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, 2006.

HULLEY, S. B.; CUMMINGS, S. R.; BROWNER, W. S.; GRADY, D., HEARST, N.; NEWMAN, T. B. Delineando a pesquisa clínica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

IAB. Brasil país de 80 milhões de internautas. E crescendo... 2012. Disponível em: http://www.iabbrasil.org.br/arquivos/IAB_Brasil_conectado_consumodemedia.pdf. Acessado em: abril de 2013.

IBGE. Educação melhora, mas ainda apresenta desafios. Síntese dos Indicadores Sociais de 2008a. Disponível em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=1233. Acessado em: abril de 2013.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios 2008. Acesso à internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal, 2008b. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/default.shtm. Acessado em: abril 2013.

IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílios, 2011. Crescimento da renda foi maior nas classes de rendimento mais baixas, 2011. Disponível em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=2222. Acessado em: abril de 2013.

IBOPE Número de brasileiros com acesso à internet chega a 83,4 milhões de pessoas, 2012. Disponível em: http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/Paginas/Numero-de-brasileiros-com-acesso-a-internet-chega-a-83-milhoes-de-pessoas.aspx. Acessado em: abril de 2013.

IBOPE Metade da população das regiões metropolitanas acessa a web de casa, 2013. Disponível em: http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/Paginas/Metade-dos-brasileiros-acessa-a-web-de-casa.aspx. Acessado em: abril de 2013.

IDP – Instituto Data Popular – Universitários são da nova classe média. Disponível em: http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/10/09/7-em-cada-10-universitarios-sao-da-nova-classe-media-diz-pesquisa.jhtm. Acesso abril de 2013.

IPL Instituto Pró-Livro – Retratos da leitura no Brasil. 3. ed. Disponível em: http://www.prolivro.org.br/ipl/publier4.0/texto.asp?id=2834. Acessado em: 12/09/2013.

MARCOS, V. P. Saúde mental de internautas universitários. 2011. 71fls. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Saúde). Faculdade da Saúde, Universidade Metodista de São Paulo, 2011.

NICOLACI-DA-COSTA, A. M. Revoluções Tecnológicas e Transformações subjetivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 18, n. 2, mai./ago., p. 193-202, 2002.

NICOLACI-DA-COSTA, A. M. Ciberespaço: nova realidade, novos perigos, novas formas de defesa. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 23, n. 2, p. 66-75, 2003.

NICOLACI-DA-COSTA, A. M. Primeiros contornos de uma nova “configuração psíquica”. Cad. CEDES, Campinas, v. 25, n. 65, abr. 2005. doi

RAMOS, A. S. M.; OLIVEIRA, B. M. K. Diferenças de gêneros na aceitação e uso de um ambiente virtual de aprendizado: um estudo com graduandos em administração na modalidade à distância. In: Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, ANPAD, 2, Curitiba, 2009.

REA, L. M; PARKER, R. A. Metodologia da pesquisa: do planejamento à execução. São Paulo: Pioneira, 2002.

SEVERINO, S. Fatores estressores em profissionais de Tecnologia da Informação e suas estratégias de enfrentamento. 2010. 142 fls. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e da Tecnologia da Informação) – Universidade Católica de Brasília, 2010.

SIMÕES, M. J.; HERAS, S. L.; AUGUSTO, A. Gênero e tecnologias da informação e da comunicação no espaço doméstico: não chega ter, é preciso saber, querer e poder usar. 2011. Configurações, Minho, CICS, n. 8, p. 155-174.

SPILBERGER, C. Tensão e ansiedade. São Paulo: Harper e Row do Brasil LTDA., 1981.

SUZUKI, F. T. I.; MATIAS, M. V.; SILVA, M. T. A.; OLIVEIRA, M. P. M. T. O uso de videogames, jogos de computador e internet por uma amostra de universitários da Universidade de São Paulo. J. bras. psiquiatr. [on-line], v. 58, n. 3, p. 162-168, 2009.