Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Avaliação do Estado Nutricional e do Lanche Consumido por Crianças entre 2 e 3 Anos em Escola Particular de São Carlos (SP)

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v13n33p55-65

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/saude/index 

downloadpdf

Talita de M. Godoy1, Valeska M. Teixeira2 & Angélica de M. M. Rubiatti3

 

Resumo: O objetivo do estudo foi avaliar o estado nutricional e o lanche consumido por crianças na faixa etária de 2 e 3 anos de idade de uma escola particular de São Carlos (SP). Participaram desta pesquisa 21 crianças que tiveram seus lanches trazidos de casa avaliados durante quinze dias. Os alimentos que fizeram parte dos lanches foram anotados e, posteriormente, realizado o cálculo das calorias e dos macronutrientes. Para análise da qualidade dos lanches, estes foram classificados em saudáveis, parcialmente saudáveis e não saudáveis e divididos em grupos de alimentos conforme a frequência na lancheira da criança. Os resultados indicaram que 38% das crianças têm risco de sobrepeso. A média das calorias por lanche avaliado foi de 504,7 kcal e a distribuição percentual dos macronutrientes encontrou-se balanceada. A avaliação da qualidade nutricional dos lanches trazidos de casa indicou que 51,6% são parcialmente saudáveis e o grupo dos cereais foi o mais frequente nas lancheiras das crianças estudadas. Concluiu-se que a qualidade nutricional dos lanches parcialmente saudáveis e não saudáveis oferecidos às crianças necessitam sofrer melhorias para torná-los mais saudáveis e, principalmente, é necessária a redução das calorias desta refeição que, apesar de balanceada, se mostrou elevada para esta faixa etária e pode ser um fator contribuinte do risco de sobrepeso e de excesso de peso observado entre o grupo avaliado.

Palavras-chave: avaliação nutricional, valor nutritivo, pré-escolar

 

Abstract: The aim of this study was the assessment of the food eaten in the 2 and 3 year-olds, as well as their nutritional state, at a private school in São Carlos (SP). Taked part in this research twenty-one children had the food they brought from home assessed for fifteen days. All the items included in their snacks were written down and, afterwards, we performed the calculations to determine the amount of calories and of macronutrients. To analyze the quality of their food, we classified it in “healthy”, “partially healthy” and “unhealthy” and divided it in groups according to the frequency it appeared in the children’s lunchboxes. Results showed that 38% of the children are under risk of being overweight. The caloric average of the content of each lunchbox was 504.7 kcal and the percentage distribution of macronutrients was balanced. The assessment of the nutritional quality of the food children brought from home points that 51.6% of the snacks are partially healthy having the group of grains been considered the most frequent in their lunchboxes. We concluded that the nutritional quality of the food partially healthy and unhealthy offered to schoolchildren needs to be improve to make it healthier and, the most important, is necessary the reduction of the calories of this meal, which despite being balanced, proved to be too high for this age group and may be a significant factor for the risk of overweight and of obesity observed in the children who were part of the group that we assessed.

Key words: nutrition assessment, nutritive value, child

 

1 Discente do Curso de Nutrição pelo Centro Universitário Central Paulista de São Carlos – UNICEP. talita.mgodoy@yahoo.com.br
2 Centro Universitário Central Paulista de São Carlos – UNICEP. valeskamasucciteixeira@yahoo.com.br
3 Profa. Doutora do Curso de Nutrição pelo Centro Universitário Central Paulista de São Carlos – UNICEP. angelicamanso@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

Turano W, Almeida CCC. Educação nutricional. In: Gouveia ELC. Nutrição: saúde & comunidade. Rio de Janeiro: Revinter; 1999. p. 57-68.

Accioly E, Benzecry EH. Nutrição materno-infantil. In: Gouveia ELC. Nutrição: saúde & comunidade. Rio de Janeiro: Revinter; 1999. p. 54-55.

Anjos LA, Castro IRR, Engstron EM, Azevedo AMF. Crescimento e estado nutricional em amostra probabilística de escolares no município do Rio de Janeiro 1999. Cad. Saúde Pública 2003; 19 (1):171-179. doi

Barbosa VLP. Alimentação saudável e equilibrada na infância e na adolescência. In: Sambatti JBA, Rogero MM. Prevenção da obesidade na infância e na adolescência: exercício, nutrição e psicologia. Barueri: Manole; 2004. p. 83-84.

Rossi A, Moreira EAM, Rauen MS. Determinantes do comportamento alimentar: uma revisão com enfoque na família. Rev. Nutr. 2008; 21 (6):739-748. doi

Biscegli TS, Correa CEC, Romera J, Hernandez JLJ. Avaliação do estado nutricional e prevalência de carência de ferro em crianças freqüentadoras de uma creche. Rev. Paul Pediatr. 2006; 24 (4):323-9.

Matuk TT, Stancari PCS, Bueno MB, Zaccarelli EM. Composição de lancheiras de alunos de escolas particulares de São Paulo. Rev. Paul Pediatr. 2011; 29 (2):157-63.

Triches RM, Giugliani ERJ. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev. Saúde Pública 2005; 39 (4):541-7. doi

WHO. World Health Organization. The WHO child growth standards. 2007. [acesso 17/ nov/2011]; Disponível: <http://www.who.int/childgrowth/standards/en/>.

Philippi ST. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. 2 ed. São Paulo: Coronário; 2002.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução/CD/FNDE nº. 38. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Brasília: Ministério da Educação; 2009.

Institute of Medicine. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, protein and acids (macronutrients). Washington (DC): National Academy Press; 2005.

Souza MC, Rondo PHC, Sousa MV. Alimentação na infância. In: Tirapegui J. Nutrição: fundamentos e aspectos atuais. São Paulo: Atheneu; 2006. p.125.

Giugliano R, Melo ALP. Diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares: utilização de índice de massa corporal segundo padrão internacional. Jornal de Pediatria 2004; 80(2):129-134. doi

Triches RM, Giugliani ERJ. Obesidade, práticas alimentares e conhecimento de nutrição em escolares. Rev Saúde Publica 2005; 39(4):541-547. doi

Biscegli TS, Polis LB, Santos LM, Vicentin M. Avaliação do estado nutricional e do desenvolvimento neuropsicomotor em crianças freqüentadoras de creche. Rev Paul Pediatr 2007; 25 (4):337-42. doi

Bigido GR. Avaliação nutricional dos lanches trazidos por pré-escolares de uma escola particular do município de São Paulo – Projeto piloto. Rev. FAMESP s/d. [acesso 1/jun/2012]; Disponível: <http://www.revistafamesp.com.br/index.php/edicoes/edicao-1/67.html>.

Monjardino MTPB. Avaliação dos lanches escolares de crianças do 1º ano do ensino básico de escolas de Matosinhos. [tese]. Porto (Portugal): Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, Universidade do Porto; 2008.

Sizer F, Whitney E. Nutrição: conceitos e controvérsias. Barueri: Manole; 2003. p.470-506.

Barbosa VLP. Alimentação saudável e equilibrada na infância e na adolescência. In: Sambatti JBA, Rogero MM. Prevenção da obesidade na infância e na adolescência: exercício, nutrição e psicologia. Barueri: Manole; 2004. p.83-84.

Campos JADB, Zuanon ACC. Merenda escolar e promoção de saúde. Cienc Odontol Bras 2004; 7(3):67-71.

Fernandes IT, Gallo PR, Advincula AO. Avaliação antropométrica de pré-escolares do município de Mogi-Guaçu, São Paulo: subsídio para políticas públicas de saúde. Rev Brasileira de Saúde Materno Infantil 2006; 6(2):217-222. doi