crosscheckdeposited

Estrutura Organizacional e os Impactos de sua Mudança no Modelo de Negócio e no Modelo de Gestão de Pessoas: Um Estudo de Caso no Setor Financeiro

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2177-7284/regs.v4n1p560-586

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/REGS/index 

downloadpdf

Marcos A. de A. Ferreira1, Renata M. Valente2, José F. S. Barros3 & Joel S. Dutra4

 

Resumo: Observa-se o recente movimento mundial de consolidação das instituições financeiras em razão de transformações socioeconômicas, acompanhadas da convergência de novas tecnologias. Este último fator tem tido forte influência na definição dos modelos de negócios destas instituições, reforçando a perspectiva estratégica assumida pelas áreas de tecnologia da informação (TI). Neste sentido, o artigo analisa, por meio de estudo de caso da unidade brasileira de uma das maiores instituições financeira do mundo, a transformação da área de TI em unidade de negócios, por conseguinte, a repercussão no modelo de negócios e de gestão de pessoas. Para a análise foram realizadas 15 entrevistas e aplicados 400 questionários, verificando-se o impacto no modelo de negócios e o desafio dos profissionais em adaptarem-se ao novo modelo.

Palavras-chave: modelo de negócios, estrutura organizacional, carreira

 

Abstract: We have observed the recent global movement of consolidation of financial institutions due to socioeconomic changes, accompanied by the convergence of new technologies. This last factor has had a strong influence in the shaping of these institutions’ business models, reinforcing the strategic approach assumed by the areas of information technology (IT). In this sense, the article examines, through a case study of the Brazilian unit of one of the world’s largest financial institutions, the transformation of the IT area into a business unit, impacting the business model and the management of people. For the analysis 15 interviews were conducted and 400 questionnaires were applied, analyzing the impact on the business model and the professionals’ challenge to adapt to the new model.

Key words: business model, organizational structure, career

 

1 Professor Formado em Administração de Empresas, Especialista em Gestão Financeira, Executive MBA pela BSP e Univ. de Toronto; Mestre e Doutorando FEA USP
2 Formada em administração de empresas, pós-graduada (MBA) com ênfase em Gestão de Pessoas. Executiva em instituição fianceira, Superintendente de Recursos Humanos
3 Formado em Engenharia Elétrica; pós-graduado em Administração de Empresas (EMBA) pela BSP e Univ. de Toronto; especialista em consultoria de carreira. Atua como Executive Coach e consultor de carreira
4 Prof. Dr. da Faculdade de Administração da FEA USP

 

Literatura Citada

ANSELMO, E. Mudanças estratégicas nas empresas: um estudo de caso. Tese (Mestrado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, 1995.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. 2012. Disponível em: <http://www.bc.gov.br/>. Acesso em: 5 jun. 2012.

BEZERRA, C. M. Inovações tecnológicas e a complexidade do sistema econômico [online]. São Paulo: Unesp / Cultura Acadêmica, 2010. 122 p.

BROWN, S. L.; EISENHARDT, K. M. Product development: past research, present findings, and future directions. Academy of Management Review, v. 20, n. 2, p. 343-378, 1995.

CALLAHAN, Terry. Organizational alignment of the credit and accounts receivable function. In: Business Credit. New York. Jun 2000.

CAMARGO, P. O. A evolução recente do setor bancário no Brasil. São Paulo: Unesp / Cultura Acadêmica, 2009. 322 p.

CHI, T.; NYSTROM, P. An economic analysis of matrix structure, using multinational corporations as managerial and decision economics (1986-1998). ABI/INFORM Global, v. 19, n. 3, p. 141, may 1998.

COLLIN, A. Career in context. Department of HRM, De Mont Fort University, 1997. The Gateway Locester, LE1 9BH, UK.

DUBÉ, L.; PARÉ, G. Rigor in positivist case research: current practices, trends, and recommendations. MIS Quarterly, v. 27, n. 4, 2003.

DUNN, S. C. Motivation by project and functional managers in matrix organizations. ABI/INFORM Engineering Management Journal, v. 13, n. 2, jun 2001.

DUTRA, J. S. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas, 2004.

DUTRA, J. S. Anotações de aula – FEA-USP, mar. 2013.

EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-548, 1989.

FABIAN, F. H. Keeping the tension: pressures to keep the controversy in the management discipline. Academy of Management Review, v. 25, n. 2, p. 350-371, 2000.

GERSTEIN, M. Das burocracias mecanizadas às organizações em rede: uma viagem arquitetônica. In: NADLER, D. (Org.). Arquitetura organizacional. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

HALL, R. Organizações, estruturas e processos. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, 1984.

JUSSANI, A. C.; VASCONCELLOS, E. P. G. Estabelecendo o grau de descentralização da estrutura organizacional: o caso do programa estadual de microbacias hidrográficas. REGE Revista de Gestão, v. 14, n. 1, p. 1-12, mar. 2007.

LASLO, Z.; GOLDBERG, A. I. Goldberg matrix structures and performance: the search for optimal adjustment to organizational objectives. IEEE Transactions on Engeneering Management, v. 48, n. 2, may 2001.

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, Brasília. Diretrizes gerais para a abertura do mercado de telecomunicações: Sumário Executivo. Brasília. 1997. Disponível em: <http://www.anatel.gov.br/index.asp?link=/biblioteca/Publicacao/Diretiz1.htm?Cod=1979>. Acesso em: 14 nov. 2004.

QUINN, J. B. Empresas muito mais inteligentes. São Paulo: Makron, 1996.

QUINN, R. E; THOMPSON, M. P.; FAERMAN, S. R.; McGRATH, M. Competências gerenciais. São Paulo: Campus, 2004.

MIRANDOLA, C. M. S. Globalização financeira e integração de mercados financeiros nacionais. 2010. Tese (Doutorado em Direito Internacional) - Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2135/tde-04012011-105821/>. Acesso em: 7 jun. 2012.

ROMER, P. The origins of endogenous growth. Journal of Economic Perspectives, v. 8, n. 1, p. 3-22, 1994. doi

SANTOS, T. B. S.. Desenvolvimento financeiro e crescimento econômico: a modernização do sistema financeiro brasileiro. 2006. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

VASCONCELLOS, E. P. G. Centralização x descentralização: aplicação para laboratórios de inst. de pesquisa e desenvolvimento. Revista de Administração IA – USP, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 101-121, abr./jun. 1979.

VASCONCELLOS, E. P. G. Estrutura das organizações. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1989.

VASCONCELLOS, E. P. G. Internacionalização, estratégia e estrutura: o que podemos aprender com o sucesso da Alpargatas, Azaléia, Fanem, Odebrecht, Voith e Volkswagen. São Paulo: Atlas, 2008.

VASCONCELLOS, E.; HEMSLEY, J. R. Estrutura das organizações. Estruturas tradicionais, estruturas para inovação. Estrutura matricial. 4. ed. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

WOOD JR., T. Novas configurações organizacionais: pesquisa exploratória empírica sobre organizações locais. São Paulo: EAESP/FGV/NPP, 2001. Disponível em: <http://www.fgvsp.br/adm/arquivos_npp/P00041_1.pdf>. Acesso em: 16 nov. 2004.

YIN, R. K. Case study research, design and methods.Thousand Oaks; California: Sage, 2003.