Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Inteligência Estratégica: Um Estudo de Caso em Uma Prefeitura no Litoral Norte Catarinense

DOI: http://dx.doi.org/10.15603/2177-7284/regs.v4n2p610-634

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/REGS/index 

downloadpdf

José Martins1, Simone Sehnem2, Taisa Dias3 & Jacir L. Casagrande4

 

Resumo: Este estudo teve por objetivo identificar, na percepção dos gestores, quais aspectos da inteligência estratégica estão presentes na administração pública municipal. Esta pesquisa é classificada, quanto aos objetivos, como descritiva. Foi desenvolvida na forma de estudo de caso. Constatou-se que metade dos entrevistados já utilizou ou utiliza a inteligência estratégica como ferramenta para a condução das atividades desempenhadas. No entanto, 50% dos entrevistados nunca trabalharam com o conceito de inteligência estratégica, sendo esta temática nova, e ou desconhecida para os referidos gestores. Além disso, 59% dos entrevistados avaliaram a tomada de decisão como eficiente, mesmo não usando a inteligência estratégica como aporte básico das ações organizacionais. Portanto, conclui-se que a disparidade de respostas obtidas não permite inferir que a inteligência estratégica está presente no dia a dia da administração pública municipal.

Palavras-chave: inteligência estratégica, gestão estratégica, administração pública municipal

 

Abstract: This study aimed to identify the perceptions of managers, which aspects of strategic intelligence are present in municipal government. This research is classified as descriptive in the goals. Was conducted as a case study. Found that half of respondents have used or will use strategic intelligence as a tool for conducting work activities. However, 50% have never worked with the concept of strategic intelligence, with this new theme, and or unknown to those managers. Furthermore, 59% of respondents rated decision making as efficient, even not using strategic intelligence as a basic contribution of organizational actions. Therefore, it is concluded that the difference in responses not infer that strategic intelligence is present in day-to-day administration of municipal.

Key words: strategic intelligence, strategic management, municipal public administration

 

1 Formado em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI e mestrando em Administração pela UNISUL
2 Doutora em Administração e Turismo pela UNIVALI; professora no PPGA-UNISUL e no mestrado profissionalizante da UNOESC
3 Doutora em Administração pela UFSC; Professora do PPGA-UNISUL
4 Doutor em Engenharia de Produção pela UFSC; professor do PPGA-UNISUL

 

Literatura Citada

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo/SP: Edições 70, 2009.

BELL, Judith. Projeto de pesquisa: guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura, v. 1, São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FACHINELLI, Ana Cristina; RECH, Jane e MATTIA, Olivar. A dinâmica da informação na comunicação organizacional: a perspectiva do hipertexto e da autopoiese. In: XXVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2005, Rio de Janeiro. Anais do XXVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2005.

FLICK, U. Introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre/RS: Artmed, 2004.

FRANCO, M. L. Análise do conteúdo. Brasília Líber Livro Editora, 2008.

FREY, K. Governança urbana e redes sociais: o potencial das novas tecnologias da informação e comunicação. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 27. 2003, Atibaia. Anais… Atibaia: ANPAD, 2003.

FULD, Leonard M. The new competitor intelligence: the complete resource for finding, analyzing, and using information about your competitors. New York: J. Wiley, 1995.

GRIFFITH, S. E. Sun Tzu: The Art of War. New York: Oxford University Press. 1971.

JANISSEK-MUNIZ, Raquel et al. Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva (IEAc): transferência e adaptação de conhecimentos metodológicos visando propor soluções e promover a IEAc no Brasil. XXIX Encontro da Anpad (Enanpad), v. 29, 2005.

JOHANNESSON, Jokull; PALONA, Iryna. Environmental turbulence and the success of a firm's intelligence strategy: development of research instruments. International Journal of Management, v. 27, n. 3, p. 448-458, 2010.

LESCA, Humbert; FREITAS, Henrique; JANISSEK-MUNIZ, Raquel. Inteligência Estratégica Antecipativa: uma ação empresarial coletiva e pró-ativa, 2003, 8 p. Disponível em: http://professores.ea.ufrgs.br/hfreitas/revista/arquivos/LESCA_RJM_HF_30725.PDF. Acesso em: 26 jun. 2013.

MALHOTRA, N. Marketing Research. New Jersey/USA: Prentice Hall, 2010.

MARTINS, H. F. O plano de gestão pública para um Brasil de todos: em busca de uma nova geração de transformações da gestão pública. In: CONGRESO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA. Panamá, 2003.

MCGONAGLE, John J.; VELLA, Carolyn M. Competitive intelligence in action. Information Management Journal, v. 38, n. 2, p.64-68, 2004.

MIRANDA, Roberto Campos da Rocha. O uso da informação na formulação de ações estratégicas pelas empresas. Ci. Inf., Brasília, v. 28, n. 3, p. 286-292, set./dez. 1999.

MONTGOMERY, David B.; WEINBERG, Charles B. Toward strategic intelligence systems. Journal of Marketing, v. 43, p. 41-52, Fall, 1979. doi

MORGAN, Gareth. Paradigms, Methaphors, and puzzle solving in organization theory. Administrative Science Quarterly, v. 25, n. 4, p. 605-622, 1980. doi

MYBURGH, S. Competitive intelligence: bridging organizational boundaries. The Information Management Journal, v. 38, n. 2, p. 46-55, 2004.

PUTNAM, R. Bowling Alone: the Collapse and Revival of American Community. New York: Simon & Schuster, First Touchstone Edition, 2001.

RATTNER, Henrique. Liderança para uma sociedade sustentável. São Paulo: Nobel, 2009.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

ROUACH, Daniel; SANTI, Patrice. Competitive intelligence adds value: five intelligence attitudes. European Management Journal, v. 19, n. 5, p. 552-559, out. 2001. doi

PALOP, F.; VICENTE, J. M. Vigilancia tecnológica e inteligencia competitiva: su potencial para la empresa española. Fundacion COTEC. 1999. Disponível em: http://www.navactiva.com/web/es/descargas/pdf/avtec/potencialvtec.pdf. Acesso em: 26/06/2013.

PORTER, Michael. Competitive Strategy. New York: Free Press. 1980.

PRESCOTT, John E. The evolution of competitive intelligence: designing a process for action. Proposal Management. p. 37-52, spring 1999.

SAPIRO, Arão. Inteligência empresarial: a revolução informacional da ação competitiva. Revista de Administração de Empresas, v. 33, n. 3, p. 106-124, mai./jun. 1993.

SCHERER-WARREN, I. Cidadania sem fronteiras: ações coletivas na era da globalização. Rio de Janeiro: Hucitec, 1999.

TARAPANOFF, K.; ARAÚJO JR., Rogério H.; CORMIER, P. M. J. Sociedade da informação e inteligência em unidades de informação. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 3, p. 91-100, dez. 2000.

TJADEN, Gary S. Measuring the information age business. Technology Analysis & Strategic Management, v. 8, n. 3, p. 233-246, 1996. doi

WRIGHT, Sheila; CALOF, Jonathan L. The quest for competitive, business and marketing intelligence: a country comparison of current practices. European Journal of Marketing. v. 40, n. 5/6, p. 453-465, 2006. doi

WRIGHT, T. A.; CROPANZANO, R.; Denney, P. J.; MOLINE, G. L. When a Happy Worker is a Productive Worker: A Preliminary Examination of Three Models. Source Canadian Journal of Behavioural Science, vol. 34, 146-150. 2002. doi

YIN, K. Case study research: design and methods. California/USA: Sage Publications, 2009.