Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Anatomia Foliar Comparada de Três Espécies do Gênero Oxalis L. (Oxalidaceae)

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/2238-1945/pcnb.v3n6p59-72

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/bio/index 

downloadpdf

Ruth E. dos Reis1 & Marina N. Alvim2

 

Resumo: Neste trabalho, caracterizou-se a anatomia foliar de três espécies do gênero Oxalis, com o objetivo de subsidiar a identificação das espécies e comparar as diferenças anatômicas entre elas. Folhas adultas foram fixadas, seccionados à mão livre e coradas com azul de astra e fucsina básica. Realizou-se testes histoquímicos com as soluções Sudam III, Cloreto Férrico e Lugol. As folhas das três espécies em estudo apresentaram epiderme uniestratificada com estômatos anomocíticos, colênquima do tipo angular e mesofilo dorsiventral com uma camada de parênquima lacunoso e 2-3 camadas de parênquima esponjoso, sendo O. corniculata e O. debillis anfiestomáticas com células epidérmicas com paredes sinuosas em ambas as faces e Oxalis latifolia hipoestomática com células epidérmicas poligonais na face adaxial e sinuosas na face abaxial. O pecíolo desta última espécie é circular assim como as demais espécies em estudo, mas apresenta uma reentrância na região abaxial. Verificou-se que tanto O. debillis quanto O. latifolia apresentam quatro feixes vasculares, circundados por uma bainha amilífera, enquanto O. corniculata possui cinco feixes vasculares circundados por células esclerenquimáticas. Foram evidenciadas reações positivas para compostos fenólicos nas regiões dos feixes vasculares e idioblastos na região cortical do pecíolo de O. corniculata e O. latifolia, o que sugere a presença de oxalato de potássio e ácido oxálico, que segundos estudos espécies do gênero Oxalis, são consideradas plantas tóxicas devido aos elevados níveis destas substâncias.

Palavras-chave: taxonomia, azedinha, histoquímica, caracterização anatômica

 

1 Bióloga - Graduada pelo Centro Universitário Metodista izabela Hendrix - Belo Horizonte, MG
2 Professora de Biologia Vegetal do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix - Belo Horizonte, MG, e.mail para correspondência: marina.alvim@izabelahendrix.edu.br

 

Literatura Citada

ABREU, MC.; CARVALHO, R.; SALES, MF. Oxalis L. (Oxalidaceae) no Estado de Pernambuco, Brasil. Acta Bot. Bras, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 399-416, 2008.

DUKE, JA. Handbook of edible weeds. Boca Ráton: CRC Press, 2001.

FONSÊCA, LCM.; PROENÇA, CEB.; GONÇALVES, EG.. Descrição do padrão de venação foliar em Spathicarpa Hook. (Araceae). Acta Bot. Bras., São Paulo, v. 21, n. 1, p. 213-221, 2006.

FOSTER, AS. Pratical plant anatomy. Princeton: D. van Nostrad Company Inc., 1949.

HOEHNE, FC. Plantas e substâncias vegetais tóxicas e medicinais. São Paulo: Departamento de Botânica, São Paulo, 1978. Reimpressão.

JOHANSEN, DA. Plant microtechnique. New York: McGraw-Hill Book, 1940.

JORGE, LIF; SILVA, AM; GONZALEZ, E; ALONSO, ACB. Averrhoa carambola L. (Oxalidaceae) e Achras sapota (Sapotaceae) - elementos morfo-anatômicos de orientação diagnóstica. Rev Bras de Farm, v. 86, n. 3, p.104-8, 2005.

KRAUS, JE; ARDUIN, M. Manual básico de métodos em morfologia vegetal. Seropédica: Editora da UFRRJ, 1997.

KURTZ, SMTF; SANTOS, CAM; DUARTE, MR; SATO, MEO. Morfo-anatomia de folhas de maracujá: Passiflora actínia Hooker, Passifloraceae. Acta Farm. Bonaerense, v. 22, n: 2, p. 105-12, 2003.

LOURTEIG, A. Oxalidáceas. In: R. Reitz (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: Oxal, parte 1, 1983.

LOURTEIG, A. Oxalis L. Subgênero Thamnowys (Endl.) Reiche emend. Lourt. Bradea, n. 7, p 1-199, 1994.

LOURTEIG, A. Oxalis L. Subgêneros Monoxalis (Small) Lourt. Oxalis y Trifidus Lourt. Bradea, n. 17, p. 202-629, 2000.

MACHADO, RCM. Interação inseto-planta e suas implicações no manejo integrado de pragas. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

MACIEL, MAM; PINTO, AA; VEIGA, VFJ. Plantas Medicinais: A necessidade de estudos multidisciplinares. Química nova, v. 25, n. 03, p. 429-438, 2002. doi

MURI, EMF; SPOSITO, MMM; METSAVAHT, L. Farmacologia de drogas vasoativas. Acta Fisiatr., n. 17, v. 1, p. 22–27, 2010.

PASSOS, MAB.; MENDONÇA, MS. Escleromorfismo foliar de Aldina heterophylla Spruce ex Benth. (Leguminosae: Papilionoideae) em três campinas da Amazônia Central. Acta Amazonica, n. 28, v. 4, p. 353-371, 1998.

PASSOS, MAB.; MENDONÇA, MS. Epiderme dos segmentos foliares de Mauritia flexuaosa L. (Arecaceae) em três fases de desenvolvimento. Acta Amazônica, n. 36, v. 4, p. 431-436, 2006.

OCHOA, MJ; ZARAGOZA, C. Presencia de Oxalis latifolia Kunth en cultivos de regadío en el valle medio Del oxalate. J Form Med Ass, v. 101, n. 5, p. 337-341, 1982.

RAVEN, PH.; EVERT, RF.; EICHHORN, SE. Biologia Vegeral. 5 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.

SASS, JE. Botanical microtechnique. 2 ed. Ames: lowa State College Press, 1951.

SCHVARTSMAN, S. Plantas venenosas e animais peçonhentos. São Paulo: Sarvier, 1992.

SOUZA, VC. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das: famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseada em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2005.

YOUNG, DP. Oxalis in the British Isles. Watsonia J Bot Soc Brit Islands, v. 4, p. 51-69, 1958.