Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Análise das Áreas com Predisposição à Movimentação de Massa no Município de Ipatinga - Minas Gerais

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/2238-1945/pcnb.v3n6p73-90

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/bio/index 

downloadpdf

Stênio B. L. Oliveira1, Cleuciane S. Silva1, Naiara Nascimento1, Sheila N. Drumond1 & Lucas M. Guimarães2

 

Resumo: A problemática urbana ambiental vivenciada no município de Ipatinga - Minas Gerais, no decorrer das ultimas décadas, possui como fatores potencializantes as ocupações desordenadas em áreas impróprias, fatores geomorfológicos e climáticos entre outros. O objetivo deste trabalho foi determinar a probabilidade de movimentação (grau de risco) de massa neste munícipio, proporcionando informações especificas para gestão pública na elaboração de projetos de infraestrutura, visando a redução de perdas sociais e econômicas. Os dados locais foram obtidos por amostragem através de visitas a campo norteadas por Laudo de Vistoria (NBR 11682 – Estabilidade de encostas), por arquivo fotográfico e breve descrição das áreas visitadas. Os laudos foram analisados de forma individual, as sínteses dos taludes vistoriados foram confeccionadas e, gerados os gráficos expressando de forma quantitativa as informações descritas nas sínteses. O grau de risco dos locais foi determinado com o agrupamento dos bairros e a definição geográfica das áreas mais susceptíveis a movimentação de massa por cores pré-estabelecidas. O mapa do município foi confeccionado considerando os graus de risco por bairros. Constatamos que os bairros mais susceptíveis a movimentação de massa foram: Canaã e Iguaçu (Risco Muito Alto), Bethânia, Caravelas, Chácaras Madalena, Esperança, Vila Celeste, Granjas Vagalume, (Risco Alto), Limoeiro, Cidade Nobre, Jardim Panorama, Veneza, Imbaúbas, (Risco Médio). Dentre os fatores condicionantes para formação das áreas de risco destaca-se o aumento populacional desordenado. Para sanar ou mesmo amenizar o problema, esforços do governo municipal devem ser efetivos, destacando investimentos em projetos urbanísticos e na conscientização ambiental das comunidades inseridas nas localidades em risco iminente.

Palavras-chave: grau de risco, estabilidade de taludes, movimentos de massa

 

Abstract: The urban environmental problems experienced in the city of Ipatinga - Minas Gerais, throughout the last decades, has as strengthening factors the disordered occupations in inappropriate areas , geomorphological and climatic factors, among others . The objective of this study was to determine the probability of mass movement (risk level) in this city, providing specific information to the public administration in developing infrastructure projects, in order to reduce social and economic loss. The local data were obtained by sampling collected in field visits guided by the inspection report NBR 11682 - Stability of slopes, photographic records and brief description of the area visited. The reports were analyzed individually, the summary of the slopes surveyed were created thus generating graphs expressing, in a quantitative manner, the information described in the summaries. The risk level of the sites was determined by grouping the neighborhoods and defining the geographical areas which are more susceptible to mass movement by a pre-set of colors. The city map was created taking into consideration the risk level by neighborhoods. It was verified that the neighborhoods that are more susceptible to mass movement were: Canaã and Iguaçu (Very High Risk), Bethânia, Caravelas, Chácaras Madalena, Esperança, Vila Celeste, GranjasVagalume (High Risk), Limoeiro, MunicípioNobre, Jardim Panorama, Veneza, Imbaúbas (Mild Risk). Among the determining factors for the formation of risk areas, the disordered population growth is highlighted. To solve or even ease the problem, efforts of the local government must be effective, highlighting investments in urban projects and environmental awareness of the communities in the areas of imminent risk.

Key words: risk degree, slopes, mass movements

 

1 Engenheiro Ambiental e Sanitária formado pela Fundação Presidente Antônio Carlos – FUPAC Ipatinga, Minas Gerais. E-mail: sbruno1@hotmail.com; sheila_drumond@hotmail.com
2 Doutor em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Viçosa, Brasil, Professor da Universidade Federal de Viçosa, Brasil

 

Literatura Citada

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 11682: Estabilidade de Encostas. Rio de Janeiro (2006).

CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA. Dados sobre o Munipio de Ipatinga: história e Geografia do município, 2012. Disponível em ˂http://186.235.65.102/cmi_v5/pagina.php?idpagina=26&chave=a%3A1%3A%7Bi%3A0%3Bs%3A5%3A%22clima%22%3B%7D˃ .

CARVALHO, ET; PRANDINI, FL. Áreas urbanas. In: OLIVEIRA, AMS; BRITO, SNA. Geologia de engenharia. São Paulo: ABGE, 1998. 487p.

COELHO NETTO, AL. (1999) Catastrophic Landscape Evolution in a Humid Region (SE Brazil): inheritances from tectonic, climatic and land use induced changes.Supplementi di Geografia física dinâmica quaternária, III, T. 3:21-28.

FERNANDES, NF; COELHO NETTO, AL; LACERDA, WA (1994) Subsurface HydrolyOflayered: Colluvium mantles in unchannelled valleys southeastern Brazil. Eatrh surface Process and Landforms, 19: 609-626. https://doi.org/10.1002/esp.3290190703

GUIDICINI, G &Nieble, CM. Estabilidade de taludes Naturais e de escavação. São Paulo: editora blucher, 196 p., 1976.

GUIDICINI, G; DE CARLOS, M., NIEBLE. Estabilidade de Taludes Naturais e de Escavação. 1984. ed. Rio de Janeiro: Edgard Blucher, 1984. 216 p.

GUIMARÃES, AO. IDENTIFICAÇÃO E DISCRIMINAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO: IDENTIFICAÇÃO E DISCRIMINAÇÃO DE ÁREAS DE RISCO NO ENTORNO URBANO DE IPATINGA, BRASIL1. 2006. 12 f. Estudante da Pós-Graduação, (Graduação) - Curso de Engenharia Agrícola, Departamento de Engenharia Agrícola, Universidade Federal de Viçosa, Brasil, Ipatinga, 2005. Disponível em: <http://academic.uprm.edu/laccei/index.php/RIDNAIC/article/viewFile/124/123>.

HORTON, RE. Erosional development of streams and their drainage basins: Hidrophysical approach to quantitative morphology. Bull. Geol. Soc. Am., 56:275-370, 1945. doi

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados Básicos - Ipatinga/MG: Disponível: <http://www.ibge.gov.br/municipiosat/painel/painel.php?codmun=313130>.

IBGE. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 1960, 1970, 1980, 1991 e 2000. SANTOS, M. Manual de geografia urbana. São Paulo: Hucitec, 1981. 214p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Municípios@ Minas Gerias- Ipatinga. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/municipiosat/topwindow.htm?1 .

Instituto Estadual de Florestas-IEF. Parque do Rio Doce. Disponível em: http://www.ief.mg.gov.br. Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM. Bacia do Rio Doce. Disponível em: http://www.igam.mg.gov.br/. Acessado em: 10 de dezembro 2011.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas- IPT (2007). Disponível em: http://www.ipt.br/publicacoes/artigos_tecnicos.

OGURA, AT; CARVALHO, CS; MACEDO, ES(Org.). Mapeamento de Riscos em Encostas e Margens de Rios. Brasília: Cris Fernandes, 2007. 176 p. Disponível em: <http://www.municipios.gov.br/images/stories/ArquivosSNPU/Biblioteca/PrevencaoErradicacao/Livro_Mapeamento_Enconstas_Margens.pdf>.

OLIVEIRA, GA. Correlação entre Pluviometria, Piezometria e Movimentos das encostas dos quilômetros 87 e 101 da rodovia br-116/rj (Rio-Teresópolis). . 2012. 222 p. Tese (Doutorado em Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil) - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

PINTO, CS. Curso Básico de Mecânica dos Solos em 16 Aulas. São Paulo: Oficina de Textos, 2000-02-15.

SILVA, AL. DESLIZAMENTOS NOS MORROS DO BREJO DA GUABIRABA, RECIFE/PE: UMA VISÃO PARA DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL. 2008. 126 f. Dissertação (Mestre em Administração) - Faculdade de Ciência da Administração de Pernambuco, Recife/PE, 2008. Disponível em: <http://www.nupesp.org/mestradoGDLS/arquivos/ADRIANA_DISSERT.pdf>.

TOBIN, GA., MONTZ, BE. Natural hazard: Explanation and integration. New York: The Guilford Press, 1997, 388 p.

TOMINAGA, LK; SANTORO, J; AMARAL, R. Desastres Naturais: Conhecer para Prevenir. 1º Edição São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009. 196 pág. Disponível em: <http://www.igeologico.sp.gov.br/downloads/livros/DesastresNaturais.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2011.

VARNES, DJ. (1978) – “Slope movement types and process”. In: Landslides Analysis and Control. National Academy of Sciences, Washington, USA.