Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Da Autoprodução da Razão (do Absoluto),  a Chave do “Devir” e a Condição Humana

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/1983-7631/rt.v6n10p31-50

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/tec 

downloadpdf

Luiz C. M. da Rosa1

 

Resumo: O artigo em questão assinala o modo pelo qual a lógica acena com a emergência do Absoluto, que, segundo a leitura hegeliana, baseada no postulado, que encerra uma equivalência entre o racional e o real, sublinha o movimento dialético que converge para a autoprodução da Razão, cujo processo traz o Estado como a sua realização através do Espírito objetivo, que implica uma relação antitética que envolve o Espírito subjetivo do homem e culmina na sua transposição em uma unidade substancial, a saber, o Espírito “em si” e “para si”, o Absoluto como Espírito, puro saber de si da Ideia, perfazendo uma perspectiva que caracteriza a História como a encarnação do Espírito e atribui à liberdade uma condição que transcende o indivíduo e sua vida privada.

Palavras-chave: Hegel, absoluto, razão, estado, sociedade

 

Abstract: The article points out the way the logic beckons with the emergence of the Absolute, the second reading Hegel, who, based on the postulate that contains an equivalence between the rational and the real stresses the dialectical movement which converges to the self-production of Reason process which brings the State as their goal achievement through the Spirit, which implies an antithetical relation which involves the subjective Spirit of man, culminating in its transposition into a substantial unity, namely, the Spirit "itself" and "for itself" the Absolute as Spirit, pure knowledge of the Idea itself, giving a perspective that characterizes the History as the incarnation of the Spirit and gives freedom a condition that transcends the individual and his private life.

Key words: Hegel, absolute, reason, state, society

 

1 Escritor e poeta, pesquisador e ensaísta; Autor de O Todo Essencial, Universitária Editora, Lisboa, Portugal, e, entre outros, Quase Sagrado (em edição); Graduado em Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais (CEUCLAR/SP) e Pós-Graduando em Filosofia pela Universidade Gama Filho (UGF/RJ); Diretor-Fundador, Coordenador e Pesquisador do Espaço Politikón Zôon – Educação, Arte e Cultura (CNPJ nº 10.642.249/0001-54), e Empreendedor Sociocultural. marianodarosaletras@terra.com.br

 

Literatura Citada

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia: edição revista e ampliada. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ARANHA, M. L. de A.; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 1995.

BARAQUIN, N.; LAFFITTE, J. Dicionário de Filósofos (Dictionnaire des Philosophes). Tradução de Pedro Elói Duarte. Coleção Lexis. Lisboa: Edições 70, 2004.

CHÂTELET, F. Hegel. Tradução de Alda Porto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

DUVIGNAUD, J. A sociologia: guia alfabético. Tradução de Ivan Pedro de Martins. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1974.

HEGEL, G. W. F. A Fenomenologia do Espírito (Prefácio, Introdução, Caps. I e II). Seleção, tradução e notas de Henrique Cláudio de Lima Vaz. São Paulo: Abril Cultural: 1980.

HEGEL, G. W. F. Ciencia de la Logica. 2 vol. 6 ed. Tradução de Augusta e Rodolfo Modolfo. Buenos Aires: Librarie Hachette, 1993.

HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas: a Ciência da Lógica. Tradução de Paulo Menezes (Colaboração de José Machado). São Paulo: Edições Loyola, 1995.

HEGEL, G. W. F. Princípios da filosofia do direito. Tradução de Orlando Vitorino. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HYPPOLITE, J. Introdução à História da Filosofia de Hegel. Tradução de Hamílcar de Garcia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução, apresentação e notas de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MERQUIOR, J. G. Arte e sociedade em Marcuse, Adorno e Benjamin: ensaio crítico sobre a escola neohegeliana de Frankfurt. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1969.

MORENTE, Manuel García. Fundamentos de Filosofia: lições preliminares. Tradução e prólogo de Guillermo de la Cruz Coronado. 3. ed. em português. São Paulo: Mestre Jou, 1967.

OLIVEIRA, M. A. de. Hegel, síntese entre racionalidade moderna e antiga? In: CHAGAS, E. F.; UTZ, K.; OLIVEIRA, J. W. J. (org.). Comemoração aos 200 anos da “Fenomenologia do Espírito” de Hegel. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

ROSENFIELD, D. L. Política e Liberdade em Hegel. São Paulo: Brasiliense, 1983.