Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Mediação de Conflitos: Possibilidades de Humanização para a Promoção da Saúde

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/1983-7631/rt.v6n11p177-189

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/tec 

downloadpdf

Maisa Sangy1 & José A. de Oliveira2

 

Resumo: Este estudo teve como objetivo identificar a importância do conceito ‘mediação de conflitos’ como competência a ser desenvolvida pelos profissionais que atuam na área da saúde. Participaram da pesquisa 151 estudantes universitários de Belo Horizonte, MG, com idade média 23,68 anos, sendo 77 % do sexo feminino e mais da metade (51 %) com atuação na área da saúde. Para a coleta de dados foi utilizado um questionário de autopreenchimento com 14 questões divididas em duas sessões: a primeira, composta por nove afirmações que mediram a importância do tema. A segunda com cinco perguntas que avaliaram alguns fatores que envolvem a mediação de conflitos no contexto hospitalar. Foram utilizadas análises estatísticas descritivas.

Palavras-chave: mediação de conflitos, suporte social, promoção da saúde, humanização

 

Abstract: This research has the purpose of identifying the importance of ‘mediation of conflicts’ as competence to be developed by professionals who work in the health field. Participated in the survey 151 university students from Belo Horizonte, MG, Brazil worked in this research and their age average was 23,68 years old. 77% was female and more than half of them (51%) were healthcare workers. For the collected data a questionnaire with 14 questions was divided in two sessions. The first one with nine affirmations which assessed the theme relevance. The second one with five questions that assessed some factors that related to mediation of conflicts in the hospital context. The research used descriptive statistical analyses.

Key words: mediation of conflicts, social support, health promotion, humanization

 

1 Psicóloga, mestranda em Psicologia da Saúde pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP. maisaguedes@gmail.com
2 Professor de Filosofia, Humanidades e Antropologia do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix e da Faculdade de Estudos Administrativos de MG – FEAD. Mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo – UMESP. aparece@gmail.com

 

Literatura Citada

AITKEN, E.V.P. Uma pitada de amor. In: Mezzomo A. A. Fundamentos da humanização hospitalar: uma versão multiprofissional. Santos: Loyola; 2003.

ALEKSANDROWICZ, A. M. C. Participação e integração: o ponto de vista das teorias da auto-organização. Ciências & Saúde Coletiva, v. 14, n.1 p.1609-1618, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v14s1/a34v14s1.pdf>.l Acesso em: 22 mai. 2013.

ANGERAMI-CAMOM, V. A. (Org).; TRUCHARTE, F. A. R.; KNIJNIK, R. B.; SEBASTIANI, R. W. Psicologia Hospitalar: teoria e prática. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

ARRUDA, M.P. A prática da mediação, em busca de um mediador de emoções. Pelotas: Seivas, 2004.

ARRUDA, M. P.; ARRUDA, L. P. O profissional da saúde como um mediador de emoções. Revista Eletrônica de Enfermagem. UFG. Disponível em: <http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/1226>. Acesso em: 20 out. 2010.

BACH, P. Médico não é preparado para viver no mundo dos doentes. O Tempo. 15/03/2011. Disponível em: <http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=165873,OTE> Acesso em: 20 mar. 2011.

BALINT, M. O Médico, seu Paciente e a Doença. Rio de Janeiro: Atheneu, 1984.

BERKMAN, L. F. The role of social relations in the health promotion. Psychosomatic Medicine, v. 57 n. 3, p. 245-254, 1995. Disponível em: http://www.psychosomaticmedicine.org/content/57/3/245.full.pdf+html>. Acesso em: 17 jan. 2013.

BOWLING, A. Measuring health: A review of quality of life measurement scales. Philadelphia. Open University, 1997.

CAPRIGLIONE, Laura. Uma em quatro mulheres relata maus-tratos durante o parto. Folha de S. Paulo. 24/02/2011. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/880316-uma-em-quatro-mulheres-relata-maus-tratos-durante-o-parto.shtml>. Acesso em: 12 abr. 2011.

CASSEL, J.C. The contribution of the social environment to host resistance. American Journal of Epidemiology. v.104, n.2, 1976. Disponível em: <https://campus.fsu.edu/bbcswebdav/institution/academic/social_sciences/sociology/Reading%20Lists/Mental%20Health%20Readings/Cassel-AmEpide-1976.pdf>. Acesso em: 19 set. 2012.

COBB, S. Social support as a moderator of life stress. Psychossomatic Medicine, v.38, n.5, Sep/Oct. 1976. Disponível em: <http://www.psychosomaticmedicine.org/content/38/5/300.short>. Acesso em: 26 set. 2012.

COHEN, S. Social relationships and health. American Psychologist, v. 59, p. 676-684, 2004. Disponível em <http://www.psy.cmu.edu/~scohen/AmerPsycholpaper.pdf> Acesso em 06/07/2011.

CORONETTI, A.; NASCIMENTO, E. R. P.; BARRA, D. C. C.; MARTINS, J. J. O estresse da equipe de enfermagem na unidade de terapiaintensiva: o enfermeiro como mediador. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 35, n. 4, 2006. Disponível em: <http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/394.pdf>. Acesso em: 06 jun. 2011.

DANCEY, C. P.; REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ESPERIDIÃO E.; MUNARI D. B. A formação integral dos profissionais de saúde: possibilidades para a humanização da assistência. Ciênc. Cuid. Saúde, v. 4 n. 2, p. 163-170 2005. Disponível em: <http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/5229>. Acesso em: 10 jun. 2013.

GUEDES, C. R.; NOGUEIRA, M. I.; CAMARGO JR, K. R. A subjetividade como anomalia: contribuições epistemológicas para a crítica do modelo biomédico. Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n.4, p. 1093-1103, 2006. doi

MATURANA, H. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. São Paulo: Palas Athena; 2002.

MEZZOMO, A. A. Fundamentos da humanização hospitalar: uma versão multiprofissional. Santos: Loyola, 2003.

MITCHELL, J.C. The concept and use of social network. In: MITCHELL, J.C. Social networks in urban situations: Analysis of personal relationships in central African towns. Manchester: University, 1969, p. 29-42.

OLIVEIRA, A.; GALEGO, C. A mediação sócio-cultural: um puzzle em construção. Observatório da Imigração. Lisboa: ACIME, 2005. Disponível em: <http://www.oi.acidi.gov.pt/docs/Estudos%20OI/Estudo%2014.pdf> Acesso em: 24 set. 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. OMS. Constituição da Organização Mundial da Saúde, 1948. Disponível em: <http://www.fd.uc.pt/CI/CEE/OI/OMS/OMS.htm>. Acesso em: 20 mar. 2013.

RIBEIRO, José Luiz Pais. Introdução à psicologia da saúde. Coimbra: 2007, Quarteto. (Original 1998).

RODRIGUEZ, M. S., COHEN, S. Social support. Encyclopedia of Mental Health, v. 3, p. 535-544, 1998. Disponível em: <http://www.psy.cmu.edu/~scohen/socsupchap98.pdf>. Acesso em: 17 jan. 2013.

SARASON, B. R.; LEVINE, H.; BASHAN, R.B.; SARASON, I. G. Assessing social support: the social support questionnaire. Journal of Personality and Social Psychology, v. 44, n. 1, p. 121-137, 1983. Disponível em: http://wikieducator.org/images/1/14/Sarason-83-SSQ1.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2013.

SEBASTIANI, R. W.; MAIA, E. M. C. Contribuições da psicologia da saúde-hospitalar na atenção ao paciente cirúrgico. Acta Cirúrgica. Brasileira, v. 20, supl.1, p. 50-55, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/acb/v20s1/25568.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2013.

SCHNITMAN, D.F. Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

SLUZKI, C. E. A rede social na prática sistêmica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

SOUSA, J. V. Mediação. Lisboa: Quimera, 2002.