Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Exclusão em Contextos Inclusivos1

DOI: http://dx.doi.org/10.15601/1983-7631/rt.v6n11p201-212

http://www3.izabelahendrix.edu.br/ojs/index.php/tec 

downloadpdf

Maewa M. G. da S. e Souza2

 

Resumo: A proposta da educação inclusiva se baseia nos pressupostos de que se deve oferecer condições adequadas para permitir a instrumentalização das escolas e dos profissionais da educação, buscando atender com qualidade a diversidade das necessidades educacionais e sociais dos seus alunos, independentemente das diferenças que estes possam apresentar. Nessa perspectiva, esse artigo objetiva discutir teoricamente a construção social da diferença, do desvio e do estigma, considerando esses conceitos como parte integrante do processo de inclusão. Com essas reflexões chega-se a discussão acerca das diversas situações exclusivas que ocorrem em contextos inclusivos. Acredita-se que esse cenário de exclusão pode ser modificado quando se busca repensar uma prática frequente na vida em sociedade, sendo ela a desigualdade social.

Palavras-chave: exclusão, desvio, estigma, inclusão

 

Abstract: The proposal of inclusive education is based on the assumptions that must be offered suitable conditions to allow the instrumentation of schools and education professionals, seeking to meet the diversity of quality educational and social needs of their students, regardless of the differences that they may presente. In this perspective, this article aims to discuss theoretically the social construction of difference, deviance and stigma, considering these concepts as part of the inclusion process. With these reflections arrive at the discussion of the various unique situations that occur in inclusive settings. It is believed that this scenario of exclusion may be modified when trying to rethink common practice in society, and her social inequality.

Key words: exclusion, deviance, stigma, inclusion

 

1 Esse artigo é um recorte da dissertação de mestrado (área da Educação, linha da Educação Especial) da autora e teve apoio da agência de fomento CAPES
2 Pedagoga com Habilitação em Deficiência Intelectual (UNESP/Marília), especialista em Atendimento Educacional Especializado - Deficiência Intelectual (UNESP/Marília) e em Psicopedagogia Clínica e Institucional (INDEP/Marília). Mestranda em Educação - Linha: Educação Especial no Brasil (UNESP/Marília). maewa_martina@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

BALEOTTI, L. R. Um estudo do ambiente educacional inclusivo: descrição das atitudes sociais em relação à inclusão e das relações interpessoais. 2006. 183 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2006.

BECKER, H. S. Outsiders: studies in the Sociology of Deviance. The Free Press of Glencoe, 1966.

BRASIL. Ministério da Educação. A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília, DF: INEP/MEC, 2007. Disponível em: <http://escoladegestores.mec.gov.br/site/8-biblioteca/pdf/qualidade_da_educacao.pdf>. Acesso em: 11 out. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes operacionais da Educação Especial para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008a. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992> Acesso em: 11 out. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento elaborado pelo GT nomeados pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº 948/2007, entre ao Ministério da Educação 07, de janeiro de 2008. Dispõe sobre a Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF.: MEC/SEESP, 2008b. Disponível em: <http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/04_02_2010_17.50.53.7753592ab2e3ae0f6d32e1f88ddb26b7.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento subsidiário à política de inclusão. Brasília, DF.: MEC/ SEESP, 2005. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/docsubsidiariopoliticadeinclusao.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação inclusiva: a escola. v. 3. Brasília, DF.: MEC/SEESP, 2004. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aescola.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação inclusiva: a fundamentação filosófica. v. 1. Brasília, DF.: MEC/ SEESP, 2004. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/fundamentacaofilosofica.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação Infantil: saberes e práticas da inclusão: introdução. ed. 4. Brasília, DF.: MEC/ SEESP, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/avaliacao.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Projeto de lei 8035, de 2010. Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020, e dá outras providências. Encaminhado ao Congresso nacional em dezembro de 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=16478&Itemid=1107>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Saberes e práticas da inclusão: avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais. ed. 2. Brasília, DF.: MEC/ SEESP, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/avaliacao.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Saberes e práticas da inclusão: estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília, DF.: SEESP/MEC, 2003. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/serie4.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Saberes e práticas da inclusão: recomendações para a construção de escolas inclusivas. ed. 2. Brasília, DF.: MEC/SEESP, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/const_escolasinclusivas.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2012.

CHAHINI, T. H. C. Atitudes sociais e opiniões de professores e alunos da Universidade Federal do Maranhão em relação à inclusão de alunos com deficiência na educação superior. (Tese de Doutorado em Educação) Marília, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, 2010.

D’ANTINO, M. E. F. A questão da integração do aluno com deficiência mental na escolar regular. In: MANTOAN, M. T. (Org.). A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon: Edit. SENAC. 1997.

DEXTER, L.A. A social theory of mental deficiency. American Journal of Mental Deficiency, v. 62, p. 920-928, 1958. Disponível em <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/13508710>

DEXTER, L.A. On the politics and Sociology of Stupidity in our society. In: BECKER, H. S. (Orgs.). The Other Side. The Free Press of Glencoe, 1964. p. 49.

DOBZHANSKY, T. O Homem em evolução. São Paulo: Polígono/EDUSP, 1972.

FALK, G. Stigma: how we treat outsiders. New York: Prometheus Books, 2001.

FERREIRA, J. R. Educação especial, inclusão e política educacional: notas brasileiras. In: RODRIGUES, D. (Org.) Doze olhares sobre a inclusão. São Paulo: Summus, 2005

FONSECA-JANES, C. R. X. Educação inclusiva: a visão de futuros profissionais da educação. In: MANZINI, E. J. (Org.) Inclusão do aluno com deficiência na escolar: os desafios continuam. ABPEE: Marília, 2007. p. 101-112.

GLAT, R. Somos iguais a você: depoimentos de mulheres com deficiência mental. Rio de Janeiro: Agir, 1989.

GÓES, M. C. R. Desafios da Inclusão de Alunos Especiais: a escolarização do aprendiz e sua constituição como pessoa. In: GOÉS, M. C. R. e LAPLANE, A. L. F. (Org.). Políticas e Práticas de Educação inclusive. Campinas, SP: Ícone, 1988.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, 1963.

INFOPÉDIA. Dicionário de Língua Portuguesa Online. Porto: Porto Editora, 2003. Disponível em: <http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/estigma> Acesso em: 14 de out. 2012.

KASSAR, M. M. Modos de participação e constituição de sujeitos nas práticas sociais: a institucionalização de pessoas com deficiência múltipla. 1999. Tese (Doutorado em Educação) UNICAMP.

MAIA, A. C. B.; ARANHA, M. S. F. Concepções de professores sobre a sexualidade de pessoas com deficiência. In: MANZINI, E. J. (Org.). Inclusão do aluno com deficiência na escola: os desafios continuam. ABPEE: Marília, 2007. p.63-74.

MENDES, E. G. Deficiência mental: a construção científica de um conceito e a realidade educacional. 1995. 387 f. Tese (Doutorado em psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

OMOTE, S. Estigma no tempo da inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 10, n. 3, p. 287-308 2004. Disponível em <http://educa.fcc.org.br/scielo.php?pid=S1413-65382004000300004&script=sci_arttext>

OMOTE, S. Inclusão da intenção à realidade. In: OMOTE, S. (Org.) Inclusão: intenção e realidade. Marília: Fundepe, 2004. p.1-10.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>

SASSAKI, R. K. Deficiência mental ou deficiência intelectual. Revista Nacional de Reabilitação, ano IX, n. 43, p.9-10, mar/abr. 2005.

SAWAIA, B. Exclusão ou inclusão perversa? In: SAWAIA, B. (Org.). As Artimanhas da Exclusão: uma análise psicossocial e ética da desigualdade social. São Paulo: Vozes, 2001.p. 7-13.

SCHNEIDER, D. “Alunos excepcionais”: um estudo de caso de desvio. In: VELHO, G. (Org.). Desvio e Divergência. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. p. 52-81.

VELHO, G. O Estudo do Comportamento Desviante: a contribuição da Antropologia Social. In: VELHO, G. (Org.). Desvio e Divergência. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. p. 11-28.