Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Contribuição da Literatura no Ensino Jurídico

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-1228/cd.v13n25p83-102

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/direito/index 

downloadpdf

Patrícia Kotzias1

 

Resumo: O ensino jurídico positivista cumpre a função disciplinadora do Direito e marginaliza o pensamento crítico. Há muito são discutidos métodos alternativos de ensino para libertação do jurista e, com este, da própria ciência jurídica. A transcendência do paradigma positivista pode ser conquistada por meio de um ensino jurídico de cunho interdisciplinar e reflexivo. Para tanto, ferramentas extrajurídicas, como a literatura, contribuem para a formação de juristas críticos e de um Direito apto a solucionar conflitos macrossociais. Neste sentido, é objetivo deste artigo demonstrar o contexto e as contribuições da literatura no ensino do Direito, uma vez que é ela capaz de oferecer o precioso testemunho da realidade.

Palavras-chave: dogma e positivismo, ensino crítico e interdisciplinar, direito e literatura

 

Abstract: The positivist legal education complies with the disciplinary function of Law and marginalizes critical thinking. It has long been discussed alternative teaching methods to release the lawyer and, with him, the very legal science. The transcendence of the positivist paradigm can be achieved through an interdisciplinary and reflexive legal education. Therefore, extralegal tools, such as literature, can contribute to the formation of critical lawyers and a law system that is able to solve macro social conflicts. In this sense, the objective of this paper is to show the context and the contributions of literature in the teaching of Law, since it is able to offer the precious testimony of reality.

Key words: dogma and positivism, critical and interdisciplinary teaching, law and literature

 

1 Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na área de Direito, Estado e Sociedade. Pós-Graduanda em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET). Membro do Grupo de Pesquisa Direito Ambiental e Ecologia Política na Sociedade de Risco (GPDA- UFSC/CNPq). kotzias@gmail.com

 

Literatura Citada

AGUIAR, R. A. R. de. Direito, poder e opressão. 3. ed. rev. atual. São Paulo: Alfa-Omega, 1990.

BARROS, J. D. A. Sobre a noção de paradigma e seu uso nas ciências humanas. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, v. 11, n. 98, p. 426-444, 2010.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: Editora 34, 2010.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução. Petrópolis: Vozes, 2008.

COLAÇO, T. L. Humanização do ensino do direito e extensão universitária. Revista Sequência, n. 51, p. 233-242, 2006.

DEMO, P. Universidade, aprendizagem e avaliação. Porto Alegre: Mediação, 2005.

DERANI, C. Direito ambiental econômico. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

DINAMARCO, C. R. A instrumentalidade do processo. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 1994.

GALVÃO, L. M. In: SIMPÓSIO DE DIREITO E LITERATURA, 1., 2011. Florianópolis. Anais… Florianópolis: Fundação Boiteux, 2011.

GROSSI, P. O direito entre o poder e o ordenamento. Tradução: Arno Dal Ri Jr. Belo Horizonte: Del Rey, 2010.

KELSEN, H. Teoria pura do direito. Tradução de João Baptista Machado. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

KELSEN, H. O que é justiça? A justiça, o direito e a política no espelho da ciência. Tradução de Luís Carlos Borges. 3.. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LEIS, H. R. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, n. 73, p. 2-23, 2005.

MANCUSO, R. C. Interesses difusos: conceito e legitimação para agir. 7. ed. rev. E atual. São Paulo: RT, 2011.

MARTINS, A. C. M.; OLIVEIRA, C. L. A contribuição de Klaus Günther ao debate acerca da distinção entre regras e princípios. Revista Direito GV, v. 2, n. 1, p. 241-254, 2006.

MASETTO, M. T. Inovação na aula universitária: espaço de pesquisa, construção de conhecimento interdisciplinar, espaço de aprendizagem e tecnologias de comunicação. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 2, p. 597-620, 2011.

MAZZILLI, H. N. A defesa dos interesses difusos em juízo: meio ambiente, consumidor, patrimônio cultural, patrimônio público e outros interesses. 25. ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Saraiva, 2012.

MONTEIRO, C. S. Temas de filosofia do direito: decisão, argumentação e ensino. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004.

MORAIS, J. L. B. Crise(s) da jurisdição e acesso à justiça. In: SALES, L. M. de M. (Coord.). Estudos sobre mediação e arbitragem. Fortaleza: ABC, 2003.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo/Brasília: Cortez/Unesco, 2000.

OLIVO, L. C. C. Panorama da pesquisa em direito e literatura. In: OLIVO, L. C. C. (Org.). Novas contribuições à pesquisa em direito e literatura. 2. ed. Florianópolis: UFSC/Fundação José Boiteux, 2012. p. 13-30.

OLIVO, L. C. C.; SIQUEIRA, A. B. P. O direito e o absurdo: uma análise de “O estrangeiro”, de Albert Camus. Revista Sequência, n. 56, p. 259-276, 2008.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor. Porto Alegre: Artmed, 2002.

RODRIGUES, H. W. Ensino jurídico e realidade social. Revista Sequência, Florianópolis, n. 17, p. 77-87, 1988. Disponível em: <http://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/16281/14817>. Acesso em: 5 mar. 2013.

RODRIGUES, H. W. Por um ensino alternativo do Direito. Revista Sequência, Florianópolis, n. 20, p. 51-65, 1990. Disponível em: <http://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/16226/14774>. Acesso em: 5 mar. 2013.

RODRIGUES, H. W. Pensando o ensino do direito no século XXI: diretrizes curriculares, projeto pedagógico e outras questões pertinentes. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2005.

SANTOS, B. S. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SCHWARTZ, G. A Constituição, a literatura e o direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

TRINDADE, A. K.; GUBERT, R. M. Direito e literatura: aproximações e perspectivas para se repensar o direito. In: TRINDADE, A. K.; GUBERT, R. M.; COPETTI NETO, A. (Orgs.). Direito e literatura: reflexões teóricas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

WARAT, L. A. Introdução geral ao direito. Interpretação da lei: temas para uma reformulação. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1994.