Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Igreja Metodista no Brasil, suas Universidades, Escolas e Igrejas Diante da Temporalidade Pós-Moderna: Um Desafio que Requer Um Esforço em Conjunto

DOI: http://dx.doi.org/10.15599/0104-4834/cogeime.v23n44p49-64

https://www.redemetodista.edu.br/revistas/revistas-cogeime/index.php/COGEIME/index 

downloadpdf

Helmut Renders1

 

Resumo: Uma nova norma normans se impõe à vida nas comunidades da fé, nos colégios e nas universidades: a aceleração do tempo sentida como aceleração das mudanças tecnológicas, sociais e do ritmo de vida. Nesta nova temporalidade perdem as instituições e as longas narrativas (tradições e utopias) seu histórico lugar e poder de significação do presente, substituído pelo modelo da inovação. O artigo reflete sobre o impacto dessa temporalidade da pós-modernidade em igrejas, colégios e universidades da Igreja Metodista no Brasil, questiona seu tratamento parecido a um inevitável fenômeno natural e aponta aspectos de superação desse impasse.

Palavras-chave: temporalidade da pós-modernidade, aceleração do tempo, mudanças sociais, ritmo de vida, experiência religiosa, educação, Igreja Metodista no Brasil

 

Abstract: A new norma normans is imposed to life in communities of faith, in colleges and universities: the acceleration of time felt like acceleration of technological and social change, and the acceleration of time in general. In this new temporality institutions and long narratives (traditions and utopias) lose its historical place and power of given meaning, and are replaced by the model of innovation. The article reflects on the impact of this temporality of late modernity in churches, colleges and universities of the Methodist Church in Brazil, questions its treatment as an inevitable natural phenomenon and points to ways to overcome this impasse.

Key words: temporality of post-modernity, acceleration of time, social change, rhythm of life, religious experience, education, Methodist Church in Brazil

 

1 Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo e Estágio Pós-Doutoral em Ciência da Religião na Universidade Federal de Juiz de Fora. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião e Professor da Faculdade de Teologia da UMESP. helmut.renders@metodista.br

 

Literatura Citada

ATTALI, J. Histoires du temps. Paris: Fayard, 1982.

BITTENCOURT FILHO, J. Matriz Religiosa Brasileira: religiosidade e mudança social. Petrópolis: Vozes-Koinonia, 2003.

CONTRERAS, M. “Topografía de procesos y conceptos: globalización, mundialización y kairos transformacional.” Revista Venezolana de Análisis de Coyuntura, vol. 5, n. 1, p. 149-176 (jan./jun. 1999).

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

ELIAS, N. Time: An essay. Trad.: Edmund Jephcott. Oxford, GBR; Cambridge, EUA: Blackwell, 1990.

FLUSSER, V. Do tempo e como ele acabará. São Paulo: OESP – Suplemento Literário, 1962.

FOX, M. A vinda do Cristo cósmico: cura da mãe terra e o surgimento de uma renascença planetária. Rio de Janeiro: Record/Nova Era, 1995.

GARCIA, V. Romano. Ordem cultural e ordem natural do tempo. São Paulo: CISC – Centro Interdisciplinar de Semiótica, Cultura e Mídia, 2001. Disponível em: <http://www.cisc.org.br/biblioteca/temporalidade.pdf >. Acesso em: 10 out. 2013.

GLEICK, J. A velocidade da vida moderna: acelerado o desafio de lidar com o tempo. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

GRÜNDEL, J. Kairos. In: Lexikon für Theologie und Kirche. Vol. 5. Freiburg 1996, col. 1.129-1.131.

HEATH, E. A. Naked faith: the mythical theology of Phoebe Palmer. With na introduction of William J. Abraham. Cambridge: James Clarke & CO, 2010.

HOBFOLL, S. E.; FREEDY, J. Conservation of resources: A general stress theory applied to burnout. In: W. B. Schaufeli, C. Maslach and T. Marek (orgs.). Professional burnout: Recent developments in theory and practice. Washington, D.C.: Taylor and Francis, 1993. p. 115-133.

JONSON, B. Dez considerações sobre o tempo. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004.

LOPES, N. Identidade missionária em perspectiva wesleyana: responsabilidade social, pregação e educação. São Bernardo do Campo: EDITEO, 2013. 286 p., il. map. tab.

MEDEIROS, B.; MONTEIRO, M.; MATSUMOTO, R. Tempo e performance. Brasília: Editora de pós-graduação em arte da Universidade de Brasília, 2007.

MOLTMANN, J. Teologia da esperança: estudos sobre os fundamentos e as consequências de uma escatologia cristã. Tradução Helmut Alfredo Simon. Revisão Nélio Schneider. ed. rev. e atual. São Paulo Editora Loyola, 2005.

PELBART, P. Pál. O tempo não reconciliado. São Paulo: Perspectiva, 1998.

QUINTANA, M. A cor do invisível. São Paulo: O Globo, 2005.

RECKWITZ, A. Die Erfindung der Kreativität: zum Prozess gesellschaftlicher Ästhetisierung. 3. ed. Berlin: Suhrkamp, 2013.

RENDERS, H. A mística apofática como chave de leitura de Phoebe Palmer: resenha do livro “Fé nua” de Elaine A. Heath. In: Caminhando v. 16, n. 1, p. 157-161 (jan./jun. 2011). Disponível em: < https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CA/article/viewFile/2421/2530 >. Acesso em: 20 abr. 2014.

RENDERS, H. “Religião wesleyana do coração e religião cordial brasileira: ‘união mística’ com a matriz religiosa brasileira ou porta para uma imersão cultural transformadora?”. In: RENDERS, Helmut e SOUZA, José Carlos. Teologia wesleyana, latino-americana e global: uma homenagem a Rui de Souza Josgrilberg. São Bernardo do Campo: Editeo, 2011, p. 181-198. Disponível em: <http://www.academia.edu/attachments/31075222/download_file >. Acesso em: 8 mai. 2013.

ROSA, H. Beschleunigung und Entfremdung. Berlin: Suhrkamp, 2013.

ROSA, H. Beschleunigung. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2005.

ROSA, H. Weltbeziehungen im Zeitalter der Beschleunigung. Berlin: Suhrkamp, 2012.

SOUSA, C. Prado de. Limites e possibilidades dos programas de aceleração de aprendizagem. In: Cadernos de Pesquisa, n. 108, p. 81-109 (nov. 1999).

TILLICH, P. Teologia sistemática. Tradução Gertúlio Bertelli e Geraldo Korndoerfer. São Leopoldo, RS: Sinodal, 2005.

VALENCIA GARCÍA, G. Entre cronos y kairós. Las formas del tiempo sociohistórico. Barcelona, España: Anthropos, 2007.

WALLERSTEIN, I. M. Unthinking Social Science: the limits of nineteenth century paradigms. 2. ed. Philadelphia: Temple University Press, 2001.