Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Participação Infantil no Cotidiano de Uma Comunidade Quilombola: Aprendendo com os Líderes

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n1p9-21

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Viviane M. Luiz1

 

Resumo: O presente artigo consiste na narrativa da particularidade histórica da comunidade quilombola Ivaporunduva, localizada na região do Vale do Ribeira, entre os estados de São Paulo e Paraná, no Brasil. É a partir dos enunciados das gerações que vivem nessa comunidade que buscamos compreender de que modo elas significam sua história e a história de seu povo. A metodologia adotada, de cunho etnográfico, foi a de acompanhar o cotidiano da comunidade, compreendendo seu processo educativo a partir da educação difusa, bem como da análise dos enunciados dos pequenos quilombolas de Ivaporunduva, suas crianças, estabelecendo relações entre seus enunciados e o processo educativo desenvolvido por seus membros adultos. No Quilombo de Ivaporunduva, a história cultural está fundamentada na tradição oral, que ocorre nas interações intra e entre famílias e com as comunidades quilombolas irmãs. Para os quilombolas de Ivaporunduva, mas não somente para eles, a territorialidade representa o locus de reprodução da vida em seus aspectos material e imaterial. A terra é como uma mãe que acolhe, dá o sustento e propicia a reprodução da vida. Apresentam a terra como sujeito histórico, social e político, refutando seu assujeitamento.

Palavras-chave: identidade quilombola, atores sociais, narrativas infantis

 

Abstract: This paper is a narrative of the historical particularity of the Ivaporunduva quilombola community, located in the Vale do Ribeira region between the States of São Paulo and Paraná, Brazil. Starting from the stories of the generations that live in this community that we sought to understand how they signify their history and the history of their people. The adopted methodology, of an ethnographic approach, was to follow the daily life of the community, understanding their educational process through a diffuse process, as well by the analysis of the talk of the young Ivaporunduva quilombola, their children, establishing correlations between their utterances and the educational process implemented by the adult members. In the Ivaporunduva quilombo, the cultural history is based on oral tradition, which occurs in the interactions within and between families and with sister quilombola communities. For the Ivaporunduva quilombola, but not only for them, territoriality represents the locus for the reproduction of life in its material and non material aspects. The earth is like a mother who welcomes, gives support and provides for the reproduction of life. They present the land as a historical, social and political subject that rejects its subjectification.

Key words: quilombola identity, social actors, children’s stories

 

1 Mestre em Educação. Universidade Metodista de Piracicaba – UNIMEP. vianeluiz@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? 3.ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1995.

BAKHTIN , M. V. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 6.ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

BAKHTIN , Mikhail M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992-2000.

BOSI , E. Memória e sociedade: lembrança de velhos. 3.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CHAUI , M. O que é ideologia. 8.ed. São Paulo: Brasiliense, 1982.

EZPELETA, J; ROCKWELL, E. Pesquisa participante. 2. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989.

HAMPATÉBÂ. A. A tradição viva. In: KI. ZERBO . Joseph. (Org.). História geral da África I: metodologia e pré-história da África. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. 992p.

HELLER, A. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

HOBSBA WM, E. J. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

INSTITUTO DE TERRAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (ITESP). Negros do Ribeira. São Paulo: Procuradoria da República no Estado de São Paulo/Ministério Público Federal, 2000.

LESSA , S; TONE T, I. Introdução à filosofia de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Trad. José Carlos Bruni e Marco Aurélio Nogueira. 4.ed. São Paulo: Hucitec, 1984.

MOURA, C. Quilombos: Resistência ao escravismo. 3.ed. São Paulo: Ática, 1992.

SANTOS , M. O espaço do cidadão. São Paulo: EDUS P, 2007.

SERRANO , C; WALDMAN , M. Memória D’África: A temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, V. G. O antropólogo e sua Magia: trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre religiões afro-brasileiras. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

SILVA, P.B.G. Aprendizagem e Ensino das Africanidades Brasileiras. In: MUNANGA, K. (Org.). Superando o racismo na escola. 3.ed. [Brasília]: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental, 2001.