Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Educação das Relações Étnico-Raciais na Linguagem e Diálogos Brasileiros

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n1p67-90

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Noedi Monteiro1

 

Resumo: O propósito do artigo é enfocar a trajetória das relações étnico-raciais desenvolvidas e aplicadas no Brasil, ao longo de sua história, como das linguagens específicas inerentes à convivência e formação do povo brasileiro. De experiências culturais negra, indígena e europeia, a formação do povo foi influenciada por teorias e conceitos forjados no poder da colonização e em sua hierarquia dominante. Abordaremos a dimensão de como as imagens e outras figuras exercem forte poder persuasivo, pela repetição de clichês e estereótipos, que se transformam num foro de verdade com o passar dos tempos. Pensar o negro como imagem depreciativa é tê-lo como incapaz de trilhar o caminho da civilização como uma raça subordinada, conforme as teorias raciais de Lapouge (1854-1930), Spencer (1820-1903), Ingenieros (1877-1925), Nina Rodrigues (1862-1906) e Oliveira Viana (1833-1951).

Palavras-chave: educação, relações étnico-raciais, diálogos, linguagem, racismo, estereótipos

 

Abstract: The purpose of the article is to focus on the pathways of the ethnic and racial relations developed and applied in Brazil, throughout its history, as well as to specific languages inherent to the living together and the formation of the Brazilian people. The formation of the people, born out of black, indigenous and cultural experiences, was influenced by theories and concepts forged under the power of the colonization and its dominant hierarchy. We´ll deal with the dimension of how images and other figures have strong persuasive power, through the repetition of clichés and stereotypes that become a recognized truth as time goes by. To consider the blacks in a disparaging way is to conceive them as a subordinate race unable to walk the path of civilization in line with the racial theories de Lapouge (1854-1930), Spencer (1820-1903), Ingenieros (1877-1925), Nina Rodrigues (1862-1906) and Oliveira Viana (1833-1951).

Key words: education, ethnic and racial relations, dialogues, language, racism, stereotypes

 

1 noedimonteiro@yahoo.com.br

 

Literatura Citada

ALPHONSUS , João. Totônio Pacheco. Rio de Janeiro: Editora Imago, 1976.

ARANHA, Altair J. Dicionário Brasileiro de Insultos. Cotia: Ateliê Editorial, 2002.

ARARIPE, Tristão de Alencar et al (Org.). O Direito: revista mensal de legislação, doutrina e jurisprudência. Vol. 110. Michigan: Typographia Theatral e Commercial, 1909.

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. 6. ed. São Paulo: Ática, 1974.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho. Para além das relações raciais: por uma história do racismo. In: AZEVEDO, Célia Maria Marinho. Anti-racismo e seus paradoxos: reflexões sobre cota racial, raça e racismo. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2004.

AZEVEDO, Thales de. Cultura e Situação Racial no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966, p. 45. (Retratos do Brasil, v. 42)

BARROS , Rachel Rocha de Almeida. O lugar social das Palavras Africanas no Português do Brasil. In: CAVALCAN TI, Bruno Cesar; FERNANDES , Clara Suassuna; BARROS , Rachel Rocha de Almeida (Orgs.) Kulé-Kulé: visibilidades negras. Maceió: Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro, NEAB /UFAL, 2006.

BASTIDE, Roger; FERNANDES , Florestan. Brancos e negros em São Paulo: ensaio sociológico sobre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulistana. 4.ed. São Paulo: Global Editora, 2008.

BORBA , Julia. Campanha da Devassa é considerada abusiva. Folha de São Paulo, B6 Mercado 1, sábado, 5 out. 2013.

BOTELHO, Paula. Linguagem e letramento na educação dos surdos: ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2005 (Coleção Trajetória).

BRANDÃO, Maria de Azevedo. Conversa de Branco: questões e não-questões da literatura sobre relações raciais. Revista Vozes, Ano 73, v. LXXIII , abril 1979, n.3.

BROOKSHAW, David. Raça e Cor na Literatura Brasileira. Trad. Marta Kirst. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

CHAVES DE MELLO, Gladstone. A Língua do Brasil. 4 ed. Rio de Janeiro: Padrão Livraria Editora, 1981.

CHIAVENATO, Júlio José. O Negro no Brasil: da senzala à abolição. São Paulo: Editora Moderna, 1999.

COSTA E SILVA, Alberto de. A Manilha e o Libambo: A África e a escravidão de 1500 a 1700. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

CARDOSO, Fernando Henrique. Capitalismo e Escravismo: o Negro na Sociedade Escravocrata do Rio Grande do Sul. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1962. (Corpo e Alma do Brasil)

CARNEIRO, Édison. Ladinos e Crioulos: estudos sobre o negro no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Trad. e notas de Sérgio Milliet. Apresentação de Mário Guimarães Ferri. v. I, II , III . Belo Horizonte: Livraria Itatiaia Editora, 1972. (Coleção Reconquista do Brasil, v. 56)

DEGLER, Carl. N. Nem preto nem branco: escravidão e relações raciais no Brasil e nos EUA . Trad. Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: Editorial Labor do Brasil, 1971.

DOMINGUES , Petrônio José. Uma História Não Contada: negro, racismo e branqueamento em São Paulo no pós-abolição. São Paulo: Editora Senac, 2004.

EWBANK, Thomas. Vida no Brasil ou Diário de uma visita à Terra do Cacaueiro e da Palmeira. São Paulo: Editora da US P; Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1976.

FERNANDES , Florestan. Integração do Negro na Sociedade de Classes: no limiar de uma era. Volume II . São Paulo: Editora Globo, 2008.

FERRO, Marc. A manipulação da história no ensino e nos meios de comunicação. Trad. Wladimir Araújo. São Paulo: Ibrasa, 1983.

FIGUEIREDO, Ariosvaldo. O negro e a violência do branco: o negro em Sergipe. Rio de Janeiro: José Álvaro, 1977.

FIGUEIREDO, Cândido. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Egypt: Library of Alexandria, 1925.

FISCHER, Luís Augusto. Parnasianismo Brasileiro: entre ressonância e dissonância. Porto Alegre, Edipucrs, 2003. (Coleção Memória das Letras 13)

FLORES , Moacyr. Negros e Índios: literatura e história. Porto Alegre: Edipucrs, 1994.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 30. ed. Rio de Janeiro: Record, 1995.

GAMA , LUIZ. Primeiras Trovas Burlescas. Rio de Janeiro, 1861. In: AZEVEDO, Célia Maria Marinho. Anti-racismo e seus paradoxos: reflexões sobre cota racial, raça e racismo. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2004.

GOFFMAN , Erving. Estigma: Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

GUIMARÃES , Bernardo. A escrava Isaura. São Paulo: Editora Moderna, 1994. (Coleção Travessias)

GUIMARÃES , Bernardo. Uma história de quilombolas. In: Lendas e Romances. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

HABERMAS , Jurgen. Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Brasiliense, 1983.

HOFBAUER, Andreas. Uma história de branqueamento ou o negro em questão. São Paulo: Editora da Unesp, 2006.

HOUAISS , Antônio. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JAKOBSKIND, Mário Augusto. A Hora do Terceiro Mundo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1982.

KLINEBERG, Otto. As diferenças raciais. Trad. Gioconda Mussolini. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1966. (Biblioteca Universitária, Série 2ª, Ciências Sociais, v.14)

LIMA , Marcus Eugênio Oliveira; PEREIRIA , Marcos Emanoel Pereira (Orgs.). Estereótipos, preconceitos e discriminação: perspectivas teóricas e metodológicas. Salvador: Editora UFBA , 2004.

LIPPMANN , Walter. Opinião Pública. Trad. Jacques A. Wainberg. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

LOTTI, Luiza Horn. Imigração e colonização: legislação de 1747 a 1915. Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul, 2001.

LUSTOSA , Isabel (Org.). Imprensa, Humor e Caricatura: a questão dos estereótipos culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

MACEDO SOARES , Antônio Joaquim. Diccionario Brazileiro da Lingua Portugueza. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1889.

MACHADO, Antônio de Alcântara. Brás, Bexiga e Barra Funda e outros contos. São Paulo: Editora Moderna, 1997.

MAGNOLI, Demétrio. Uma gota de Sangue: História do pensamento racial. São Paulo: Editora Contexto, 2009.

MÁRIO FILHO. O Negro no Futebol Brasileiro. 5.ed. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

MATOS , Maria Zilá Teixeira. Bonecas negras, cadê? Belo Horizonte: Edições Mazza, 2004.

MATTOS . Guiomar. O preconceito nos livros infantis. Revista Forma, n.4, dez. 1954.

MENDONÇA , Renato. A Influência Africana no Português do Brasil. 4.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973. (Coleção Retratos do Brasil, v. 83)

MENDES , Josué. Poesia Científica: Pensar Sentindo Sentir Pensando. Brasília: EME Editora, 2004.

MONTEIRO, Noedi. Abordagem de Linguagem e de Diálogos sobre Relações Etnicorraciais. 2009. 183f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro Universitário Salesiano de São Paulo, 2009.

MOURA, Clóvis. Dicionário da Escravidão Negra no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

MULHOLLAND, Lúcia. Essa negra fulô!: romance. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1946.

NASCIMEN TO, José Leonardo do. Euclides da Cunha e a Estética do Cientificismo. São Paulo: Editora da Unesp, 2010.

NOGUEI RA, Oracy; CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Preconceito de Marca: as relações raciais em Itapetininga. São Paulo: Edusp, 1998.

PALIAKOV, Léon. O mito ariano. Trad. de Luiz João Gaio. São Paulo: Editora Perspectiva, 1971.

PINHO, Patrícia de Santana. Reinvenções da África na Bahia. São Paulo: Annablume, 2004.

POMPÊO, Antonio. Os Paulistas e a Igreja. v.II . São Paulo: Empreza Graphica da Revista dos Tribunaes, 1929.

PRATA, Mário. Mas será o Benedito? Dicionário de provérbios, expressões e ditos populares. São Paulo: Editora Globo, 1996.

RAEDERS, Georges. O Conde de Gobineau no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

RAIMUNDO, Jacques. O Elemento Negro Afro-Negro na Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Renascença Editora, 1933.

ROMÃO, Victor Hugo. Por dentro do redemunho. São Paulo: Scortecci, 1995.

ROMERO, Silvio. História da Literatura Brasileira. Tomo III , 3.ed. Organizada por Nelson Romero. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1943. (Coleção Documentos Brasileiros, v. 24)

ROSSATO, Cesar; GESSER, Verônica. A experiência da branquite diante de conflitos raciais: estudos de realidades brasileiras e estadunidenses. In: CAVALLEI RO, Eliane. Racismo e antirracismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Edições Selo Negro, 2001.

SANTOS , Rogério Fernandes. A influência dos estereótipos no julgamento da veracidade de enunciados. 2008. 158f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal da Bahia, 2008.

SANTOS , Wayne Tobelem dos. Compreendendo os Hinos Brasileiros. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

SILVA, Mozart Linhas da. Direito e Medicina no Processo de Invenção do Anormal no Brasil. In: SILVA, Mozart Linhares da Silva (Org.). História, Medicina e Sociedade no Brasil. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2003.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no Branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Trad. Raul de Sá Barbosa. 2.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989. (Coleção Estudos Brasileiros, v. 9)

SEITENFUS , Ricardo. Lei Internacional (Org.). 2. ed. Barueri: Manole, 2009.

TAYLOR, Charles. El multiculturalismo y la politica del reconocimiento. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 1994.

TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

TOLLENARE, Louis-François. Notas Dominicais tomadas durante uma viagem em Portugal e no Brasil em 1816, 1817 e 1818. Salvador: Livraria Progresso, 1956.

VIANNA , Oliveira. Populações meridionais do Brasil, história, organização, psicologia. 4.ed. v.I. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. (Biblioteca Pedagógica Brasileira: Brasiliana)

VENTURA, Roberto. Casa-Grande & Senzala. São Paulo: Publifolha, 2000.

VILLELA, Fábio Goulart. Manual de Direito do Trabalho: teoria e questão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.