Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Quilombo Ivaporunduva: Processo Histórico e Organização Social e Territorial

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n1p137-152

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Márcia C. Américo1

 

Resumo: Este texto é resultado da pesquisa concluída no curso de mestrado em educação, que teve como proposta caracterizar a vida da Comunidade Negra Agroflorestal Quilombo Ivaporunduva, localizada no Vale do Ribeira, no Estado de São Paulo, focando o processo histórico e a organização social e territorial dessa população. Com elementos que caracterizam a pesquisa etnográfica, a investigação buscou reconstruir a história da Comunidade Tradicional Quilombo Ivaporunduva, a partir das memórias dos quilombolas sobre seu passado, seu trabalho, seus confrontos e resistências para permanecerem no território. Sua organização familiar, seus modos de pensar, suas críticas em relação ao sistema econômico, político e social, no qual foram e continuam inseridos, não podem ser dissociados de todo esse mais amplo contexto de estrutura e poder social. Concluiu-se que as relações que os quilombolas de Ivaporunduva mantêm com outras organizações sociais e o modo como se articulam em defesa de seu território são ações que os constituem como sujeitos de sua história coletiva e essas actions são compreendidas como práticas educativas.

Palavras-chave: quilombo, território, organização social

 

Abstract: This article shows the results of the already finished research for the Master of Education course, which intended to characterize the life of the Black Agroforestry Community Quilombo Ivaporunduva, located in Vale of the Ribeira, in the State of São Paulo, focusing on the historical process and on the social and territorial organization of this population. With elements that characterize the ethnographic work, the research sought to reconstruct the history of the Traditional Community Quilombo Ivaporunduva from the memories of the quilombolas about their past, their work, their confrontations and resistance to remain in the territory. Their family organization, their thinking, their criticism of the economic, political and social system in which were and remain inserted cannot be separated from all this broader context of social structure and power. It was concluded that the relations that the Ivaporunduva quilombolas maintain with other social organizations and the way they articulate themselves for the defense of their territory are actions that constitute them as subjects of their collective history and these actions are understood as educational practices.

Key words: quilombo, territory, social organization

 

1 UNIMEP, Universidade Metodista de Piracicaba. cristinamerico@gmail.com

 

Literatura Citada

ALMEIDA, Acácio dos Santos. Educação para as Relações Étnico Raciais e as Comunidades Quilombolas. In: Secretaria da Educação de São Paulo. Videoconferência: “Educação para as Relações Étnico Raciais e as Comunidades Quilombolas” para refletir junto aos profissionais da Educação sobre o significado do dia 20 de novembro e a participação do negro na sociedade brasileira, 2012. Disponível em: http://www.rededosaber.sp.gov.br/portais/Videoteca/tabid/179/language/pt-BR/Default.aspx- Acesso em: 09 Dez. 2012.

ALTUNA , Raul Ruiz de Asúa. Cultura Tradicional Banto. Secretariado Arquidiocesano de Pastora, Luanda, 1985.

ANTUNES , Ricardo. Adeus ao trabalho? 3. ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP.: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1995.

AMORIN , Marília. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas Ciências Sociais. São Paulo: Musa, 2004.

DUTRA, Mara Vanessa Fonseca. Direitos quilombolas: um estudo do impacto da cooperação ecumênica. Rio de Janeiro: Koinonia Presença Ecumênica e Serviço, 2011.

EZPELETA, Justa; ROCKWELL, Elise. Pesquisa participante. 21.ed. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1989.

GUSMÃO, Neusa. M. M. Negro e camponês: cultura política e identidade no meio rural brasileiro. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 6, n. 3, 1992.

HAMPATÉBÂ, Amadou. A tradição viva. In: KI. ZERBO , Joseph. História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África / editado por. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010. (p.181-218).

HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ISA - Instituto Socioambiental. Agenda Socioambiental de Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira. São Paulo, 2008.

LUIZ, Viviane. O quilombo de Ivaporunduva a partir do enunciado de suas crianças: participação infantil no cotidiano da vida em comunidade. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Metodista de Piracicaba, UNIMEP, Piracicaba.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Da Fala para a Escrita: Atividade de Retextualização. 2. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2001.

MARX, K. ; ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução de José Carlos Bruni e Marco Aurélio Nogueira. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1984.

MUNANGA, Kabenguele. Origem e Histórico do Quilombo na África. Revista USP, São Paulo (28): 55-63, dez/fev. 95/96.

MUNANGA, Kabenguele. Origens africanas do Brasil comtemporâneo: histórias, línguas, culturas e civilizações. São Paulo: Global, 2009.

O`DWYER, Eliane Cantarino (Org.). Terra de Quilombos. Associação Brasileira de Antropologia. Rio de Janeiro: Decania CFCH/ UFRJ, 1995.

PETRONILHA, Beatriz Gonçalvez e Silva. Aprendizagem e ensino das africanidades brasileiras. In: Kabenguele Munanga (Org.). 2.ed. Superando o racismo na escola. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Brasília, 2005.

RATTS, Alex. A face quilombola do Brasil. In: SILVÉRIO , Valter Roberto; MATTIOLO, Érica Aparecida Kawakami; MADIERA, Thais Fernanda Leite (Orgs.) Relações Étnico Raciais: Um percurso para educadores. v.2, São Carlos, SP: Editora da Universidade Federal de São Carlos, 2012, p. 133-154.