Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Territórios Negros: Migrações e Reterritorialização do Espaço Urbano Periférico

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n1p167-190

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Juliana S. M. Yade1

 

Resumo: Este ensaio refere-se aos movimentos migratórios ocorridos entre a população negra no período pós-abolição. São histórias de chegada à cidade de Carapicuíba – São Paulo, na primeira metade do século XX, que narram os processos de reterritorialização do espaço. Nossa reflexão é fruto de uma pesquisa para o mestrado em educação que utiliza a história de vida, por meio da história oral e de fontes fotográficas, para a elaboração das referências de população negra na localidade de Carapicuíba.

Palavras-chave: migração, população negra, periferia

 

Abstract: This essay deals with the migratory movements that occurred among the black population in the post-abolition period. It includes stories of their arrival in the town of Carapicuíba - São Paulo, in the first half of twentieth century, which describe the processes of the reterritorialization of the space. Our reflection is the result of a research for a master’s theses in education using the life history, via the oral history and use of photographic sources to create references for the black people in the city of Carapicuíba.

Key words: migration, black population, periphery

 

1 UFC, Universidade Federal do Ceará. juli.soul@hotmail.com

 

Literatura Citada

ALMEIDA, Maria Aparecida. Uberlândia: as periferias e o mito do oásis social. 1996. Monografia (Bacharelado em Geografia), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

ANJOS , Rafael Sanzio Araújo dos. Quilombos – Geografia Africana Cartografia Étnica Territórios Tradicionais. Brasília: Mapas Editoras& Consultoria, 2009.

ARAÚJO, Manuel G. Mendes de. Espaço urbano demograficamente multifacetado: as cidades de Maputo e da Matola. Disponível em: <http://www.apdemografia.pt/ficheiros_comunicacoes/1853187958>. Acesso em: 29 abr. 2011.

ATHAYDE, Joilson Lima. Notas da Redação: Conferência proferida na inauguração do curso de História da África Negra Pré-Colonial no C.E.A.O. 1965. Disponível em <http://www.casadasafricas.org>. Acesso em 13 Ago. 2008.

BOSI , Ecléia. O tempo vivido da memória. Ensaios da psicologia social. 2ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BOSI , Ecléia. Lembranças de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz (Biblioteca de Letras e Ciências Humanas), 1979.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Lei no. 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/cne/>. Acesso em: 16 de Jun. de 2008.

CUNHA JÚNIOR, Henrique. Racismo anti-negro: um problema estrutural e ideológico das relações sociais brasileiras.Política Democrática- Revista de Política e Cultura. ano VII, n. 21. Brasília/DF: Fundação Astrogildo Pereira, Jul. 2008. p. 118-127.

CUNHA JÚNIOR, Henrique. Afrodescendência e Espaço Urbano. In: CUN HA Jr, Henrique; RAMOS , Maria Estela Rocha. (orgs.). Espaço Urbano e Afrodescendência: estudo da espacialidade brasileira para o debate das políticas públicas. Fortaleza: UFC Edições, 2007.

FELTRAN , Gabriel de Santis. Desvelar a política na periferia: história de movimentos sociais em São Paulo. São Paulo: Associação EditoraisHumanitas: Fapesp, 2005.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

MCLAREM , Peter. Multiculturalismo Crítico. Trad. Bebel OrofinoSchaefer. São Paulo: Cortez, 1997.

MARTINS , Leda Maria. Afrografias da Memória. O Reinado do Rosário no Jatobá. São Paulo: Perspectiva. Belo Horizonte: Mazza Edições, 1997.

MUNANGA, Kabengele (org.) Superação o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, 2000.

PAVIANI , Aldo. A lógica da periferização em áreas metropolitanas. In: SAN TOS , M.; SOUZA, M. A. A. (orgs.). Território, Globalização e Fragmentação. São Paulo: Editora Hucitec,1994.

PELLEGRINI , Giacomo Corna. Bom Juá. Um estudo de geografia urbana (periferias urbanas no terceiro mundo). Trad. Breno Raigorowisk. Salvador: Associação de Moradores do Bom Juá, 1982.

ROLNIK, Raquel. Cada um no seu lugar: São Paulo, no início da industrialização: geografia do poder, 1981. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) US P. São Paulo. 1981.

ROLNIK, Raquel. Territórios negros nas cidades brasileiras (etnicidade e cidade em São Paulo e no Rio de Janeiro). Estudos Afro-Asiáticos, n. 17, Rio de Janeiro,1989.

SÃO PAULO. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEA DE). Indicadores de Desigualdade Racial. População e estatísticas vitais. Mapas. Proporção de população negra na população total. Municípios da Região Metropolitana de São Paulo e Distritos da Capital 2000. Disponível em: <http://www.seade.gov.br/produtos/idr/download/populacao>. Acesso em: 16/05/2011.

SANTOS , Milton. O espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.

SERPA, Ângelo. (Org.). Fala periferia! Uma reflexão sobre a produção do espaço periférico metropolitano. Salvador: Edufba, 2002.

SILVA, Maria Nilza da. Território e Raça: fronteiras urbanas numa metrópole brasileira. Disponível em: <http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2006/docspdf/ABEP2006_837.pdf>.Acesso em: 29 abr. 2011.

SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade. A forma social do negro-brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1988.

SOUZA, Juliana de. Memórias e Histórias da População Negra de Carapicuíba-SP: uma abordagem para a educação escolar. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Ceará. 2010.

TENÓRIO , Pedro Almeida. Carapicuíba: passado e presente 1580-2003. Carapicuíba, Secretaria Municipal da Educação, 2003.

UNESCO. Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001271/127160por.pdf. Acesso em: 23/07/2008.

UNESCO. Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial. Paris, 17 de outubro de 2003. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001325/132540por.pdf. Acesso em: 23/07/2008.