Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

O Programa Institucional de Iniciação à Docência e a Formação de Professores de Biologia: Desafios e Perspectivas para a Educação Inclusiva

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v21n2p83-95

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/comunicacao 

downloadpdf

Poliana F. Santos1 & Claudia Gomes2

 

Resumo: Como se sabe, diferentes políticas educacionais, tanto no âmbito nacional como internacional, firmam o direito de acesso à escola para todos os alunos, inclusive aqueles com necessidades educacionais especiais. Entretanto, todas elas são enfáticas no debate de que o sucesso deste processo depende das condições de formação e atuação docente. Assim, este estudo analisou os desafios e perspectivas de licenciandos do curso de Ciências Biológicas no âmbito do Programa Institucional de Iniciação à Docência (Pibid) da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG). Participaram da pesquisa quatro acadêmicos cursando quarto e sexto semestres do referido curso, com um tempo médio de vinculação ao Pibid de 11 meses. Como recurso para coleta de informações, foi constituído um grupo focal para discussões que visavam caracterizar os desafios e perspectivas da formação ante atemática da educação inclusiva. As informações analisadas qualitativamente foram organizadas em eixos de análise, evidenciando que a vinculação dos licenciandos ao Pibid/Unifal-MG possibilita a compreensão histórica e social da realidade educacional, no entanto, a indefinição de ações, modelos e práticas pedagógicas que contemplem alunos com necessidades educacionais especiais ainda é um dos desafios latentes. As considerações finais do estudo apontam que a vivência no programa vem impulsionando os licenciandos a uma formação com perspectiva crítica e reflexiva. No entanto, são lançados ainda desafios teóricos e práticos quanto à compreensão efetiva das questões políticas, teóricas e práticas que configuram uma escola efetiva mente inclusiva.

Palavras-chave: biologia, inclusão, formação docente

 

Abstract: Different educational policies, both national and international, have affirmed the right to school for all students, including those with special educational needs. However, they all emphasize that the success of this process depends on the conditions of teacher training and practice. Thus, this study has examined the challenges and prospects for undergraduate students of Biological Sciences regarding the Institutional Program for Initial Teacher Training (Pibid) from the Federal University of Alfenas (Unifal-MG). Four students from the fourth and sixth semesters of this course, with an average time of 11 months in the Program, took part in the research. As a resource for data collection, a focus group was formed to discuss the challenges and prospects of teacher training aimed at inclusive education. Information was qualitatively analyzed and organized into lines of study, evidencing that the trainee students’ participation in Pibid/Unifal-MG allows the historical and social understanding of the educational reality. However, the vagueness of actions, models, and practices directed towards pupils with special educational needs is still a latent challenge. Conclusions show that the experience in the program has led trainee students to develop a critical and reflective perspective. However, there are still theoretical and practical challenges to the effective understanding of political, theoretical, and practical issues that shape an effectively inclusive school.

Key words: biology, inclusion, teacher training

 

1 Trabalho apresentado no V Congresso Brasileiro de Educação Especial (V CBEE) / VII Encontro Nacional dos Pesquisadores da Educação Especial (VII ENPEE)– Ufscar –SP, de 14 a 17 de novembro de 2012. Agradecimento ao apoio financeiro da Capes – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
2 Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Alfenas. polianaunifal@gmail.com
3 Doutora em Psicologia e professora do departamento de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Alfenas. cg.unifal@gmail.com

 

Literatura Citada

AGUIAR, W. J.; OZELLA, S. Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Revista Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 26, n. 2, jun. 2006. Disponível em: <http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttex&pid=S1414-98932006000200006&lng>. Acesso em: 22 jun. 2008.

BECKER, F. Modelos pedagógicos e modelos epistemológicos. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 1, 1999.

BLANCO, R. Aprendendo na diversidade: implicações educativas. In: III Congresso Ibero-americano de Educação Especial: diversidade na educação – desafio para o novo milênio, 1998, Foz do Iguaçu. Disponível em: <http://www.entreamigos.com.br/textos/educa/aprendendodiversi.htm >. Acesso em: 15 de set.2000.

BRASIL. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o que se entende por Educação Especial. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 20, dez. 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/index.php?option=content&task=view&id=63&Itemid=192 Acesso em: 06 dez. 2006.

BRASIL. Decreto n.º 3.956, de 08 de outubro de 2001. Convenção da Organização dos Estados Americanos - Guatemala. Promulga a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 08, out. 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/index.php?option=content&task=view&id=63&Itemid=192 . Acesso em: 10 dez. 2006.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação. Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria nº 555/2007, prorrogada pela Portaria nº 948/2007. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: <http://www.portal.mec.gov.br.>. Acesso em: outubro de 2012.

BRASIL. Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. Portaria N° 72, de 9 de abril de 2010. Dispõe sobre o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID, no âmbito da CAPES. Diário Oficial da União, Brasília, 12 abr. 2010.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a Educação Especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União, 18 de novembro de 2011, seção 01. Disponível em:< http://www2.camara.gov.br/legin/fed/decret/2011/decreto-7611-17-novembro-2011-611788-norma-pe.html>. Acesso em: março de 2014.

CARMO NETO, H. Percepções de educadores quanto a inclusão e integração de crianças e jovens com necessidades especiais. (2000). Dissertação (Mestrado em Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, São Paulo.

CORREIA, L.M. Inclusão e necessidades educativas especiais. Porto: Porto, 2003.

DAMIANI, M. F. Discurso pedagógico e fracasso escolar. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas e Educação [online]. v.14, n.53, p. 457-478, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v14n53/a04v1453.pdf. Acesso em: 13/06/2012.

FIALE, L. A. Fracasso escolar: família, escola e a contribuição da psicopedagogia. 2001. Disponível em: <http://www.unifai.edu.br/publicacoes/artigoscientificos/alunos/18.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2012.

MANTOAN, M. T. E. Todas as crianças são bem-vindas à escola. Campinas: Unicamp, 2000.

MANTOAN, M. T. E. Ensinando a turma toda: as diferenças na escola. Pátio – Revista Pedagógica, ano V, n. 20, pp. 18 -23, fev.-abr. 2002.

MENDONÇA, S. G. L. A crise de sentidos e significados na escola: a contribuição do olhar sociológico. Cadernos CEDES[online].v.31, n.85, p. 341-357, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v31n85/03v31n85.pdf. Acessado em: 09/02/2012.

PASOLINI, M. S. Análise do atendimento da educação especial no município de Colatina/Espírito Santo: construindo um olhar na perspectiva inclusiva.2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Espírito Santo.

RODRIGUES, D. Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.

SANTANA, I. M. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores .Psicologia em Estudo, v.10, n.2, p. 227-234, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-73722005000200009

TESSARO, N. S. Inclusão escolar: concepções de professores e alunos da educação regular e especial.2004. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, São Paulo, São Paulo.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos. 1990. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf>. Acesso em: 20 set. 2011.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas em educação especial. 1994. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 17 set. 2001.