Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Fertirrigação e o Processo de Salinização de Solos em Ambiente Protegido

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v02n03a10

http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/index 

downloadpdf

Alexsandro O. da Silva1

 

Resumo: A fertirrigação é uma das alternativas para o parcelamento da adubação em cultivos agrícolas, evitando perdas por lixiviação ou volatilização dos adubos, porém o seu uso excessivo e inadequado pode levar a salinização de solos, principalmente em casas de vegetação, pois o excesso de fertilizantes eleva a condutividade elétrica na solução do solo, causando redução na produtividade das culturas. No presente texto, foram revisados trabalhos que direta ou indiretamente, abordaram o efeito da fertirrigação excessiva e sua contribuição ao processo de salinização de solos sob ambiente protegido, que apresentaram informações sobre a tolerância das culturas à salinização e seu manejo conjunto com a fertirrigação.

Palavras-chave: condutividade elétrica, solução do solo, fertilizantes

 

Abstract: Fertigation is one of the options to split fertilizer application in crops, preventing fertilizers losses by leaching or volatilization, but its excessive and inappropriate use can lead soil salinization in greenhouses, because the fertilizer excess increases the electrical conductivity in soil solution, reducing crops yield. In this article, were revised studies that directly or indirectly address the effect of excessive fertigation and its contribution to the salinization process in soils under greenhouse, which showed information about the crops tolerance to salinization caused by fertilizers and their joint management with fertigation.

Key words: electrical conductivity, soil solution, fertilizers

 

1 Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, São Paulo, Brasil. E-mail: alexsandro_oliveira01@hotmail.com

 

Literatura Citada

ALMEIDA, O. A. de. Qualidade da água de irrigação. Cruz das Almas: EMBRAPA, 2010. 234p.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. Water quality for agriculture. Rome: FAO, 1985. 147p. (Irrigation and Drainage Paper, 29)

BATISTA, M. J. et al. Drenagem como instrumento de dessalinização e prevenção da salinização de solos. 2.ed. Brasília: CODEVASF, 2002. 216p.

BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. Manual de irrigação. 8.ed. Viçosa: UFV, 2006. 625p.

BLANCO, F. F. et al. Doses de N e K no tomateiro sob estresse salino I: concentração de nutrientes no solo e na planta. Revista Brasileira Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.12, n.1, p. 26-33, jan./fev. 2008.

BORGES JÚNIOR, J. C. F.; FERREIRA, P. A. Equações e programa computacional para cálculo do transporte de solutos do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.10, n.3, p.604-611, jul./set. 2006.

COELHO, E. F. et al. Aspectos básicos em fertirrigação. In: SOUSA, V. F. et al. (Eds.). Irrigação e fertirrigação em fruteiras e hortaliças. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2011, p.233-252.

CRAMER, G. R. et al. Salt tolerance is not associated with the sodium accumlation of two maize hybrids. Australian Journal of plant Physiology, Melbourne, v.21, n.6, p.675-692, nov./dez.1994.

DANTAS, D. C. et al. Condutividade elétrica do extrato de saturação do solo a partir de extratos 1:2 pelo método do eixo principal reduzido. Irriga, Botucatu, v.10, n.4, p.335-340, out./dez. 2005.

DUARTE, S. N. et al. Recuperação de um solo salinizado devido a excesso de fertilizantes em ambiente protegido. Irriga, Botucatu, v.12, n.3, p.422-428, jul./set. 2007.

DIAS, N. S. et al. Manejo da fertirrigação e controle da salinidade do solo sob ambiente protegido, utilizando-se extratores de solução do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.9, p.496-504, out./dez. 2005.

DIAS, N. S. et al. Salinidade e manejo da fertirrigação em ambiente protegido. II: Efeitos sobre o rendimento do meloeiro. Irriga, Botucatu, v. 11, n. 3, p. 376-383, jul./set. 2006.

ELOI, W. M. et al. Rendimento comercial do tomateiro em resposta à salinização ocasionada pela fertigação em ambiente protegido. Revista Brasileira Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.15, n.5, p.471-476, maio 2011.

ELOI, W. M. et al. Níveis de salinidade e manejo da fertirrigação sobre as características do tomateiro cultivado em ambiente protegido. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 2, n. 1, p. 83-89, jan./mar. 2007.

HAYNES, R. J. Principles of fertilizer use for trickle irrigated crops. Fertilizer Research, The Hague, v.6, n.3, p.235-255, ago. 1985.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos: Rima, 2000. 531p.

LIBARDI, P. L. Dinâmica da água no solo. São Paulo: Edusp, 2012. 344p.

MARTINEZ, M. A. et al. Modelagem do movimento de sais no solo. In: GHEYI, H. R. et al. (Ed.). Manejo da salinidade na agricultura: estudos básicos e aplicados. Fortaleza: INCTSal, 2010. p.93-113.

MAAS, E. V.; HOFFMAN, G. J. Crop salt tolerance, currents assessment. Journal Irrigation and Drainage Divison, New York, v. 103, p. 115-114, jun.1977.

MEDEIROS, P. R. F. et al. Eficiência do uso de água e de fertilizantes no manejo de fertirrigação no cultivo do tomateiro sob condições de salinidade do solo. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v.7, n.2, p.344-351, abr./jun. 2012. doi

MEDEIROS, P. R. F. et al. Tolerância da cultura do pepino a salinidade em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.13, p.406-410, jul./ago. 2009.

MIRANDA, J. H. et al. Simulação do deslocamento de potássio em colunas verticais de solo não-saturado. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.25, n.3, p.677-685, jul./set. 2005.

OLIVEIRA, F. A. et al. Calibração de extratores providos de cápsulas porosa para o monitoramento da salinidade e da concentração de íons. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.31, n.3, p.520-528, jul./set. 2011.

REICHARDT, K. Dinâmica da matéria e da energia em ecossistemas. 2.ed. Piracicaba: Ed. ESALQ, 1996. 513p.

RHOADES, J. D. et al. Soil salinity assessment methods and interpretation of electrical conductivity measurements. Rome: FAO, 1999. 155p. (Irrigation and Drainage, 57)

SILVA, A. O. et al. Relações hídricas em cultivares de beterraba em diferentes níveis de salinidade do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.17, n.11, p.1143-1151, nov. 2013.

SILVA, E. F. F. et al. Extratores de capsulas porosas para o monitoramento da condutividade elétrica e do teor de potássio na solução do solo. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 57, n. 4, p. 785-789, out./dez. 2000.

SOUZA, T. R. et al. Dinâmica de nutrientes na solução do solo em pomar fertirrigado de citros. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.47, n.6, p.846-854, jun. 2012. doi

SOUZA, T. R. et al. Medida indireta da clorofila e sua relação com o manejo da adubação nitrogenada em plantas de cítricas fertirrigadas. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.33, n.3, p.993-1003, set. 2011.

VILLAS BÔAS, R. L. et al. Uso e manejo de fertilizantes em fertirrigação. In: ZANINI, J. R. et al. Uso e manejo da fertirrigação e hidroponia. Jaboticabal: FUNEP, 2002, p.1-26.

VILLAS BÔAS, R. L. et al. Fertilizantes em fertirrigação. In: FOLEGATTI, M. (Ed.). Fertirrigação: citrus, flores e hortaliças. Piracicaba, Agropecuária, 1999. p.235-319.

WOLT, J. D. Soil solution chemistry: applications to environmental science and agriculture. New York: Wiley, 1994. 345p.

ZHU, J. K. Plant salt tolerance. Trends in Plant Science, Oxford, v.6, n.2, p.66-71, fev. 2001. doi