Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Consumo de substâncias psicoativas em estudantes do ensino médio

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n2p29-40

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Andressa P. Lopes1 & Manuel M. Rezende2

 

Resumo: Este estudo objetivou verificar a prevalência do consumo de substâncias psicoativas em adolescentes do ensino médio da cidade de Maceió, no Estado de Alagoas. Tratou-se de um estudo descritivo transversal. A amostra foi composta por 407 estudantes de quatro escolas públicas e três particulares. Os participantes responderam a um questionário sociodemográfico e a um questionário sobre o consumo de substâncias psicoativas. O álcool foi a substância mais consumida nas cinco modalidades de uso: na vida, no ano, no mês, uso frequente e uso pesado. O consumo na vida foi prevalente nos adolescentes do sexo masculino e nos estudantes das escolas particulares. A pesquisa verificou a necessidade de realizar projetos de prevenção ao uso de drogas de promoção de saúde.

Palavras-chave: adolescência, drogas, abuso de substâncias, ensino médio, prevalência

 

Abstract: This study aimed to determine the prevalence of psychoactivies substance use among high school students in Maceió, Alagoas state. It was a descriptive, cross sectional study. The sample was composed by 407 students and the survey was conducted in four public and in three private schools. Participants answered a sociodemographic questionnaire, and a questionnaire about consumption of psychoactive substances. Alcoholic beverages were the more consumed substance in the five modes of use: during the life, in a year, in one month, frequent and heavy use. Consumption in life was more prevalent in males and students from private schools. The research verified the need to carry out projects to prevent the drug use and improve health promotion.

Keywords: adolescence, drugs, substance abuse, high school, prevalence

 

1 Faculdade Integrada Tiradentes, Maceió – AL – Brasil. Rua dos Coqueiros, 103, Gruta de Lourdes – Maceió – AL – Brasil. CEP: 57052-556. E-mail: andressa_lopes@hotmail.com
2 Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo – SP – Brasil

 

Literatura Citada

Andrade, T. M. R., & Argimon, I. I. L. (2006). Sintomas depressivos e o uso de substâncias psicoativas durante a vida em adolescentes. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, 2(1), 95-104.

Bucher, R. (2002). Visão histórica e antropológica das drogas. In R. Figueredo (Org.). Prevenção ao abuso de drogas em ações de saúde e educação: uma abordagem sócio-histórica e de redução de danos (pp. 8-17). São Paulo: Nepaids.

Carlini, E. A., Galduróz, J. C. F., Noto, A. R., & Napo, S. A. (2002). I Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país. São Paulo: Cebrid.

Carlini, E. A., Galduróz, J. C. F., Noto, A. R., & Napo, S. A. (2006). II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país. São Paulo: Cebrid.

Cavalcante, M. B. P. T., Alves, M. D. S., & Barroso, M. G. T. (2008). Adolescência, álcool e drogas: uma revisão na perspectiva da promoção da saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 2(3), 555-559. doi

Cruz, M. S., & Marques, A. C. P. R. (2000). O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(2), 32-36.

De Micheli, D., & Formigoni, M. L. O. L. (2002). Are reasons for the first use of drugs and family circumstances predictors of future use patterns? Addictive Behaviors, 27, 87-100. doi

Galduróz, J. C. F., Noto, A. R., Fonseca, A. M., & Carlini, E. A. (2005). V Levantamento sobre o consumo de drogas psicotrópicas entre estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino nas 27 capitais brasileiras – 2004. São Paulo: Cebrid.

Guerra, A. A. Duarte, P. C. A. V., & Oliveira, L. G. (Orgs.). (2010). I Levantamento nacional sobre o uso de álcool, tabaco e outras drogas entre universitários das 27 capitais brasileiras. Brasília: Senad.

Guimarães, J. L., Godinho, P. H., Cruz, R., Kappann, J. I., & Tosta, L., Junior (2004). Consumo de drogas psicoativas por adolescentes escolares de Assis, SP. Revista de Saúde Pública, 38(1), 130-132. doi

Lopes, A. P. (2011). Ansiedade e consumo de substâncias psicoativas em adolescentes. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Saúde da Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP.

Muza, G. M., Bettiol, H., Muccillo, G., & Barbieri, M. A. (1997). Consumo de substâncias psicoativas por adolescentes escolares de Ribeirão Preto, SP (Brasil). I – Prevalência do consumo por sexo, idade e tipo de substância. Revista de Saúde Pública, 31(1), 167-170. doi

Organização Mundial de Saúde. (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Parrott, A., Morinan, A., Moss, M., & Scholey, A. (2004). Understanding drugs and behaviour. Chichester: John Wiley & Sons.

Pratta, E. M. M., & Santos, M. A. (2007). Lazer e uso de substâncias psicoativas na adolescência: possíveis relações. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(1), 43-52.

Rezende, M. M. (2000). Uso, abuso e dependência de drogas: delimitações sociais e científicas. Psicologia e Sociedade, 12(1/2), 144-155.

Sanceverino, S. L., & Abreu, J. L. C. (2004). Aspectos epidemiológicos do uso de drogas entre estudantes do ensino médio no município de Palhoça 2003. Ciências e Saúde Coletiva, 9(4), 1047-1056. doi

Sengik, A. S., & Scortegagna, S. A. (2008). Consumo de drogas psicoativas em adolescentes escolares. Psic, 9(1), 73-80.

Tavares, B. F., Beria, J. U., & Lima, M. (2004). Fatores associados ao uso de drogas entre adolescentes escolares. Revista de Saúde Pública, 38(6), 787-796. doi

Vinet, E. V., & Faúndez, X. (2012). Consumo de alcohol y drogas en adolescentes evaluado a través del MMPI-A. Salud Mental, 35(3), 205-213. Recuperado em 10 março, 2014, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0185-33252012000300004&lng=es&tlng=es.

World Health Organization (1981). Nomenclature and classification of drug and alcohol-related problems: a WHO memorandum. Bull World Health Org, 59, 225-245.