Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Evidências de validade do subteste de leitura do teste de desempenho escolar

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n2p131-140

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Marcia de L. Athayde1, Claudia H. Giacomoni2, Cristian Zanon3 & Lilian M. Stein4

 

Resumo: O teste de desempenho escolar é um instrumento psicopedagógico desenvolvido para crianças da 1ª à 6ª série, cujo objetivo é avaliar de maneira ampla a aprendizagem por meio de três subtestes: leitura, escrita e aritmética. A proposta deste estudo foi avaliar as propriedades psicométricas do subteste de leitura, utilizando a análise de eixos principais e a teoria de resposta ao item para avaliar a estrutura interna, a dificuldade e a discriminação dos itens. A amostra foi composta de dados oriundos de pesquisas realizadas em quatro Estados brasileiros (N = 1.831). Os resultados indicaram que o subteste de leitura apresenta evidências de unidimensionalidade, avalia com mais precisão estudantes com níveis baixos e médios de habilidade e discrimina estudantes apenas até a 3ª série. Esses resultados indicam que o subteste mostra evidências de validade, mas requer refinamento.

Palavras-chave: leitura, teste de desempenho escolar, validade, teoria de resposta ao item, avaliação psicológica

 

Abstract: The school achievement test is a psychopedagogical instrument for children from 1st to 6th grade, assessing broadly learning through three subtests: reading, writing and arithmetic. The goal of this study was to evaluate the psychometric properties of the reading subtest, using principal axes analysis and item response theory to evaluate the internal structure, items difficulty and discrimination. The sample consisted of data from surveys conducted in four Brazilian states (N = 1831). Results indicated that the reading subtest presents evidence of unidimensionality, more accurately assess students with low and medium skill, and discriminates students only through third grade. These results indicate that subtest presents evidence of validity, but requires refinement.

Keywords: reading, school achievement test, validity, item response theory, psychological assessment

 

1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre – RS – Brasil. Rua João Guimarães, 327, apto. 402, Santa Cecília Porto Alegre RS – Brasil. CEP: 97015‑090. E‑mail: fga.marcia@yahoo.com.br
2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre – RS – Brasil
3 Universidade São Francisco, Itatiba – SP – Brasil
4 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre – RS – Brasil

 

Literatura Citada

Athayde, M. L., Baesso, J. S., Dias, R. F., Giacchini, V., & Mezzomo, C. L. (2009). O papel das variáveis extralinguísticas idade e sexo no desenvolvimento da coda silábica. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 14(3), 293‑299. doi

Barrera, S. D., & Nobile, G. G. (2010). Conhecimento ortográfico compreensão em leitura e competências de produção textual em alunos com dificuldades no processo de escolarização. In S. R. K. Guimarães & M. R. Maluf (Orgs.). Aprendizagem da linguagem escrita – contribuições da pesquisa (pp. 203‑238). São Paulo: Vetor.

Ciasca, S. M., & Moura‑Ribeiro, M. V. (2006). Avaliação e manejo neuropsicológico da dislexia. In N. T. Rotta, L. Ohlweiler & R. S. Riesgo (Orgs.). Transtornos da aprendizagem – abordagem neurobiológica e multidisciplinar (pp. 181‑193). Porto Alegre: Artmed.

Corso, H. V., & Salles, J. F. (2009). Relação entre leitura de palavras isoladas e compreensão de leitura textual em crianças. Letras de Hoje, 44(3), 28‑35.

Ferreira, F. L., Costa, D. S., Micheli, L. R., Oliveira, L. F., Pinheiro‑Chagas, P., & Haase, V. G. (2012). School achievement test: normative data for a representative sample of elementary school children. Psychology & Neuroscience, 5(2), 157‑164. Flores‑Mendoza.

C. E., Mansur‑Alves, M., Lelé, A. J., & Bandeira, D. R. (2007). Inexistência de diferenças de sexo no fator g (inteligência geral) e nas habilidades específicas em crianças de duas capitais brasileiras. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(3), 499‑506.

Jardini, R. S. R. (2003). Método das boquinhas: alfabetização e reabilitação dos distúrbios da leitura e escrita: cadernos de exercícios. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Knijnik, L. F., Giacomoni, C., & Stein, L. M. (2013). Teste de desempenho escolar: um estudo de levantamento. Psico-USF, 18(3), 407-416. doi

Lúcio, P. S., & Pinheiro, A. M. V. (2014). Novos estudos psicométricos para o subteste de leitura do teste de desempenho escolar. Temas em Psicologia, 22(1), 109-119. doi

Lúcio, P. S., Pinheiro, A. M. V., & Nascimento, E. (2009). O impacto da mudança no critério de acerto na distribuição dos escores do subteste de leitura do teste de desempenho escolar. Psicologia em Estudo, 14(3), 593‑601. doi

Maluf, M. R. (2010). Do conhecimento implícito à consciência metalinguística indispensável na alfabetização. In S. R. K. Guimarães & M. R. Maluf (Orgs.). Aprendizagem da linguagem escrita – contribuições da pesquisa (pp. 17‑32). São Paulo: Vetor.

Marturano, E. M., Toller, G. P., & Elias, L. C. S. (2005). Gênero, adversidade e problemas socioemocionais associados à queixa escolar. Estudos de Psicologia, 22(4), 371‑380. doi

Rotta, N. T., & Pedroso, F. S. (2006). Transtornos da linguagem escrita‑dislexia. In N. T. Rotta, L. Ohlweiler & R. S. Riesgo (Orgs.). Transtornos da aprendizagem – abordagem neurobiológica e multidisciplinar (pp. 151‑164). Porto Alegre: Artmed.

Salles, J. F. (2005). Habilidades e dificuldades de leitura e escrita em crianças de 2ª série: abordagem neuropsicológica cognitiva. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Scliar‑Cabral, L. (2013). A desmistificação do método global. Letras de Hoje, 48(1), 6‑11.

Stein, L. M. (1994). TDE – teste de desempenho escolar: manual para aplicação e interpretação. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Zimowski, M. F., Muraki, E., Mislevy, R. J., & Bock, R. D. (1996). BILOG‑MG: multiple‑group IRT analysis and test maintenance for binary items. Chicago: Scientific Software.