Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estudo da dimensionalidade da escala de comprometimento organizacional pelo modelo de Rasch

DOI: http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n2p141-155

http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/index 

downloadpdf

Fermino F. Sisto1, Luis T. Takahashi2, Dario Cecilio‑Fernandes3

 

Resumo: A pesquisa teve como objetivo analisar a dimensionalidade da escala de comprometimento organizacional pelo modelo Rasch. A escala é composta pelo fator afetivo e pelas subdimensões do fator instrumental. Participaram 184 trabalhadores, sendo 91 do sexo masculino (49,5%), cujas idades variavam de 18 a 61 anos (M = 27,44; DP = 7,12). A média para o infit foi 1,04 (DP = 0,19), variando de 0,72 a 1,53. O valor médio do outfit foi de 1,03 (DP = 0,24), e os valores variaram de 0,67 a 1,90. Em relação aos parâmetros de ajuste das pessoas, o valor médio do infit foi de 1,02 (DP = 0,49), e do outfit, de 1,03 (DP = 0,54). Foram selecionados os itens de maior saturação nas dimensões positiva e negativa, decorrentes da análise de componentes principais de resíduos. A correlação entre os itens positivos e negativos, após correção pela fórmula de profecia de Spearman‑Brown, foi de r = 0,68. Após alguns ensaios de associação das categorias de respostas e respectivas análises, optou‑se por realizar um agrupamento das categorias disfuncionais, reduzindo de sete para três alternativas de respostas. Com isso, conclui‑se que a escala apresenta evidências que sustentam a hipótese de unidimensionalidade.

Palavras-chave: dimensionalidade, comprometimento organizacional, avaliação psicológica, psicometria, modelo Rasch

 

Abstract: This study aims to verify the dimensionality of the organizational compromising scale by Rasch model. The scale consists of the affective factor and sub‑dimensions of the instrumental factor. Took part in this study 184 workers, 91 male (48.5%) with ages ranging from 18 to 61 (M = 27.44, SD = 7,12). Infit average was 1.04 (SD = 0.19) range from 0.72 to 1.53. Outif mean was 1.03 (SD = 0.54) with minimum value 0.67 and maximum of 1.90. Regarding people fit parameters, the infit mean was 1.02 (SD = 0.49) and outfit 1.03 (SD = 0.54). Items with higher loading in positive and negative dimension were selected. The correlation analysis between positive and negative items corrected by Spearman‑Brown form was r = 0.68. After rehearsals for answered categories association and analysis, the dysfunctions categories were grouped, reducing from seven to three answer alternatives. Because of that, the scale shows evidence of one‑dimensionality.

Keywords: dimensionality, organizational commitment, psychological assessment, psychometrics, Rasch model

 

1 Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre – MG – Brasil
2 Universidade do Vale do Sapucaí, Jundiaí – SP – Brasil. Rua Bom Jesus de Pirapora, 140, Centro – Jundiaí – SP – Brasil. CEP: 13207‑270. E‑mail: takahashi_sp@uol.com.br
3 University of Groningen – Groningen – Holanda

 

Literatura Citada

Allen, N. J., & Meyer, J. P. (1990). The measurement and antecedents of affective, continuance, and normative commitments to the organization. Journal of Occupational Psychology, 63, 1‑8. doi

Bastos, A. V. B. (1994) Comprometimento no trabalho: a estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato. Tese de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Bond, T. G., & Fox, C. M. (2001). Applying the Rasch model: fundamental measurement in the human sciences. London: Lawrence Erlbaum.

Cavalcante, A. B. (2005). Gestão de pessoas e comprometimento no varejo: um estudo de caso na Nexcom. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Chachamovich, E. (2007). Teoria de resposta ao item: aplicação do modelo Rasch em desenvolvimento e validação de instrumentos em saúde mental. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Freire, A., & Almeida, L. (2007). Dimensionalidade das escalas. Recuperado em 25 maio, 2009, de http://hdl.handle.net/10188/303.

Linacre, J. M. (1996). Structure in Rasch residuals: why principal components analysis? Rasch Measurement Transactions, 10(3). Recuperado em 1º dezembro, 2006, de http://www.rasch.org/rmt/rmt122m.htm.

Linacre, J. M. (2002). What do infit and outfit, mean‑squared and standardized mean? Rasch Measurement Transactions, 16(2), 878. Recuperado em 10 julho, 2006, de http://209.238.26.90/rmt/rmt82a.htm.

Magalhães, M. O. (2008). Generatividade e vínculos com a carreira e a organização: problematizando as bases do comprometimento organizacional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 9, 67‑80.

McGee, G. W., & Ford, R. C. (1987). Two (or more?) dimensions of organizational commitment: reexamination of the affective and commitment scales. Journal of Applied Psychology, 72, 638‑642. doi

Medeiros, C. A. F., Albuquerque, L. G., Marques, G. M., & Siqueira, M. (2005). Um estudo exploratório dos múltiplos componentes do comprometimento organizacional. Revista Eletrônica de Administração, 11(1), 1-16.

Medeiros, C. A. F., & Enders, W. T. (1998). Validação do modelo de conceitualização de três componentes do comprometimento organizacional. Revista de Administração Contemporânea, 2, 67‑87. doi

Menezes, I. G. (2006). Escalas de intenções comportamentais de comprometimento organizacional (Eicco): concepção, desenvolvimento, validação e padronização. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Menezes, I. G. (2009). Comprometimento organizacional: construindo um conceito que integre atitudes e intenções comportamentais. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Menezes, I. G., & Bastos, A. V. B. (2010) Construção, desenvolvimento e validação da escala de intenções comportamentais de comprometimento organizacional (Eicco). Avaliação Psicológica, 9(1), 119‑127.

Menezes, I. G., & Bastos, A. V. B. (2011). Comprometimento organizacional atitudinal: um estudo empírico sobre a dimensionalidade do construto. Estudos de Psicologia, 28(4), 463‑474. doi

Meyer, J. P. & Allen, N. J. (1984). Testing the side-bets theory of organizational commitment: some methodological considerations. Journal of Applied Psychology, 69, 372-378. doi

Meyer, J. P., Allen, N. J., & Smith, C. A. (1993) Commitment to organizations and occupations: extension and test of a three‑component conceptualization. Journal of Applied Psychology, 78(4), 538‑551. doi

Meyer, J. P. & Allen, N. J. (1997). Commitment in the workplace: Theory, research and application. Thousand Oaks: Sage.

Mowday, R. T., Steers, R. M & Porter, L. W. (1979). The measurement of organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, 14, 43-77. doi

Müller, M., Rauski, E. F., Eying, I. S., & Moreira, J. (2005). Comprometimento organizacional: um estudo de caso no supermercado “Beta”. Revista Gestão Industrial, 4, 511‑518. doi

Pallant, J., Miller, R., & Tennant, A. (2006). Evaluation of the Edinburgh Post Natal Depression Scale using Rasch analysis. BMC Psychiatry, 6, 28‑33. doi

Rodrigues, A. C. A. (2009). Do comprometimento de continuação ao entrincheiramento organizacional: o percurso de construção e avaliação psicométrica da escala. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Sisto, F. F. (2005). Um estudo sobre a dimensionalidade do teste do desenho da figura humana. Interação em Psicologia, 9, 11‑19. doi

Sisto, F. F., Rueda, F. J. M., & Bartholomeu, D. (2006). Estudo sobre a unidimensionalidade do teste matrizes progressivas coloridas de Raven. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19, 66‑73. doi

Sisto, F. F., Santos, A. A. A., & Noronha, A. P. P. (2006). Uso do Rasch para delimitação de critérios hierárquicos para o teste de Bender. In A. P. P. Noronha, A. A. A. Santos & F. F. Sisto (Orgs.). Facetas do fazer em avaliação psicológica (pp. 57‑80). São Paulo: Vetor.

Sisto, F. F., Santos, A. A. A., & Noronha, A. P. P. (2007). Estudo sobre a dimensionalidade do teste R‑1 – forma B. Psicologia em Estudo, 12, 185‑193. doi

Solinger, O. N., Olffen, W., & Roe, R. A. (2008). Beyond the three‑component model of organizational commitment. Journal of Applied Psychology, 93, 70‑83. doi

Tennant, A., & Pallant J. F. (2006). Unidimensionality matters! (A tale of two Smiths?). Rasch Measurement Transactions, 20, 1048‑1051.

Vitória, F., Almeida, L. S., & Primi, R. (2006). Unidimensionalidade em testes psicológicos: conceito, estratégias e dificuldades na sua avaliação. Psic – Revista de Psicologia da Vetor Editora, 7, 1‑7.

Wright, B. D. (2000). Conventional factor analysis vs. Rasch residual factor analysis. Rasch Measurement Transactions, 14(2), 753. Recuperado em 1º dezembro, 2003, de http://www.rasch.org/rmt/rmt142m.htm.