crosscheckdeposited

Ictioplâncton da Baía do Guajará e do Estuário do Rio Pará, Ilha do Marajó, Pará, Brasil

DOI: http://dx.doi.org/10.17080/1676-5664/btcc.v13n1p43-54

http://www.periodicos.ufra.edu.br/index.php?journal=tjfas 

downloadpdf

Anderson P. Mangas1, Alexandre C. Silva1, Susane C. G. Ferreira1, Glauber D. A. Palheta2 & Nuno F. A. C. Melo2

 

Resumo: Este estudo foi realizado a fim de determinar a composição e distribuição de ovos e estágios larvais de peixes (ictioplâncton) na baía do Guajará e no estuário do rio Pará na ilha do Marajó. Foi realizada uma coleta no período chuvoso, no mês de abril de 2010 em quinze estações pré-estabelecidas ao longo da baia e do estuário. Foram medidos salinidade, oxigênio dissolvido e clorofila a. O material biológico foi coletado com arrastos sub-superficiais, com auxílio de rede de plâncton com malha de 500 μm, 60 cm de abertura de boca e 1,80 m de comprimento, com um fluxômetro acoplado. Amostras foram conservadas com formol neutro a 4%. Foram quantificadas 2.708 larvas, destas 1.540 estavam danificadas. As larvas de peixes identificadas somam um total de 1.139 e pertencem a 11 famílias (Beloniidae, Carangidae, Characidae, Clupeidae, Hemiramphidae, Engraulidae, Gobiidae, Pimelodidae, Pristigasteridae, Scianidae e Tetraodontidae). Não houve um padrão espacial de distribuição das larvas com as variáveis ambientais. A Ordem Clupeiforme foi predominante na área estudada e a família Engraulidae apresentou maior densidade de organismos. O estágio de pré-flexão apresentou-se mais abundante, caracterizando essa área neste período estudado como área berçário e crescimento.

Palavras-chave: desenvolvimento larval, larvas de peixes, período chuvoso, Amazônia

 

Abstract: This study was conducted in order to determine the composition and distribution of eggs and larval stages of fish (ichthyoplankton) at Guajará Bay and the estuary of the river Para on the island of Marajó. Sampling was carried out during the rainy season, in April 2010 in fifteen stations established along the bay and estuary. It was obtained salinity, dissolved oxygen and chlorophyll a data. The biological material was collected through subsurface hauls, which a plankton net with 500μm mesh size, 60 cm mouth opening and 1.80 m long, coupled with a flowmeter. Samples were preserved with neutralized formalin at 4%. A total of 2,708 larvae were quantified of which 1,540 were damaged. A total of 1,139 fish larvae were idetified and belonging to 11 families (Beloniidae, Carangidae, Characidae, Clupeidae, Engraulidae, Gobiidae, Hemiramphidae, Pimelodidae, Pristigasteridae, Sciaenidae and Tetraodontidae). No spatial distribution pattern of the larvae with the environmental variables was observed. The Clupeiforms Order was prevalent in the bay and estuary studied and the family Engraulidae presented higher density of organisms. The pre-flexion stage was more abundant, characterizing this area in this period studied as a nursery and growth area.

Key words: fish larvae, larval development, rainy season, Amazonian

 

1 Engenheiro de Pesca. E-mail: anderson05m@hotmail.com
2 Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA, Avenida Presidente Tancredo Neves, nº 2501, Bairro: Terra Firme Cep: 66.077-530, Belém-Pará-Brasil

 

Literatura Citada

ABSHER, T. M.; BORZONE, C. A.; BRANDINI, F. P.; LANA, P. da C.; SPACH, H. L.; MARONE, E. Subsídios para Estudos Ambientais em Áreas Costeiras. Trabalho técnico – Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná. 2002.

BARLETTA- BERGAN, A., BARLETTA, M. & SAINT- PAUL, Structure and seasonal dynamics of larval; fish in the Caete river estuary in North Brazil. Estuarine, Coastal and Shelf Science, v.54, p 193 - 206, 2002.

BARLETTA-BERGAN, A. Structure and seasonal dynamics of larval and juvenile fish in the mangrove-fringed estuary of the Rio Caeté in North Brazil. Tese de Doutorado. Zentrum für Marine Tropenökologie, Bremen, p. 220. 1999.

BONECKER, A. C. T. Caracterização do ictioplâncton na entrada da baía de Guanabara (RJ). Tese (Doutorado em Ecologia) – Universidade Federal de São Carlos, 152f. 1997.

BRAGA, E. S.; BONETTI, C. V. D.; BURONE, L. & BONETTI-FILHO, J. Eutrophication and bacterial pollution caused by industrial and domestic wastes at the Baixada Santista estuarine system - Brazil. Marine Pollution Bulletin 40(2): 165-173. 2000.

BRAGANÇA, A. J. M. Pesca, Alimentação, Reprodução e Crescimento do Amuré, Gobioides broussomneti, (Pices:Gobiidae) no município de Vigia-Pa, Estuário Amazônico. Belém. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Zoologia da Universidade Federal do Pará/Museu Paraense Emílio Goeldi. 69f. 2005.

BRANDINI, F. P. Planctologia na plataforma continental do Brasil.I: diagnose e revisão bibliográfica. MMA/CIRM/FEMAR. 196 p. 11. 1997.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente – MMA. Macrodiagnóstico da Zona Costeira do Brasil na Escala da União. Brasília: MMA, UFRJ, FUGB, LAGET, PNMA. 1996.

CASTRO, M. S. Variação temporal das larvas de peixes em um ponto fixo na entrada da Baía de Guanabara – RJ (Brasil). Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Biologia Marinha da Universidade Federal Fluminense. Niterói: UFF, 1998.

CIECHOMSKI, J. D. Ictioplâncton. In: BOLTOVOSKOY. Atlas del Zooplancton Del Atlântico Sudoccidental y métodos de trabajo com el zooplancton marino. INDEP, Mar Del Plata, p. 829- 860. 1981.

CONAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução nº 357de 2005 Estabelece a classificação das águas doces, salobras e salinas do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2005.

CONTENTE, C. T.; PALHETA, G. D. A.; MELO, N. F. A. C. de; RAMOS, C. A. R.; PAIVA, R. S. Variação nictemeral do ictioplâncton no estuário do Rio Curuçá (Pará-Brasil), durante os períodos chuvoso e seco. Boletim Técnico Científico do Cepnor, vol. 7, n. 1, p. 27-40. 2007.

COSER, L. M.; PEREIRA, B. B.; JOYEUX, J-C. Descrição da comunidade ictioplanctônica e sua distribuição espacial no estuário dos rios Piraquê Açu e Piraquê Mirim. Interciência, v. 32, n. 4, p. 233-241. 2007.

CUNHA-CARDOSO, A. T. Identificação, Distribuição e Abundância de Larvas de Pleuronectiformes (TELEOSTEI), com Ênfase em Bothus ocellatus, na Zona Econômica Exclusiva do Nordeste do Brasil. Salvador, 103 f. Monografia (Bacharelado) – Instituto de Biologia, Universidade Federal da Bahia. 2007.

DAY J. W.; HALL, C. A. S.; KEMP, W. M.; YÁNES-ARANCIBIA, A. Estuarine ecology. New York: John Wiley and Sons. 1989.

DIAS, J.C. & LIMA, W.N.Preliminary geochemistry outline about organic nutrientes and others enviromental parameters ins estuarine waters. International Conference Mangrove 2003 (Salvador, BA), UFBA, Livro de resumos & Abstract, p.257. 2003.

DIEGUES, A. C. S. Ecossistemas Marinhos do Brasil. Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo: 74 p. 1986.

DIÉGUES, F. M. F. Introdução à Oceanografia do Estuário Amazônico. XXVI Congresso Brasileiro de Geologia. I Simpósio de Oceanografia e Geologia Marinha. P 301 – 317. 1972.

FIDELIS, C. N. A. Variações espaços-temporais do ictioplâncton em um canal de maré do estuário do rio Curuçá - Pará. Monografia de Graduação. Universidade Federal do Pará, Belém. 67 p. 2007.

GAUGHAN, D. J.; NEIRA, F. J.; BECKEY, L. E. & POTTER, I. C. Composition, seasonality and distribution of ichthyoplankton in the Lower Swan Estuary, south - western Australia. Australian Journal of Marine and Freshwater Research v. 41, p. 529-543. 1990. doi

HARRIS, S. A. & CYRUS, D. P. Ocurrence of larval fishes in the St. Lucia Estuary, KwaZulu-Natal, South Africa. South African Journal of Marine 1 6, 333 - 350. 1995. doi

LAEGDSGAARD, P. & JOHNSON, C. Why do juveniles fish utilize mangrove habitats? Journal of Experimental Marine Biology and Ecology. 2000. v. 257, n.2, p. 229-253, 2000.

LOURENÇO, C. B. Estrutura sazonal e espacial do microfitoplâncton no estuário da ilha do Marajó, Pará, Brasil. Monografia de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Pesca). Universidade Federal Rural da Amazônia. 2011.

McHUGH, J. L. Estuarine nekton. In: Lauff, G.H., (Ed) Estuaries. American Association for the Advancement of Science. Washington, DC, U.S.A. pp. .581 - 620, 1967.

MENESES, N. A. & FIGUEIREDO, J. L. Manual de peixes marinhos do sudeste do Brasil: Teleostei. 4. USP. v. 5. 1985.

MIRANDA, L. B.; CASTRO, B. M.; kJERFVE, B. Princípios de Oceanografia Física de Estuários. São Paulo: USP. 2002.

MOSER, H. G. Ontogeny and systematics of fishes. American Society of Ichthyologists and Herpetologists ed., Special publication Number 1: 760pp. 1984.

NAKATANI, K.; AGOSTINHO, A. A.; BAUMGARTNER, G.; BIALETZKI, A.; SANCHES, P. V.; MAKRAKIS, M. C.; PAVANELLI, C. S. Ovos e larvas de água doce: desenvolvimento e manual de identificação. Maringá: EDUEM, 378 p. 2001.

NEIRA, F. J. & POTTER, I. C. The ichthyoplankton of a seasonally closed estuary in temperate Australia: does an extended period of opening influence species composition? Journal of Fish Biology v. 41 , p. 935 _953, 1992.

NELSON. J. S. Fishes of the world. 3ª ed. John & Sons Wiley. New York. 600p. 1994,

NEUMANN-LEITÃO, S. Impactos antrópicos na comunidade zooplanctônica estuarina. Porto de Suape-PE-Brasil. Tese Doutorado. Universidade de São Paulo, São Carlos. 1994.

PALHETA, G. D. A. Composição e distribuição espaço temporal de ovos e larvas de peixes, nos estuários dos Rios Curuçá e Muriá (Curuçá-Pará). Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Ciência Animal da Universidade Federal do Pará. p.88. Belém, 2005.

PEREIRA-FILHO J, LC SPILLERE & CAF SCHETTINI. Dinâmica de nutrientes na região portuária do estuário do Rio Itajaí - Açu, SC. Atlântica 25(1): 11-20. 2003.

RÉ, P. Ictioplâncton estuarino da Península Ibérica, Guia de identificação de ovos e estados larvares planctónicos. Lisboa, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. 114 p. 1999.

SANT’ ANNA, R. O. Variação espacial, sazonal e nictemeral da comunidade ictioplanctônica no estuário dos rios Piraquê-açu e Piraquê mirim (ES - Brasil). Monografia de Graduação. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória. 57 p. 2005.

SANTOS, A.P.E. & LIMA, W.N. Indicadores geoambientais para o monitoramento de águas estuarinas e sedimentos associados à região metropolitana de Belém/PA. Belém, I Seminário de Iniciação Científica da UEPA, 2007.

SARAIVA, A. S. C. Produção primária de biomassa no estuário do Tejo: estudo da variabilidade das descargas. Instituto Superior Técnico. Lisboa, v. 1, 2001.

SILVA, A. C. Caracterização do ictioplâncton de quatro estuários da microregião do salgado do estado do Pará-Brasil. 2011. Monografia de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Pesca). Universidade Federal Rural da Amazônia. 2011.

STRICKLAND, J. D. H.; PARSONS, T. R. A pratical handbook of sea water analysis. Bull. Fish. Res. Boa. Can. Ottawa, v. 167, p. 1-311. 1972.

UNESCO. Determination of photosynthetic pigments in sea water: report of SCOR/UNESCO. Paris. (Monography on Oceanography Methodology). 69p. 1966.

VARELA, M.; PREGO, R. Hydrography and phytoplankton in an isolated and non-pristine ria area: the A Coruña Harbour (NW Spain). Acta Oecologica, v. 24, p. 113-124, 2003. doi

WHITFIELD, A. K. An estuary – association classification for the fishes of southern Africa. South African Journal of Science v. 90 , p. 411 _417, 1994a.

WHITFIELD, A. K. Life - history syles of fishes in South African estuaries. Environmental Biology of Fishes v. 28, p. 295 _308, 1990.

ZACARDI, D, M. Variação diária e caracterização morfológica das larvas de peixes do complexo estuarino do rio amazonas - PA. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Pará, Universidade Federal Rural da Amazônia, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Belém. 110 f. 2009.