Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Período Adequado de Controle de Plantas Invasoras em Plantios Florestais

DOI: http://dx.doi.org/10.12953/2177-6830.v05n02a01

http://www.ufpel.tche.br/revistas/index.php/cienciadamadeira/index 

downloadpdf

Elder Eloy1, Braulio O. Caron2, Rômulo Trevisan3, Gean C. Monteiro4 & Elvis F. Elli4

 

Resumo: O presente trabalho teve como objetivo avaliar a frequência das atividades culturais de coroamento e roçada das espécies florestais Acacia mearnsii De Wild., Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden, Mimosa scabrella Benth e Ateleia glazioviana Baill, submetidas aos espaçamentos: 2,0 m x 1,0 m; 2,0 m x 1,5 m; 3,0 m x 1,0 m e 3,0 m x 1,5 m. O experimento foi conduzido no município de Frederico Westphalen-RS, utilizando o delineamento experimental de blocos completos casualizados com três repetições, no esquema de parcelas subdivididas. As observações foram realizadas durante dez meses transcorridos a partir do plantio. A frequência das atividades culturais é necessária a cada dois meses até o sexto mês após o plantio para todas as espécies. Para A. mearnsii, M. scabrella e A. glazioviana, a roçada e o coroamento não sofreram influência do espaçamento durante o período avaliado. Já o E. grandis é a única espécie que reagiu na presença de plantas invasoras, sendo influenciado pelo espaçamento a partir do sétimo mês após o plantio.

Palavras-chave: coroamento, densidades de plantio, espécies florestais, roçada

 

Abstract: This study aimed to evaluate the frequency of cultural activities of mowing and crowning of Acacia mearnsii De Wild, Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden, Mimosa scabrella Benth and Ateleia glazioviana Baill forest species submitted to the spacing: 2.0 m x 1.0 m, 2.0 m x 1.5 m, 3.0 m x 1.0 m and 3.0 m x 1.5 m. The experiment was performed in the city of Frederico Westphalen-RS, using a randomized complete block design in three replications in split plots. The observations were made for ten months after planting. The frequency of cultural activities is required every two months until the sixth month after planting for all species. Regarding A. mearnsii, M. scabrella and A. glazioviana, mowing and crowning are not influenced by spacing during the period of study. On the other hand, E. grandis is the only one specie that reacts in the presence of invasive plants. Furthermore, E. grandis is influenced by spacing from the seventh month after planting.

Key words: weeding, planting density, forestry species, mowing

 

1 Engenheiro Florestal, Doutorando em Engenharia Florestal, Docente, Universidade Federal de Santa Maria, Frederico Westphalen, RS. E-mail: eloyelder@yahoo.com.br
2 Engenheiro Agrônomo, Doutor em Agronomia, Docente, Universidade Federal de Santa Maria, Frederico Westphalen, RS
3 Engenheiro Florestal, Doutor em Engenharia Florestal, Docente, Universidade Federal de Santa Maria, Frederico Westphalen, RS
4 Engenheiro Agrônomo, Discente, Universidade Federal de Santa Maria, Frederico Westphalen, RS

 

Literatura Citada

AMBIENTE BRASIL. Disponível em: http://www.guiaflorestal.com.br/?pg=lerartigo&id=83. Acesso em: 11 mar 2011.

CARVALHO, P. E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2003. 1.039p.

MACEDO, P. R. O; CASTRO, P. F.; RODRIGUES, A. V. Sensibilidade Econômica e Estratégica do uso de herbicidas em substituição à mão de obra rural junto a algumas atividades florestais em regiões acidentadas, In: 6º CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, SBS/SBEF, Campos de Jordão, 1990. Anais... Campos de Jordão, 1990.

MACIEL, C. D. G.; POLETINE. J. P.; ALVES, I. M.; RRAIMONDI, M. A.; RODRIGUES, M.; BUENO, R. R.; COSTA, R. S. Coroamento no controle de plantas daninhas e desenvolvimento inicial de espécies florestais nativas. Semina, v. 32, n. 1, p. 119-128, 2011.

MALUF, J. R. T. Nova classificação climática do Estado do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 8, n. 1, p. 141-150, 2000.

LONDERO, E. K.; SCHUMACHER, M. V.; RAMOS, L. O. O.; RAMIRO, G. A. R.; SZYMCZAK, D. A. Influência de diferentes períodos de controle e convivência de plantas daninhas em eucalipto. Cerne, v. 18, n. 3, p. 441-447, 2012. doi

PITELLI, R. A.; MARCHI, S. R. Interferência das plantas invasoras nas áreas de reflorestamento. In: SEMINÁRIO TÉCNICO SOBRE PLANTAS DANINHAS E O USO DE HERBICIDAS EM REFLORESTAMENTO, 3, Belo Horizonte, 1991. Anais... Belo Horizonte, 1991. p. 1-11.

TAROUCO, C. P.; AGOSTINETTO, D.; PANOZZO, L. E. SANTOS, L. S.; VIGNOLO, G. K.; RAMOS, L. O. O. Períodos de interferência de plantas daninhas na fase inicial de crescimento do eucalipto. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.44, n.9, p.1131-1137, 2009. doi

TOLEDO, R. E. B. Faixas de controle de plantas daninhas e seus reflexos no crescimento de plantas de eucalipto. Scientia Florestalis, v. 64, p. 78-92, 2003.

VELINI, E. D. Interferências entre plantas infestantes e cultivadas. In: Marcelo Kogan. (Org.). Avances en Manejo de Malezas en la Produccion Agrícola y Florestal. 1 ed. Santiago do Chile, v. 1, p. 41-58, 1992.