Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Influência da Embalagem e do Local de Armazenamento na Qualidade Fisiológica de Sementes de Abóbora ‘Jacarezinho’ (Curcubita moschata Duch)

DOI: http://dx.doi.org/10.13083/1414-3984.v22n04a02

http://www.seer.ufv.br/seer/index.php/reveng/index 

downloadpdf

Acácio Figueiredo Neto1, Bárbara F. Dantas2, Francisco de A. C. Almeida3, Marcos S. Lima4 & Fabrício F. S. da Silva5

 

Resumo: As condições de armazenamento são determinantes para garantia da qualidade fisiológica das sementes e, embora a sua qualidade não possa ser melhorada, boas condições durante este período contribuirão para mantê-las viáveis por um tempo mais longo, retardando o processo de deterioração. A manutenção da viabilidade das sementes de frutos carnosos através do armazenamento vem sendo uma das linhas de pesquisa mais importantes para as sementes de grande número de espécies. Diante do exposto, objetivou-se com o presente trabalho avaliar a influência dos diferentes tipos de embalagens, ambientes, e do período de armazenamento sobre a germinação e vigor das sementes de abóbora ‘Jacarezinho’. O trabalho foi conduzido no Laboratório de Análise de Sementes da Embrapa Semiárido, em Petrolina – PE. As sementes foram acondicionadas em embalagens de papel e de plástico (tereftalato de polietileno) e mantidas em ambiente de laboratório e em câmara fria com 10 ºC e 45% de UR. As sementes foram avaliadas antes e durante o armazenamento por três, seis e doze meses. Foram avaliados o teor de água, a germinação e o vigor das sementes. Dentre os principais resultados, pode-se constatar que é viável armazenar sementes de abóbora ‘Jacarezinho’ com 6% de teor de água durante doze meses, pois a dormência endógena é superada após este período de conservação. A embalagem de plástico foi considerada a mais adequada assim como o ambiente de laboratório com 29 ºC e 45% de UR para as condições climáticas de Petrolina - PE. Os maiores valores de germinação foram obtidos em embalagem de plástico (95%) para os doze meses e papel com 91%, no terceiro mês de armazenamento. A análise de correlação entre o peso seco das sementes (r = -0,80) e o teste frio (r = 0,76) com a emergência de plântulas em campo foi significante a 1% de probabilidade.

Palavras-chave: armazenamento, embalagem, qualidade fisiológica

 

Abstract: Storage conditions are crucial to ensure the physiological quality of seeds, and although their quality cannot be improved, good conditions during this period help to maintain them viable for a longer time, slowing the deterioration process. Maintaining the viability of seeds of fleshy fruits by storing has been one of the most important lines of research for seeds. Based on this information, the present study sought to evaluate the influence of different packing types, environmental conditions and storage periods on germination and vigor of the pumpkin seeds cv. Jacarezinho. The work was conducted at the Seed Analysis Laboratory of Embrapa Semi-Arid, at Petrolina - PE. Seeds were packaged in paper or plastic (polyethylene terephthalate) bags and maintained in a laboratory environment or in cold chamber at 10 ºC and 45% RH. The seeds were evaluated before and during storage for three, six and twelve months. We evaluated the water content, germination and vigor of the seeds. Among the main results, it was shown that it is feasible to store Jacarezinho pumpkin seeds with 6% water content for twelve months, since endogenous dormancy is broken after this retention period. The plastic bags were considered the most suitable, along with the lab environment of 29 ºC and 45% RH for the climatic conditions of Petrolina - PE. The highest germination values were obtained in plastic bags (95%) after twelve months and for paper bags was 91% in the third month of storage. Correlation analysis between the dry weight of the seeds (r = -0.80) and cold test (r = 0.76) with emergence in the field was significant at 1% probability.

Key words: storage, packaging, physiological quality

 

1 Engenheiro Agrônomo, Professor Adjunto do Colegiado de Eng. Agrícola da UNIVASF, E-mail: acacio.figueiredo@univasf.edu.br
2 Agrônoma, Pesquisadora da Embrapa Semiárido, CEP 56302-970. E-mail: barbara@cpatsa.embrapa.br
3 Engenheiro Agrônomo , Professor Associado da Engenharia Agrícola da UFCG, E-mail: almeida@deag.ufcg.edu.br
4 Professor do IF Sertão Pernambucano, CEP: 56328-265. E-mail: marcoslima100@hotmail.com
5 Biólogo do Centro de Recuperação de Áreas, CEP: 56328-265. E-mail: fabriciofrancisco2006@gmail.com

 

Literatura Citada

ALMEIDA, A.S.; PINTO, J.F.; DEUNER, C.; VILLELA, F.A. Avaliação do potencial fisiológico de sementes de melancia. Revista FZVA, v.17, n.1, p.68-77, 2010.

ALMEIDA, F.A.C.; DUARTE, M.E.M.; MATA, M.E.R.M.C. Tecnologia de armazenamento em sementes. Editora da UFCG, Campina Grande – PB, 402p.il., 2006.

ARAÚJO, P.C.; TORRES, S.B.; BENEDITO, C.P.; PAIVA, E.P. Condicionamento fisiológico e vigor de sementes de maxixe. Revista Brasileira de Sementes, v.33, n.3, p.482-489, 2011. doi

BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Seeds: Physiology o development and germination. Plenum Press, New York, USA, 445p. 1994. doi

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, DF: MAPA/ACS, 2009. 395p.

DORNELLES, A.L.C.; LIMA, A.R.; CAMPOS, V.C. Avaliação do potencial de armazenamento de sementes de Annona crassiflora Mart., Annona muricata L., e Annona squamosa L. Anais do 17° Congresso Brasileiro de Fruticultura, Belém, Brasil, CD-Rom, 2002.

DUTRA, A.S. Teste de condutividade elétrica para avaliação do vigor de sementes de abobrinha. Revista Brasileira de Sementes, v.28, n.2, p.117-122. 2006. doi

GENTIL, D.F.O. Conservação de sementes do cafeeiro: Resultados discordantes ou complementares? Bragantia, v.60 n.3, p.149-154, 2001. doi

LIMA, D. Avaliação da viabilidade e vigor de sementes de cebola (Allium cepa). Dissertação (Mestrado em Agronomia), Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel. Universidade Federal de Pelotas, 1993. 61p.

MAGUIRE, J.D. Speeds of germination-aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, v.2, p.176-177, 1962. doi

MARTINS, C.C.; CASTRO, M.M.; NAKAGAWA, J.; CAVARIANI, C. Comparação entre métodos para a avaliação do vigor de sementes de couvebrócolos (Brassica oleracea L.). Revista Brasileira de Sementes, v.24, n.2, p.96-101, 2002. doi

MORAIS, O.M.; OLIVEIRA, R.H.; SANTOS, V.B.; SILVA, J.C.G. Armazenamento de sementes de Annona squamosa L. Revista Biotemas, v.22, n.4, p.33-44, 2009.

NASCIMENTO, W.M.; PEREIRA, R.S.; FREITAS, R.A.; BLUMER, L.; MUNIZ, M.F.B. Colheita e armazenamento de sementes de coentro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.41, n.12, p.1793-1801, 2006. doi

NAKADA, P.G.; OLIVEIRA, J.A.; MELO, L.C.; SILVA, A.A.; PERINA, F.J. Desempenho durante o armazenamento de sementes de pepino submetidos a deferentes métodos de secagem. Revista Brasileira de Sementes, v.32, n.3, p.42-51, 2010. doi

NKANG, A. Carbohydrate composition during seed development and germination in two subtropical rainforest tree species. Journal of Plant Physiology, v.159, n.5, p.473-483, 2002. doi

NOGUEIRA, E.S.; WANDERLEI, J.M.; PINARODRIGUES, F.C.M.; SANTOS, A.L. Efeito da embalagem e do produto de armazenamento da germinação de sementes de ipê cinco chagas (Sparattosperma leucathum). Informativo ABRATES, v.11, n.2, p.9-11, 2001.

PEREIRA, G.F.A. Fungos de armazenamento em lotes de sementes de soja descartados no estado de Minas Gerais na safra 1989/90. Revista Brasileira de Sementes, v.6, n.2, p.216-219, 1994.

PIANA, Z.; TILLMANN, M.A.A; MINAMI, K. Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de cebola e sua relação com a produção de mudas vigorosas. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.17, n.2, p.149-153, 1995.

POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília, DF: AGIPLAN, 1985. 289p.

RAMOS, S.R.R.; LIMA, N.R.S.; ANJOS, J.L.; CARVALHO, H.W.L. Aspectos técnicos do cultivo da abóbora na região Nordeste do Brasil. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2010. Série Documentos, 36p.

SANTOS, C.M.R.; MENEZES, N.L.; VILLELA, F.A. Modificações fisiológicas e bioquímicas em sementes de feijão no armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, v.27, n.1, p.104-114, 2005. doi

SILVA, F.A.S.; AZEVEDO, C.A.V. Versão do programa computacional Assistat para o sistema operacional Windows. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v.4, n.1, p.71-78, 2002.

TEÓFILO, E.M.; SILVA, S.O.; BEZERRA, A.M.E.; MEDEIROS FILHO, S.; SILVA, F.D.B. Qualidade fisiológica de sementes de aroeira (Myracrodruom urundeuva) em função do tipo de embalagem, ambiente e tempo de armazenamento. Revista Ciência Agronômica, v.35, n.2, p.371-376, 2004.

TORRES, S.B. Qualidade de sementes de melancia armazenadas em diferentes embalagens e ambientes. Revista Ciência Agronômica, v.36, n.2, p.163-168, 2005.

TORRES, S.B.; SILVA, M.A.S.; QUEIROZ, M.A. Qualidade de sementes de maxixe armazenadas em diferentes embalagens e ambientes. Ciência e Agrotecnologia, v.26, n.3, p.539-544, 2002.

TORRES, S.B.; SILVA, M.A.S.; CARVALHO, I.M.S.; QUEIROZ, M.A. Correlação entre testes de vigor em sementes de maxixe. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.34, n.6, p.1075-1080, 1999. doi

VEIGA, A.D. Tolerância de sementes de soja à dessecação. Ciência e Agrotecnologia, v.31, n.3, p.773-780, 2007. doi

VIEIRA, R.D. Teste de condutividade elétrica. In: Vieira, R.D.; Carvalho, N.M. Testes de vigor em sementes. Jaboticabal: FUNEP, 1994. p.103-132.

VIEIRA, R.D.; KRZYZANOWSKI, F.C. Teste de condutividade elétrica. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO, J.B. (Ed.) Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999, p.4-26.

YOKOYAMA, S.; SILVA JÚNIOR, A.A. Maxixe: uma hortaliça pouco conhecida. Agropecuária Catarinense, v.1, n.3, p.12-13, 1988.