Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Estimativa do Volume em Árvores de Hymenaea coubaril L. e Trattinnickia burserifolia Mart. no Norte de Mato Grosso

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v02n04a06

http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/index 

downloadpdf

Dirceu L. C. de Miranda1,2, Bruno A. Paro2 & Guilherme R. Costa3

 

Resumo: O objetivo do estudo foi ajustar equações volumétricas para as espécies Amazônicas Hymenaea courbaril (Jatobá) e Trattinnickia burserifolia (Amescla) e avaliar a precisão das estimativas na comparação com o emprego de um fator de forma geral. Foi realizada a cubagem rigorosa pelo método de Smalian em 70 árvores de cada espécie e coletado os dados de DAP e altura comercial. O critério de seleção para a escolha do melhor modelo volumétrico foi o valor ponderado dos escores estatísticos (VP). Foram separados ao acaso os dados de volume de 20 árvores de cada espécie e aplicado o teste de ANOVA para verificar as diferenças entre os volumes estimados pelas equações e pelo fator de forma. As melhores equações ajustadas foram de Spur (R2aj 0,90) para H. courbaril e Stoate (R2aj 0,96) para T. burserifolia. Os resultados obtidos pela análise de variância apresentaram diferença significativa apenas para a estimativa do volume comercial de T. burserifolia utilizando o fator de forma 0,7. Conclui-se que os modelos matemáticos estimam o volume com maior precisão que o fator de forma 0,7, no entanto é necessário ajustá-los para diferentes espécies e condições edafo-climáticas.

Palavras-chave: equações de volume, fator de forma, espécies nativas, Amazônia

 

Abstract: The study objective was to adjust volumetric equations for amazonian species of Hymenaea courbaril (Jatobá) and Trattinnickia burserifolia (Amescla) and see if there is a significant difference in estimating merchantable volume of these species from the equations of volume and form factor (0.7) established by decree 1862 of 04/2009. The cubing was performed by the Smalian method in 70 trees of each species and collected data DBH and commercial height. The selection criterion for choosing the best volumetric model was weighted by the value of statistical scores (VP). Volume data from 20 trees of each species was used the ANOVA to determine differences between the estimated volumes by the equations and the form factor 0.7 were separated randomly. The best equations were adjusted by Spur (R2aj 0.90) for H. courbaril and Stoate (R2aj 0.96) for T. burserifolia. The results obtained by the variance analysis showed a significant difference only for the estimated trade volume of T. burserifolia using the form factor of 0.7. It is concluded that mathematical models estimate the volume more accurately than the form factor of 0.7, however it is necessary to adjust them for different species and environmental conditions.

Key words: volumetric equations, Form factor and species native, Amazon

 

1 Pós-Graduação em Ciências de Florestas Tropicais, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, Amazonas, Brasil. E-mail: dirceu.miranda@inpa.gov.br
2 Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Federal de Mato Grosso, Sinop, Mato Grosso, Brasil
3 GRC Engenharia Florestal e Segurança do Trabalho, Sinop, Mato Grosso, Brasil

 

Literatura Citada

FIGUEIREDO, E. O. et al. Manejo de precisão em florestas tropicais: modelo digital de exploração florestal. Rio Branco: Embrapa, 2007. 183p.

MACHADO, S. A. et al. Modelagem do volume individual para diferentes idades e regimes de desbaste em plantações de Pinus oocarpa. Ciências Exatas e Naturais, Curitiba, v.4, n.2, p.185-196, jul./dez. 2002.

MACHADO, A. M.; FIGUEIREDO FILHO, A. Dendrometria. Guarapuava: UNICENTRO, 2006. 316p.

MIGUEL, E. P. et al. Ajuste de modelo volumétrico e desenvolvimento de fator de forma para plantios de eucalyptusgrandis localizados no município de rio verde – GO. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v.6, n.11, p.1-13, jul./dez. 2010.

ROLIM, S. G. et al. Modelos volumétricos para a Floresta Nacional do Tapirapé-Aquirí, Serra dos Carajás (PA). Acta Amazonica, Manaus, v.36, n.1, p.107-114, jan./mar. 2006.

SCHNEIDER, P.R.; HOSOKAWA, R. Estudo de equações volumétricas para tabela de volume com e sem casca de acácia-negra (Acaciamearnsii de Wild.) In: CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, 3., 1978, Manaus, Amazonas, Anais... Manaus: IBDF, 1978. p.90-95.

SCHNEIDER, R. P; TONINI, H. Utilização de variáveis dummy em equações de volume para acácia mearnsii de Wild. Ciência Florestal, Santa Maria, v.13, n.2, p.121-129, abr./jun. 2003.

THOMAS, C. et al. Comparação de equações volumétricas ajustadas com dados de cubagem e análise de tronco. Ciência Florestal, Santa Maria, v.16, n.3, p.319-327, jul./set. 2006.

THIERSCH, A. A eficiência das distribuições diamétricas para prognose da produção de Eucalyptus camaldulensis. Lavras, 1997. 155f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 1997.

TONINI, H. Dendrometria de espécies nativas em plantios homogêneos no estado de Roraima - Andiroba (CarapaguianensisAubl.), Castanha-do-brasil (Bertholletia excelsaBonpl.), Ipê-roxo (Tabebuia avellanedae Lorentz exGriseb) e Jatobá (Hymenaea courbaril L.). Acta Amazonica, Manaus, v.35, n.3, p.353-362, jul./set. 2005.

THAINES, F. et al. Equações para estimativa de volume de madeira para a região da bacia do rio Ituxi, Lábrea, AM. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v.30, n.64, p.283-289, dez. 2010. doi