Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Influência do Teor de Umidade na Germinação de Sementes de Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan

DOI: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v02n04a07

http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/nativa/index 

downloadpdf

Lucas D. Marangoni1, Marlove F. B. Muniz2, Raquel Binotto1, Jordana Georgin4 & Caciara G. Maciel3

 

Resumo: Parapiptadenia rigida é uma espécie arbórea nativa amplamente encontrada na região central e sul do Brasil, é indicada para recuperação de áreas degradadas em virtude de sua baixa exigência física do solo e por ser heliófila. Devido aos poucos estudos sobre os efeitos do teor de umidade no comportamento fisiológico e sanitário de sementes de angico, o presente trabalho teve como objetivo definir teores de umidade adequados para produção e conservação da viabilidade das sementes. As sementes foram coletadas em dez árvores no campus da UFSM e seu teor de umidade foi homogeneizado em ambiente de laboratório por cinco dias. Determinou-se o Teor de Umidade (TU) das amostras juntamente com o Peso de Mil Sementes (PMS) submetidas à secagem em estufa 105 ± 3 °C/24h. Para obtenção de teores maiores de umidade as sementes foram submetidas à umidade elevada (100%) em gerbox por um e dois dias. O valor mínimo e máximo de teor de umidade foi, respectivamente, 3% e 100% (base seca). Foram avaliados o vigor e a incidência de fungos em cada teor de umidade. A análise estatística foi realizada por meio do software Assistat. O teor de umidade não afetou a incidência de fungos, entretanto interferiu em alguns testes de vigor.

Palavras-chave: angico-vermelho, teste de vigor, incidência de fungos, condutividade elétrica

 

Abstract: Parapiptadenia rigida is a native tree species widely found in central and southern Brazil, indicated for regeneration of rundown areas due to its low physical soil requirement and to its heliophile style. Regarding the few studies on the effects of moisture content on the physiological and health behavior of the angico seeds, the present study aimed to define suitable moisture content for production and preservation on seeds viability. Seeds were collected from ten trees in the UFSM campus and then their moisture content was homogenized in a laboratory of environment for five days. The Moisture Content (MC) of the samples were gauged along with the weight of thousand seeds (WTS) dried up in a drying oven at 105 ± 3 ° C/24h. To obtain higher moisture levels, some seeds went through high humidity level (100%) in gerbox for one and two days. The minimum and maximum moisture content was, respectively, 3% and 100% (dry basis). The vigor and the incidence of fungi in each moisture level were evaluated. Statistical analysis was performed using the software Assistat. The moisture content did not affect the incidence of fungi, however interfered with some vigor tests.

Key words: angico, vigor test, fungi incidence, electric conductivity

 

1 Pós-Graduação em Agrobiologia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil
2 Departamento de Defesa Fitossanitária, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil
3 Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil
4 Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: jordana_gin@hotmail.com

 

Literatura Citada

BRASIL. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p.

CARNEIRO, J. S. Testes de sanidade de sementes de essências florestais. In: SOAVE, J.; WETZEL, M. V. S. Patologia de sementes. Campinas: Fundação Cargill, 1987. p.386-393.

DAVIDE, A. C.; SILVA, E. A. A. Sementes florestais: produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: UFLA, 2008. 174p.

EDMOND, J.B.; DRAPALA, W.J. The effects of temperature, sand and soil, and acetone on germination of okra seed. Proceedings of the American Society for Horticultural Science, v. 71 p. 428-34, 1958.

FOWLER, J. A. P.; CARPANEZZI, A. A. Conservação de sementes de angico-gurucaia (Parapiptadenia rigida) (Bentham) Brenan. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 36, p.5-10, jan./jun. 1998.

GASPARIN, E. Armazenamento de sementes e produção de mudas de Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan. 2012. 146f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5.ed. v.1. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. 368p.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq, 2005. 495p.

MONDO, V. H. V. et al. Teste de germinação de sementes de Parapiptadenia rígida (Benth.) Brenan (Fabaceae). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v.30, n.2, p.177-183, maio/ago. 2008.

RODRIGUES, et al. Pré-hidratação em sementes de soja e eficiência do teste de condutividade elétrica. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v.28, n.2, p.168-181, maio/ago. 2006.

SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. Analise de germinação: um enfoque estatístico. Brasília: Editora UnB, 2004. 248p.

SANTOS, A. F. et al. Transmissão de fungos por sementes de espécies florestais. Floresta, Curitiba, v.30, n.1-2, p.119-128, jan./dez. 2000.

SCHMIDT, L. Tropical forest seed. New York: Springer, 2007. 409 p. doi

STRAPASSON, M. et al. Fungos associados às sementes de angico (Piptadenia paniculata). Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n.45, p.137-141, jul/dez. 2002.