Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Acessibilidade de Pessoas com Deficiência: O Olhar de Uma Comunidade da Periferia de Porto Alegre

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmrs.v12n23p55-67

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/RS/index 

downloadpdf

Luciane C. Wagner1, Cristiane K. Lindemayer2, Artemis Pacheco3 & Larissa D. Silva4

 

Resumo: O estudo objetivou investigar, em uma comunidade da periferia de Porto Alegre, a percepção de pessoas com deficiência (PCD’s), cuidadores e membros da comunidade sobre a acessibilidade em seu território. Como método de estudo, elegeu-se uma abordagem qualitativa, utilizando-se a técnica dos grupos focais. Foram realizados quatro grupos: PCD’s (n=10), cuidadores informais (n=8), cuidadores formais (n=6) e membros da comunidade (n= 4). O discurso dos grupos foi gravado e transcrito para posterior análise (semântica) de conteúdo, de acordo com as seguintes categorias: necessidades de acessibilidade, alternativas comunitárias de resolução de necessidades de acessibilidade, direitos, estigma e necessidades básicas. Os resultados apontam para uma grande preocupação dos participantes com suas necessidades básicas não satisfeitas, que são muitas. As carências sociosanitárias e o distanciamento geográfico influenciam negativamente na acessibilidade de PCD’s, acentuando a exclusão social e prejudicando sua autonomia. A comunidade, PCD’s e familiares carecem de organização e informação sobre direitos e cidadania, o que os impulsiona a criar soluções “caseiras” e pouco adequadas para resolver suas necessidades. Os profissionais queixam-se de insuficiência de capacitação e recursos para atender adequadamente esta população. A falta de condições comunitárias de acessibilidade e a negação de atendimento ou de vagas nas escolas são entendidas como resultado de estigma e o preconceito. Estes dados assinalam que é urgente a necessidade de criação de políticas de promoção de saúde, educação e planejamento urbano que visem melhorar as condições de acessibilidade em nosso meio, especialmente em comunidades carentes como a investigada.

Palavras-chave: Acessibilidade - Pessoas com deficiência - Território.

 

Abstract: The study aimed to investigate, in a community of the periphery of Porto Alegre, the perception of people with disabilities, carers and community members about accessibility in their territory. As study method, a qualitative approach was chosen, using the focal groups technique. Four groups had been carried through: PCDs (n=10), informal carers (n=8), formal carers (n=6) and members of the community (n=4). The speech of the groups was recorded and transcript for posterior analysis (semantics) of content, in accordance with the following categories: needs of accessibility, communitarian alternatives for resolution of accessibility needs, rights, stigma and basic needs. As the results, we fi nd that the concern on basic needs dominated the speeches. The lack of basic needs and the geographic distance infl uence negatively the accessibility of people with disabilities, making diffi cult their independence and social inclusion. The community, people with disabilities and their family lack of organization and information on rights and citizenship, which drives them to create home-made solutions. We conclude that there is an urgent need to create policies for health promotion, education and urban planning to improve the accessibility’s conditions of this kind of population.

Key words: Accessibility - People with disabilities – Territory.

 

1 Doutora em Psiquiatria, Pesquisadora Responsável pelo Projeto de Iniciação Científi ca que deu origem ao presente artigo, Vice-Coordenadora do Mestrado Profi ssional em Reabilitação e Inclusão do Centro Universitário Metodista, do IPA
2, 3 Professoras auxiliares do Projeto de Iniciação Científi ca que deu origem ao presente artigo, Terapeutas Ocupacionais, Professoras do curso de Terapia Ocupacional do Centro Universitário Metodista, do IPA
4 Bolsista de Iniciação Científi ca - curso de Terapia Ocupacional do Centro Universitário Metodista, do IPA

 

Literatura Citada

ALMEIDA, M.C. & OLIVER, F.C. Abordagens comunitárias e territoriais em reabilitação de pessoas com defi ciências: fundamentos para a Terapia Ocupacional.In: De CARLO, M.M.R.P.; BARTALOTTI, C.C., organizadoras. Terapia Ocupacional no Brasil: Fundamentos e Perspectivas. São Paulo: Plexus Editora, 2001. p. 81-98.

ARAÚJO, Carolina Dutra de; CÂNDIDO, Débora Regina Campos Cândido; LEITE, Márvio Fonseca Leite. Espaços públicos de lazer: um olhar sobre a acessibilidade para portadores de necessidades especiais. Licere (Online),v. 12, n. 4, dez. 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). Norma Brasileira (NBR) 9050. Acessibilidade a edifi cações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 2004.

BARROS, D.D.; GHIRARDI, M.I. & Lopes, R.E. Terapia Ocupacional Social. Revista Terapia Ocupupacional USP, v.13, n. 3, p.95-103. 2002. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v13i3p95-103

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Capítulo II – Dos Direitos Sociais (Artigo 6º), 1988.

BRASIL. Decreto n° 3.298 de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a lei n° 7.853, de 24 de outubro de 1989, que dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Defi ciência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências.

BRASIL. Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de defi ciência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

BAUER, M.W. & GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. São Paulo: Editora Vozes, 2002.

CANOTILHO, J. J.G. Direito constitucional e teoria da constituição. 4 ed. Coimbra: Almedina, 2000.

ELIAS, M.P.; MONTEIRO, L.M.C.; CHAVES, C.R.. Acessibilidade a benefícios legais disponíveis no Rio de Janeiro para portadores de defi ciência física. Ciênc. saúde coletiva, v.13, n.3, p. 1041-1050. 2008.

FERRONATTO, B.C.; WAGNER, L.C.; FALKENBACH, A.P. Inclusão laboral da pessoa portadora de defi ciência. Lecturas Educación Física y Deportes, v.12, n.117, p.1 - 4, 2008.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3ª Edição. Porto Alegre: Artmed, 2009.

MACIEL, M.R.C. Portadores de defi ciência: a questão da inclusão social. Perspectiva, v. 14, n.2, p.51-56. 2000.

MASLOW, A.H. Motivación y personalidad. 2ª ed. Barcelona: Ed. Sagitario, 1975.

OLIVER, F.C. ; TISSI, M.C. ; AOKI, M. et al. Participação e exercício de direitos de pessoas com defi ciência: análise de um grupo de convivência em uma experiência comunitária. Interface - Comunic., Saúde, Educ. v. 8, n.15, p.275-288. 2004.

TORRES, E.F.; MAZZONI, A.A.; ALVES, J.B.M. A acessibilidade à informação no espaço digital. Ciência da Informática, n.31, p. 83-91, 2002.

WAGNER, L.C. & KING, M. Existential needs of people with psychotic disorders in Porto Alegre, Brazil. Br J Psychiatry, v.186, p.141-145. 2005. doi