Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

A Dinâmica Social da Verdade e Neutralidade Científicas: o Caso das Novas Biotecnologias

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmedh.v11n22p7-18

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/EUM/index 

downloadpdf

Adriano Premebida1 & Fabrício M. Neves2

 

Resumo: Este artigo examina a relação teórica entre verdade científica e dispositivos de poder e discute os efeitos de neutralidade do discurso científico tendo em vista as controvérsias sobre as consequências sociais e ambientais das novas biotecnologias e a participação de não peritos nestas questões.

Palavras-chave: Neutralidade científica - Biotecnologias e dispositivos de poder

 

Abstract: This paper examines the theoretical relation between scientific truth and power apparatus and the debate about scientific discus’s impartiality effects, looking the controversies about socials and environments consequences of news biotechnologies and the no-expert’s participations in these topics.

Key words: Impartiality scientific - Biotechnology and Power apparatus

 

1 Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul — UFRGS. É pesquisador e Diretor Técnico-científico da Fundação Djalma Batista – FDB, no Estado do Amazonas. E.mail: premebida@hotmail.com
2 Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul — UFRGS e professor colaborador desta mesma Universidade. E.mail: fabriciomneves@gmail.com

 

Literatura Citada

BACON, Francis. A nova Atlântida. São Paulo: Abril cultural, 1979.

BARNES, Barry. T. S. Kuhn and the Social Science. Nova York: Columbia University Press, 1982.

BARNES, Barry; BLOOR, David e HENRY, John. Scientific knowledge. Chicago: University of Chicago Press,1996.

BLOOR, David. Knowledge and Social Imagery. Chicago: the University of Chicago Press, 1991.

BOURDIEU, Pierre. O campo científi co. In: ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

COLLINS, Harry; PINCH, Trevor. O golem: o que você deveria saber sobre ciência. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

FEYERABEND, Paul. Contra o método. Rio de Janeiro: F. Alves, 1977.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GEYMONAT, Ludovico; GIORELLO, Giulio. As razões da ciência. Lisboa: Edições 70, 1986.

GIBBONS, M.; LIMOGES, C.; NOWOTNY, H.;SCHWARTZMAN, S.; SCOTT, P.; e TROW, M. The New Production of Knowledge: the Dynamics of Science and Research in Contemporary Societies. London: SAGE, 1994.

HACKING, Ian. The Social Construction of What? Massachusetts and London: Harvard University Press, R1999.

Representing and Intervening: Introductory Topics in the Philosophy of Natural Science. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

HENRY, John. A revolução científi ca e as origens da ciência moderna. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

LACEY, Hugh. Valores e atividade científi ca. São Paulo: Discurso Editorial, 1998.

LATOUR, Bruno e WOOLGAR, Steve. A vida em laboratório: a produção dos fatos científi cos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LENOIR, Timothy. Instituindo a ciência: a produção cultural das disciplinas científi cas. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2004.

LUHMANN, Niklas. Introdución a la teoría de sistemas. México D. F.: Anthropos, 1996.

MANNHEIM, Karl. Sociologia do conhecimento (v.1). Porto: RÉS-Editora, 2001.

Ideologia e utopia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

MERTON, Robert K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1968.

OLIVEIRA, Bernardo Jefferson de. Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

ORTEGA, Francisco J. G. Biopolíticas da saúde: refl exões a partir de Michel Foucault, Agnes Heller e Hannah Arendt. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. Botucatu, São Paulo, vol. 8, nº. 14, p. 9-20, 2004.

PREMEBIDA, Adriano. As biotecnologias e a politização da vida. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofi a e Ciências Humanas. Tese de doutorado, 2008.

RORTY, Richard. Objetivismo, relativismo e verdade: escritos fi losófi cos, vol. 1. Rio de Janeiro: Relume- Dumará, 1997.

RUIZ, Castor M. M. Bartolomé. A cumplicidade da verdade (científi ca) e o poder, sua incidência nos modos de subjetivação. In: REGNER, Anna C.; ROHDEN, Luiz. (Orgs.). A fi losofi a e a ciência redesenham horizontes. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, p. 165- 183, 2005.

SHAPIN, Steven. Discipline and Bounding: The History and Sociology of Science as Seen Through the Externalism-internalism Debate. History of Science, vol. 30, p. 333-369, 1992. http://dx.doi.org/10.1177/007327539203000401

Here and Everywhere: Sociology of Scientifi c Knowledge. Annual Review of Sociology, vol. 21, p. 289-321, 1995. http://dx.doi.org/10.1146/annurev.so.21.080195.001445

FREITAS, Renan Springer de. Sociologia do conhecimento, pragmatismo e pensamento evolutivo. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2003.

WITSMAN, Jeni & GIRARDI, Sábado (Orgs.). A ciência e seus impasses: debates e tendências em fi losofi a, ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1999.

ZILSEL, Edgar. The Sociological Roots of Science. Social Studies of Science, vol. 30, nº. 6, 2000.