Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Decisões Pedagógicas: Implicações na Constituição da Identidade Docente na Educação Superior

DOI: http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmedh.v14n28p83-93

https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/EDH/index 

downloadpdf

Clarice M. Escott1 & Edgar Z. Timm2

 

Resumo: O artigo apresenta uma análise sobre percepções de docentes da educação superior nas áreas do Direito e da Enfermagem no que se refere a sua prática pedagógica com destaque para a questão das decisões pedagógicas que nela são tomadas. A análise tomou por base os resultados da pesquisa desenvolvida por Escott (2008), intitulada “Currículo, pedagogia e avaliação em cursos de enfermagem e direito: influências do discurso regulador geral e do discurso recontextualizador”, empreendida junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFRGS. No presente texto evidencia-se que o contexto do ensino superior e da educação em geral exige que os docentes tomem decisões pedagógicas sobre o que ensinar, como ensinar, porque ensinar, a quem ensinar e, por conseguinte, o que, como, quem e porque avaliar. Tais decisões são sempre influenciadas pelas concepções valorativas e pelo paradigma orientador de cada docente e de cada grupo profissional, o que se apresenta como um tema complexo e carregado de significados tanto profissionais como pessoais. Decorre dessa constatação a necessidade de se desenvolver estudos dessa natureza, que ajudem os profissionais de outras áreas específicas que atuam também profissionalmente na área da Educação, na docência de cursos superiores de suas áreas de formação, a pensar reflexivamente suas práticas pedagógicas e, nestas, as decisões que tomam cotidianamente na construção de seu magistério.

Palavras-chave: Educação Superior – Direito – Enfermagem – Pedagogia – Decisões Pedagógicas.

 

Abstract: The article presents an analysis about perceptions of higher education’s teachers in the areas of Law and Nursing concerning their pedagogical practice with emphasis on what are the pedagogical decisions taken in it. The analysis was based on the results of a research conducted by Escott (2008), entitled “Curriculum, pedagogy and evaluation in Law and Nursing courses: influences of general regulative discourse and recontextualizing discourse”, developed by the Education Post-Graduation Program of Education’s Faculty at UFRGS. This text shows that the context of higher education and education in general requires that teachers take pedagogical decisions about what to teach, how to teach, why to teach, who teach, and, therefore, how, who and why evaluate. Such decisions are always influenced by value conceptions and for the guiding paradigm of each teacher and each professional group, which is a complex matter, charged with professional and personal meanings. This context indicates the need to develop studies of this nature for help professionals of other specific areas that also work professionally in the field of Education in higher education courses to think reflectively about their pedagogical practices and about the daily decisions that they take to create their teaching.

Key words: Higher Education - Law - Nursing - Pedagogy - Pedagogical Decisions.

 

1 Doutora em Educação (UFRGS); professora e Diretora de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – IFRS/Campus Porto Alegre; membro dos Grupos de Pesquisa InovAval/UFRGS e Educação, Inovação e Trabalho/IFRS.
2 Doutor em Educação (PUCRS); professor no Programa de Pós-Graduação em Reabilitação e Inclusão e no Programa de Pós-Graduação em Biociências e Reabilitação, do Centro Universitário Metodista IPA; membro do Grupo de Pesquisa Educação e Inclusão/IPA.

 

Literatura Citada

BERNSTEIN, Basil. A Pedagogização do conhecimento: estudos sobre recontextualização. Cadernos de Pesquisa, n. 120, p. 75-110, novembro/ 2003.

BERNSTEIN, Basil. Pedagogía, control simbólico e identidad: teoria, investigación y crítica. Madrid: Ediciones Morata, 1998.

BIRMAN, Joel. Entre cuidado e saber de si: sobre Foucault e a psicanálise. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1990.

CUNHA, Maria Isabel. A avaliação da aprendizagem no Ensino Superior. In: SOBRINHO, José Dias.; RISTOFF, Dilvo I. Universidade desconstruída: avaliação institucional e resistência. Florianópolis: Insular, 2000.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

DOMINGOS, Ana Maria et al. A teoria de Bernstein em sociologia da educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986.

ESCOTT, Clarice Monteiro. Influência do discurso regulador e dos espaços de participação na construção da gramática institucional em cursos de Enfermagem e de Direito. In: LEITE, Denise. Avaliação participativa e qualidade: os atores institucionais em foco. Porto Alegre: Sulina; Editora Universitária Metodista IPA, 2009.

ESCOTT, Clarice Monteiro. Currículos, pedagogia e avaliação em Cursos de Enfermagem e de Direito: influências do discurso regulador geral e do discurso recontextualizador. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2008, Porto Alegre, BR-RS.

FOSSATTI, Paulo. A produção de sentido na vida de educadores: por uma logoformação. Tese (doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2009, Porto Alegre, BR-RS.

FOUCAULT, Michel. Hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FRANCO, Maria Estela Dal Pai.; GENTIL, Heloísa Salles. Identidade do Ensino Superior no Brasil: questões no entrecruzar de caminhos. In FRANCO, Maria Estela Dal Pai.; KRAE, Elisabeth Diefenthaeler. Pedagogia Universitária e áreas do conhecimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

LEITE. Denise. Reformas Universitárias: avaliação institucional participativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

LEITE, Denise; CUNHA, Maria Isabel da. Decisões pedagógicas e estruturas de poder na universidade. Campinas, SP: Papirus, 1996.

MOSQUERA, Juan José Mouriño. O professor como pessoa. 2. ed., Porto Alegre: Sulina, 1978.

RAMIREZ, Vera Lúcia. A constituição do profissionalismo docente e suas interfaces com o exercício da docência no ensino superior. Tese (doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2011, Porto Alegre, BR-RS.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei. O ensino do Direito, os sonhos, as utopias. In: RODRIGUES, Horácio Wanderlei. (org.) Ensino jurídico: para que(m)? Florianópolis: Fundação Boiteux, 2000.

SANTOS, Boaventura Sousa. Um discurso sobre as ciências. 8. ed. Porto: Afrontamento, 1996.

SANTOS PESSOA, Robertônio. Diretrizes Curriculares e redefinição dos concursos públicos. In: OAB Ensino Jurídico: formação jurídica e inserção profissional. Brasília: DF, Conselho Federal, 2003.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. In: SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo; A imaginação; Questão de método. 3. ed., São Paulo: Nova Cultural, 1987 (Os Pensadores)

TIMM, Edgar Zanini. Refletindo sobre a motivação docente: sou professor porque isso me faz bem. In: SANTOS, Bettina Steren dos; BOZA CARREÑO, Ángel (Orgs.). A motivação em diferentes cenários. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

TIMM, Edgar Zanini; MOSQUERA, Juan José Mouriño; STOBÄUS, Claus Dieter. Resiliência: necessidade e possibilidade de problematização em contextos de docência. Educação, v. 31, n.1, p. 39-45, jan./abr. 2008.