Купить СНПЧ А7 Архангельск, оперативня доставка

crosscheckdeposited

Suprimentos de Materiais Indiretos de Produção por Lojas In-House: Caso Braskem

DOI: http://dx.doi.org/10.15600/2238-1252/rct.v17n33p119-136

https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/cienciatecnologia/index 

downloadpdf

Leo T. Robles1 & Henrique M. Robles2

 

Resumo: As estratégias da gestão de suprimentos de materiais indiretos de produção (MIPs) objetivam a redução de custos e melhorias dos níveis de serviço. Da posição reativa e focalizada na redução de despesas, empresas têm adotado novas formas de relacionamento com fornecedores dessas cadeias de suprimento. Os MIPs representam uma quantidade significativa de itens e exigem demorados e custosos processos de aquisição e suprimento. A gestão dessas cadeias de suprimento tem indicado a necessidade de aproximação com fornecedores. O tema abordado com base no método do estudo de caso foi analisado a partir da caracterização estratégica dos MIPs pela Braskem S/A. Analisou-se sua categorização de materiais e os procedimentos de gestão de suprimentos. Constatou-se que a empresa, na busca de relações de parceria com seus fornecedores, concluiu pela conveniência da implantação de Lojas In-house, as quais consistem da localização de fornecedores nos sítios industriais da Braskem. A experiência, conforme identificado pelas pesquisas, resultou exitosa ao conseguir reduções de custos para si e para os fornecedores, além de garantia de colocação de produtos, o acesso a outras empresas localizadas nos sítios industriais, numa relação de conveniência mútua. Há que se ressaltar a abordagem restrita à Braskem, o que indica a conveniência de se estender o estudo para as empresas fornecedoras.

Palavras-chave: suprimentos de materiais indiretos, parcerias, lojas in-house, integração logística

 

Abstract: The supply strategies for MRO (Maintenance, Repairs and Operation) items aim at cost reduction and the improvement in service levels. In this sense, evolving from a reactive position focused on expenses reduction, firms have adopted new relationship strategies with suppliers in these particular and important supply chains. MRO parts represent a meaningful quantity of SKUs and demand lengthy and costly purchase and supply processes. Supply chain management has shown the need of a closer approach with suppliers. This article analyzes the case of Braskem S/A based on its MRO strategic approach, which classified and recognized the importance of these items and led to partnership relationships with suppliers through the implementation of In-house Shops (IHS) at Braskem’s industrial sites. The main conclusion is that this implementation seems to be convenient in terms of cost reductions and improved service levels for both Braskem and its suppliers, making it possible that suppliers are located in Braskem’s industrial sites, in a mutually convenient relationship. The study’s main limitation is its restricted focus on Braskem, so it would be interesting to extend it to suppliers.

Key words: maintenance, repair and operation (mro), partnerships, in-house shops, integrated logistics

 

1 Professor Associado da UFMA, participando do Grupo de Estudos em Logística, Negócios e Engenharia Portuária - GELNEP. E-mail: leotadeurobles@uol.com.br
2 E-mail: henrique.robles@braskem.com.br

 

Literatura Citada

BARRY, J. et al. A development model for effective MRO Procurement. International Journal of Purchasing and Materials Management, v. 32, n. 3, Summer, 1996.

BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J.; COOPER, M. B. Gestão logística de cadeias de suprimentos. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BRASKEM. Yearly and Sustainability Report 2009. Disponível em: <http://www.braskem.com.br/upload/rao/2009/online/pdf/braskem2009.pdf> Acesso em: 09 out. 2010.

CONTADOR, J. C. (Coord.). Gestão de operações. Fundação Vanzolini. São Paulo: Blucher, 1997.

CROOM, S. Restructuring supply chains through information channel innovation. International Journal of Operations & Production, v. 21, n. 4, p. 504-515, 2001.

EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14, n.4, p. 532-550, 1989.

ERNST; YOUNG. Supply chain advantage: driving vision to value. Folder, USA: 1998.

KANTER, R. M. Collaborative advantage: the art of alliances. Harvard Business Review, p. 96- 108. jul./ago., 1994.

LAMBERT, D. M. KNEMEYER, A. M.; GARDNER, J. T. Building high performance business relationship. Sarasota: Supply Chain Management Institute, 2009.

LAZZARINI, S. G. Estudos de caso: aplicabilidade e limitações do método para fins de pesquisa. Economia e Empresa, São Paulo, v. 2, n. 4, out./dez. 1995, p. 17-26.

MARTINS, P. G.; ALT, P. R. C. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2000.

MERLI, G. Comarkership: a nova estratégia para os suprimentos. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998.

MOREIRA, D. A. Administração da produção e operações. São Paulo: Pioneira, 1993.

PORTER, M. E. Competitive advantage: creating and sustaining superior performance. New York: Free Press, 1998.

ROBLES, L. T. A prestação de serviços de logística integrada na indústria automotiva no Brasil: em busca de alianças estratégicas logísticas. 2001. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) - FEA-USP, Universidade de São Paulo. ROSS, D. F. Competing through supply chain management: creating market-winning strategies through supply chain partnerships. New York: Chapman & Hall, 1998.

SACOMANO NETO, M.; PIRES, S. R. I. 2010. Modular Consortium and Industrial Condominium: analyzing two contemporary forms of inter-firm governance in the Brazilian automotive industry. Gerpisa Colloquium, Berlin, 2010. Disponível em: <http://www.gerpisa.org/en/node/677>. Acesso em: 05 mai. 2010.

WOMACK, J. P.; JONES, D. T. A mentalidade enxuta. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.